1.248 mortes, hoje. E Jair I, o quebrado, receitando vermífugo

Era fácil de prever, porque nosso mecanismo de registros de eventos relativos à Covid-19 (contágios, óbitos, internações) é, desde o início da pandemia, extremanente burocrático e incapaz de resolver ao menos os simples problemas de finais de semana, o que leva a uma “queda” artificial que descalibra todos os raros mecanismos de acompanhamento da evolução epidemiológica.

E foi assim que aconteceu, com as 1.248 mortes registradas no balanço de hoje do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, o pior número desde 25 de agosto, quando foram anotadas 1.271 mortes.

Portanto, a marca de 200 mil mortes será alcançada na quinta ou na sexta-feira, numa escalada que passa ao largo das brigas políticas e à baderna administrativa que se tornou o programa de compras de vacinas do governo brasileiro.

E o presidente da República, depois de declarar que “o país está quebrado” segue eu seu charlatanismo epidemiológico, publicando tuítes onde repete o que algum áulico fundamentalista soprou-lhe ao ouvido.

Agora, é o programa que ministra Ivermectina em países africanos para combater a Oncocercose – inflamação causada por uma espécie de lombriga, comum na África, transmitida por moscas de rio – o responsável pelos números mais baixos de mortes em países africanos: ” a distribuição em massa da ivermectina pode ser a responsável pela baixa mortalidade da Covid-19 nesses países” proclama Bolsonaro, certamente candidato ao Nobel de Medicina pelas suas “descobertas” terapêuticas.

Enquanto ele faz isso, o recém-empossado prefeito de Manaus anuncia a construção emergencial de 6 mil covas, para que as “famílias possam ter seus entes queridos sepultados de forma digna”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.