Vaia a Salles é mais que merecida, foi provocada pelo governo

Não surpreende ninguém que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tenha sido corrido a vaias do plenário do Senado Federal.

É o contraponto a ele ser recebido com aplausos e festas quando vai a encontros do agronegócio.

Mas existe mais para explicar a antipatia que o governo desperta, e não só pelas atitudes de Salles.

A sua cota, com certeza, é produto do desmonte que fez – o que ele negou, é claro – demitindo, logo ao início do governo, 21 dos 27 superintendentes regionais do Ibama.

Depois, criou um “núcleo de conciliação” com poderes para mudar o valor e anular multas aplicadas por danos ambientais, em lugar dos recursos normais em qualquer registro de infração. Embora não signifique necessariamente corrupção, é evidente que “ter conversa” é meio caminho andado para as regras serem descumpridas.

Em seguida veio a conversa sobre privatizar as áreas de reserva ambientais, sob o argumento de que é caro mantê-las ficalizadas. Não se sabe como o particular, se é cara, será remunerado por isso.

Mais recentemente, provocou mal estar na administração do Fundo Amazônia – dinheiro da Noruega, basicamente, destinado a preservação do bioma amazônico e meteu a colher torta no BNDES, afastando a servidora que o administrava, sem que qualquer irregularidade tivesse sido alegada.

Mas há a “cota Bolsonaro”, a de um presidente que mostra claramente seu desprezo pela preservação ambiental. Embora ninguém seja criança e não entenda que há interesses internacionais poderosos que se valem da preocupação ambiental para fazer prevalecer uma prostração do Brasil, não se pode sair, como ele faz, oferecendo a natureza brasileira para grupos estrangeiros, como ele tem feito.

Aliás, às vezes, nem mesmo para os gigantes, até mesmo para os grupos devastadores que exploram o turismo esta oferta é feita, acenando com transformar a Baía de Angra dos Reis em uma Cancún brasileira.

Fala o tempo todo de “tirar do cangote” dos ruralistas o que seria a fiscalização ambiental e fez, ele próprio, a sua vingança pessoal contra o fiscal que o multou por pesca ilegal.

Ninguém estranhe se, no “embalo” da liberação das armas, Bolsonaro também não revogue a Lei 9.605, que obriga obter licença para o comércio e o uso de motosserras.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Boçal Nato disse que veio para destruir tudo.

    Para evitar a destruição, faz-se mister destruir Boçal Nato.

  2. E esses caras se importam com vaias, ainda mais vaias no final do evento, depois que ele falou o que queria?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.