O avesso do avesso

reservaipanema

Talvez haja muitos comentários ácidos pelo que vou escrever, mas resolvi soltar o que estava preso depois que me mandaram um vídeo onde uma das chiques lojas “Reserva”, da qual Luciano Huck é sócio, na Rua Maria Quitéria, esquina da Praça N.S. da Paz, um dos pontos mais chiques de Ipanema, exibia um “evento de marketing”.

Um display eletrônico convidava os distintos passantes a vestirem uma luva de boxe e tirarem uma foto, para a internet, socando um saco destes de treino de boxe,  onde está escrito “Fake News”, Assédio, Homofobia,Violência, Corrupção e Ódio.

Tudo “politicamente correto”.

Menos o evidente, o óbvio, o escancarado: o soco, a incitação à violência, ao ódio, à agressão, com o mais corrupto objetivo, o do ganho comercial ou, ao menos, o do mercadológico.

Um blackbloc cult, aqueleV de Vingança” do qual falei aqui outro dia com o risco de ser tachado de “conciliador” depois de 40 anos de entrega da vida à transformação do meu país.

E hipócrita, numa grife que, pouco tempo atrás, espalhava fotos de crianças com camisetas dizendo “vem ni mim que estou facim”.

Os manequins, claro, são convenientemente negros.

Faz tempo que o “politicamente correto” é manipulado pelo conservadorismo como forma de “vestir” a elite mais politicamente incorreta que o mundo já conheceu com a capa do “bom-mocismo”.

O monstruoso assassinato de Marielle Franco traz isso tudo mais à tona.

A Globo e os jornais se debulham em lágrimas de crocodilo pelas causas a que nunca deram espaços e  que só têm valor para a exploração mórbida.

Está evidente que Marielle morreu não somente  porque era mulher, negra, de esquerda  e oriunda da favela.

Morreu porque isso a fazia o alvo mais que adequado para o que se queria alcançar com um assassinato de grande repercussão.

Se fosse homem, branco, de classe média, apolítico não morreria, talvez,  apenas  pela carga simbólica que lhe faltaria.

Mas morreria, se assim o determinasse o esquema mafioso que se constrói a partir de uma polícia que virou uma indústria de corrupção.

O essencial não pode ficar escondido e é, nas palavras de um amigo, o “acirramento da a luta de classes e a emersão do fascismo”.

Estamos na luta por um projeto que, embora carregue os ingredientes da cor, do sexo, da origem e da ideologia, tem algo que a tudo isso engloba e muito mais: queremos ser um povo e um país civilizados.

É isso o que matou Marielle  e que está matando a todos nós.

E se não soubermos o que nos tenta matar, não sobreviveremos.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

33 respostas

  1. Nem George Orwell, nem Aldous Huxley, nem Margaret Atwood conseguiriam imaginar distopia maior que o Brasil vive hoje…

  2. Eles matam qualquer um que atravessa seus caminhos, mataram Eduardo Campos para não tirar votos deles, mataram Teori para não serem julgados e condenados e agora mataram Marielle só por que defende uma causa e ainda vão matar muito mais, depois que juízes, promotores, ministros, políticos, etc.. se uniram para um golpe e então tomar o poder no Brasil, por conseguinte, não conseguiram administrar o país como pensavam que fosse fácil, agora querem consertar as suas incompetências na bala.

    1. O estado de São Paulo é um estado de exceção, políticos são eleitos pelo PSDB para planejarem o crime, seja através das organizações criminosa ou através dos intelectuais especializados diversos tipos de engenharia para maquiagem dos crimes que praticam, exemplo é o Paulo Vieira de Souza, o Paulo preto, outro exemplo, anmorte do filho do governador, foi morto porque, abriu empresas para beneficiar o pai é o tio, outro exemplo a máfia da merenda escolar que partiu do palácio dos Bandeirantes.

  3. Descobri dolorosamente, em 14 de março de 2018, que a História é uma centopeia. Enquanto nós, pobres bípedes, nos esforçamos para entendê-la, prevê-la, sobrepujá-la, ela nos engana, célere, com as 98 patinhas restantes. Comecei a escrever um texto na véspera, num bar em Volta Redonda, onde trabalho, uma simplória tentativa de comentar a frase lapidar do Lula no lançamento do livro, em São Paulo, sobre a perseguição que sofre há 16 anos, desde que foi eleito presidente do Brasil:
    “- Escolhi um lado, e estou pronto a pagar o preço.”
    Expliquei também que o clichê “frase lapidar” se devia à sua certeza de pedra, como diziam Graciliano Ramos, João Cabral de Mello Neto, Ariano Suassuna.
    O golpe, através do corrompido sistema policial, assassinou Marielle. Sobre tudo que escrevi naquela noite, sobre minhas duas perninhas trôpegas, as 98 perninhas incansáveis da História acharam por bem me pregar uma peça. Tudo que achava sólido, desmanchou-se no ar.
    “Escolhi um lado, e paguei um preço.” Poderia ser o epitáfio de Marielle, se alguém ainda desse importância para epitáfios. Quanto mais na favela da Maré.
    Em dois dias, a frase de Lula mudou de boca – em um percurso próprio aos gênios políticos -, e passou do presente dos vivos ao passado dos mortos. Dos torturados. Dos assassinados. Dos presidiários sem sentença. Dos injustiçados. Dos perseguidos.
    Marielle faz parte hoje da História do Brasil, tanto quanto Edson Luiz, Marighella, Lamarca, Prestes, e tantas outras vítimas, conhecidas ou anônimas, dessa elite retrógrada e colonialista, vendida ao Departamento de Estado norte-americano, que está se apoderando de nosso país, suas riquezas e suas mentes.
    Eu também, há muitos anos, escolhi um lado. E não tem preço.

  4. “Faz tempo que o “politicamente correto” é manipulado pelo conservadorismo como forma de “vestir” a elite mais politicamente incorreta que o mundo já conheceu com a capa do “bom-mocismo”.”

    Nada mais a dizer.

  5. Assino embaixo, caríssimo Fernando Brito. Para se ver quantas bobagens e mentiras foram ditas sobre Marielle Franco. Aqui, a Tese de Mestrado que ela defendeu com brilhantismo e que mostra a forma como se especializou em Segurança e, principalmente, sobre o funcionamento das UPP´s, o controle policial do Estado e o ideológico manipulado pela Grande Mídia. Ela seria um “estorvo” para os facistas de plantão.
    https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/2166/1/Marielle%20Franco.pdf

    1. Obrigada por divulgar a tese da Marielle! Vou ler com respeito e carinho. Lamento tanto que tenhamos chegado à essa escala de selvageria! Alguém de tanto valor e preparo…calada por animais! (posso estar enganada: mas os assassinos da vereadora são, a partir de agora, “arquivo mortos”!).

    2. Não conheço a Marielle. E supondo que tudo de ruim sobre ela seja verdade, pergunto: Isso é suficiente para categorizar a família dela, bairro, cidade ou partido político ?

      Preconceito é um mecanismo básico de ação do ser humano. Afinal, você não repensa tudo novamente a respeito de estímulo similar.

      Entretanto, como é possível ter preconceito de alguém que você nunca viu ? Como é possível ter ódio de alguém que você não conhece ?

      Tem coisas que só os gênios da direita conseguem explicar.

      1. Sim. E o pior é que a maioria ou boa parte dela está aí há 500 anos. E os brasileiros ainda não acostumaram ao exame honesto: de que está e se é o melhor para ele?! Gratíssimo. Shalom.

    3. Jayne, sou grato por informar o link da Tese de Mestrado da Marielle. Já coloquei em Outros Favoritos para começar a ler logo mais. Depois volto a comentar.

  6. Concordo quem fala que a mídia famosa disseminou esse ódio, terminando nessa tragédia covarde tentaram em vão calar a voz da Marielle e surgiram e triplicaram as voz dela, nossa luta não precisa de BALA !

  7. Marielle Franco não morreu apenas porque era negra, mulher, favelada, mas também porque era culta, de esquerda, e a maior votação (46.500 votos), como a maior votação do partido de aposição no 2º Turno à Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Mais uma vez o ataque da direita, veio pelos acertos, pelo sucesso da esquerda, pois com a votação que alcançou, e com a experiência como assessora do 2º mais votado ás eleições da Prefeitura do Rio de Janeiro (Marcelo Freixo/PSOL), Marielle já se projetava, como uma futura “Grande Liderança” da esquerda na Região Sudeste, onde a extrema direita sempre lutou e luta, para não perder o seu poder. Com apenas 38 anos Marielle tinha toda as possibildades de ambicionar, por direito, com enormes chances, à Prefeitura de Rio de Janeiro, e quiçá o Governo de seu Estado.

    1. Essa luva de boxe é símbolo daqueles pit bulls de direita, que perdem nas ideias e nos finalmentes dizem: “vem pra porrada”. A cor do manequim é tipo um playboy doando cesta natalina. Tá se achando cool fazendo fita de social mas não resolve porra nenhuma .

  8. Pai de menino de menino de 1 ano atingido por bala na cabeça em confronto PM/bandido: “Bala contra bala resolve a situação do nosso País?”. Muito mais inteligente que os haters de direita. E olha que podia estar revoltado com sede de justiça a qualquer preço. Parabéns a esse pai! Muita força e paz!

  9. Somos o que temos? #mariellePresente

    Somos alvos, cabelo lisos, não crespos. Dentes brancos, pele que se diz esbranquiçada.
    Temos ojeriza, sentimos asco, vomitando pelos olhos o desprezo pela pele da negrada
    Somos seleção, vil patecos, escolhidos dentre duzentos milhões, como se fôssemos premiado
    Temos premissas falsas e questionáveis, infindáveis, reluzindo humanos desagregados

    Temos culpa não expiada, apavorada, não conhecíamos Marielle, guerreira, agora ausente.
    Somos fracos, carne e osso manipulável, fantoches, reverberando ódio sagaz contra pretos.
    Temos uma idiotice latente, capatazes soltos, brutais, matando vidas e fabricando enterros
    Somos caminhos cruzados, não brancos e negros, bandeira de luta de Marielle presente!

    Somos negros, não de pele mas necrosados pela podridão, bebendo, sem pudor, sangue
    Temos vassalos e gritamos igualdade, num pedido contraditório, incompatível com o ser
    Somos chicotes lacerantes, vibrante, massacrando milhares, sem dó, um anão amante.
    Temos o nada e não somos tudo, idiotas brilhantes, contente, glorificando o ter.

    Temos riquezas espúrias, expropriantes, covardes, forjando adoradores do frequente.
    Somos pobres, paupérrimos, contando dinheiro, terras, bens, desgastando o essencial
    Temos medo, pagando caro para ficar isolado, cercado, a raça animal mais irracional
    Somos caminhos cruzados, pobres e ricos, bandeira de luta de Marielle presente!

    Somos homens, brutamontes instigados, acuando, sem motivos, valores homossexuais.
    Temos desejos, mil faces, fetiches, disfarces, rezamos com alguns e ainda somos indiferentes
    Somos tolos, diferentes, como matamos alguns para reprimir os que não parecem iguais?
    Temos sexo, temos camas, e agora passamos os dias clicando confortos pelas lentes.

    Temos casa, água encanada e energia eletrificada, tudo numa linda rua de asfalto esmaltado.
    Somos uma pífia razão, sem sal e emoção, almoçando tranquilo ao lado de fileiras de indigente
    Temos conflitos, espasmos, loucos pela vida, mas sem se importar com o desvalido, o favelado
    Somos caminhos cruzados, casas e barracos, bandeira de luta de Marielle presente!

    Somos negros, pobres, homossexuais, favelados, todos juntos na mesma guerra, cruzada.
    Temos fome, sede, crença, desemprego, barricadas, com pés descalços numa casebre sem chão
    Somos mais, somos de cor, somos risos, coloridos, somos iguais, nativos da pátria amada
    Temos orgulho, lutamos, temos vozes, gritamos. Estamos vivos, apenas sem farinha, sem pão.

    Temos saudades, saudamos, nos despedimos de quem não conhecemos, somos Franco
    Somos humanos, sentimos, são balas que cravejam o ser, ensinando que ainda há gente
    Temos vontade de falar, escrever, gritar, tudo no mesmo momento, revivendo o pânico
    Somos uma soma imperfeita, cada qual e todos reerguendo a bandeira de Marielle presente!

    Hallyson Jucá, 16.03.2018.

  10. :
    : * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra??S??il e postando:

    Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, [consultado em 13-10-2016].)

    Poema acróstico para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos :

    L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
    U m homem simples, como as coisas boas da vida,
    Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
    Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

    I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
    N ascido do povo que muito o ama e admira,
    Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
    C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
    I magem perfeita do homem de si senhor,
    O humano defensor de humana lira.

    L uz de nossa gente, lutador incansável,
    U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
    L úcido e consciente do mais admirável
    A mor pelo ser humano e verdadeiro.

    D igno e sincero, fraterno e muito humano,
    A migo do povo, honesto e sempre lhano.

    S eja o meu/nosso canto para te louvar,
    I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
    L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
    V itória da melhor sorte no número treze,
    A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.
    ::
    Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( poeta anarcoexistencialista )
    .:.
    L uz do povo brasileiro,
    U m digno e fiel lutador,
    L astreando com real valor
    A honra do BraSil inteiro.
    .:.
    L ula livrou 36 milhões da pobreza,
    U m feito memorável, sem precedentes,
    L utando contra a mídia venal, teve a certeza
    A bsoluta de estar ao lado dos brasileiros conscientes.
    .:.
    L ivrando da miséria extrema 36 milhões de brasileiros,
    U m feito sem igual, que, por si só, já bastaria,
    L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
    A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia.
    .:.
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    * * * * * * * * * * * * *
    * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
    * * * *
    * * * * * * * * * * * * *
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

  11. Marielle morreu porque era preta, pobre, mulher, homossexual e ativista. Morreu para que seus 46000 eleitores fossem calados, mas principalmente para transmitir um recado à favela: fique no seu lugar. Limite-se ao seu espaço, não reclame, não lute, aceite.

  12. A incitação à violência nesse “evento de marketing” é óbvia.
    Há algum tempo venho observando que a direita vem tomando certas atitudes cujo objetivo é tentar levar a esquerda à violência. A insistência na prisão de Lula já após a condenação em segunda instância é a principal.
    Eles querem incitar a esquerda a perder o controle, se tornar violente, procurar briga,,para assim poder acusá-la de ser responsável por uma convulsão social, que inclusive pode justificar a intervenção militar no Brasil, se for do interesse deles.
    A mídia muito facilmente vai manipular as informações para, hipocritamente, culpar a esquerda se isso acontecer,
    Mas não acho que a esquerda vai cair nessa armadilha. Eles subestimam nossa inteligência e superestimam a deles. Não passam de idiotas pretensiosos. De qualquer forma, acho que a mídia progressista deveria alertar os militantes para não se deixarem envolver por esse estratagema pérfido.

  13. A palavra MÁGICA é EDUCAÇÃO…E esta a ELITE quer só pra si…Assim como segurança, cidade limpa, bons alimentos…trânsito exclusivo…bar exclusivo…shoppings exclusivos…bairro exclusivo…cidade exclusiva…país exclusivo…planeta exclusivo…Só que não…Tem o “resto”…

  14. O bom-mocismo hipócrita é característica fundamental do coxismo e Luciano Huck, como bom coxinha, jamais renunciaria a ele!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.