A ‘Betina do milhão” leva um tranco de R$ 4,25 mi da CVM

Sabe aquela Betina que aparecia na internet, atraindo incautos para a Empiricus – dona daquele site que eu chamo de O Bolsonarista, para não lhes citar nem o nome – dizendo que graças a ela tinha transformado, em pouco mais de 3 anos, um investimento de R$ 1.520 em um milhão de reais?

Pois a empresa teve de fazer um acordo com a Comissão de Valores Mobiliários, informa o Painel da Folha, para que aceite ser regulada pela Apimec – ente do mercado que regula os profissionais das áreas de valores mobiliários – e não alegando que era apenas uma casa editorial de finanças, vendendo suas plataformas, cursos e manuais de especulação e, na época do governo do PT, o mais puro terrorismo financeiro.

Vai pagar R$ 4,25 mi e, creiam, saiu baratíssimo.

Curiosamente, naqueles dias, o alerta da Empiricus era algo que bem se poderia escrever nos dias de hoje, veja só:

Em resumo, eu quero falar de um evento específico cuja ocorrência vai se dar já nos próximos meses, que vai impactar as finanças de cada brasileiro e, mais do que isso, vai mexer com o seu modo de vida. Com as suas contas, com o seu patrimônio, com a escola do seu filho.

O juro real vai ficar negativo no Brasil.

É isso mesmo que você ouviu: JURO NEGATIVO.

Algo impensável antes – e chegou.

O que isso quer dizer em termos práticos?

Entre outras coisas, que se você deixar dinheiro no seu banco, em algum fundo DI ou na caderneta de poupança, você terá PREJUÍZO.

O dinheiro que seria a sua reserva de emergência, ou uma aplicação mais conservadora, que estaria rendendo de forma segura pra você, ao invés de RENDER, vai fazer o seu patrimônio DEPRECIAR, perder valor.

Isso não é opinião minha. É uma constatação algébrica. Matemática pura. E eu posso provar isso pra você com certa facilidade.

A taxa Selic, que é a taxa básica de juros da economia, definida pelo Banco Central, já está no menor patamar da história.

Mas ela vai cair ainda mais.

Hoje vários economistas afirmam que a taxa Selic vai para 4,0% ao ano, com chance de ir abaixo disso; como você pode ver, por exemplo, na projeção do Itaú Asset Management.

Note que agora não sou só eu quem está falando isso…

Ainda que eu tenha sido o primeiro a falar em “juro negativo no Brasil”, e que há alguns meses isso tenha sido mal interpretado – e até mesmo ridicularizado por algumas pessoas – o fato é que hoje trata-se de algo quase consensual, que todo economista sério deste País começa a abordar.

Mas qual a implicação imediata disso pro seu bolso?

Quer dizer que mesmo que você consiga pegar 100% do CDI em algum produto no seu banco – o que não é fácil, uma vez que os produtos convencionais geralmente oferecem menos do que isso – você vai ter 4% de rendimento em 1 ano. Isso em termos brutos, claro.

Daí, você tem que pagar, como todo brasileiro, os 20% de imposto de Renda…

Então, o seu rendimento de fato, após imposto, fica em 3,2% ao ano.

Considerando que a inflação projetada é de 3,5% no período, você está tomando na cabeça uma RENTABILIDADE NEGATIVA de 0,3%.

Acompanhe comigo a linha de raciocínio. Ela é bem simples e afeta diretamente os seus rendimentos:

Taxa de Juros: +4,0% ao ano, com grande possibilidade de ir abaixo disso.

Rendimento após o pagamento de imposto: +3,2% ao ano.

– (Inflação): 3,5% no período.

= Rendimento Real: – 0,3% no ano.

Se você refizer a conta para a caderneta de poupança, encontrará resultados ainda piores, dado que ela rende basicamente 70% da taxa Selic mais a TR (taxa referencial) — como a TR está zerada, você ficaria com cerca de 2,8% de retorno.

Isso, contra a inflação de 3,5%, levaria o seu prejuízo a aproximadamente 0,7% em termos reais.

Trocando em miúdos, em todos esses casos você ficará mais pobre. E com aplicações tidas como conservadoras.

Matemática simples. Fato incontestável: JURO REAL NEGATIVO NO BRASIL.

Algo que você nunca viu e nunca viveu na economia brasileira desde a estabilização. Repito: nunca.

E isso muda tudo.

Muda? Será que você está vendo agora um anúncio terrível como este, de 2014, com o título “O Fim do Brasil”?

Hoje, com seu site com ares de jornalismo, batem palmas para a mesma situação e dizem que os juros negativos vão salvar o país.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Pois é, e isso, depois de passarem a mão, na poupança dos trabalhadores da ativa o FGTS (cobrindo a queda dos salários), que serviria para a compra da casa própria, e dos remédios, no fim da vida.

  2. Coincidência ou não, o comportamento da Empiricus é exatamente igual ao dos “economistas-especialistas” da Veja e da Globosta ao longo do primeiro mandato de FHC: ficaram, durante anos, defendendo o engessamento da paridade RealxDólar como o melhor para o país. Após reeleito para o segundo mandato, FHC “liberou” o dólar, o que foi avaliado então, pelos tais “economistas-especialistas”, como o melhor para o país… Essa turma da direita tem doutorado em enganar trouxas e ignorantes.

  3. O empiricu que fez essas profecias desastrosas contra Dilma está bebendo seu próprio veneno. Ouso também profetizar que esse empiricu e todos os seus clientes empiricuseiros irão à falência em poucos dias.

  4. Podia leiloar todos os bens do vagabundo dono da empiricus/o bozonarista, já que se trata de uma pessoa incapaz de produzir qualquer coisa útil à sociedade.

  5. Depois de praticarem terrorrismo econômico, como você bem definiu, hoje usam o mesmo cenário para tanger a boiada para a bolsa.

    Eu vou sentar e morrer de rir quando a manada que está sendo tangida para a bolsa tiver que enfrentar a realidade do “crash” inevitável. A “euforia exiberante” da bolsa no Brasil não tem como se sustentar – desde de 2015, nos melhores momentos, a economia anda de lado. Essa manada da classe média vai se estrepar e os espertalhões, especuladores profissionais, vão sair com a bufunfa quentinha.
    E não me surpreenderia se uma boa parte dos minions neo-falidos se voltasse para a esquerda pedindo que os ajude a punir os escroques.

  6. Por que será que o Aras quer com tanta gana federalizar o caso da morte de Marielle? Não será porque, prevendo o iminente desfecho tenebroso para a “família”, ele quer cassar a competência da justiça e da polícia cariocas para continuarem no caso, anular a influência do governador suposto inimigo do patriarca e entregar de bandeja um verdadeiro trunfo para o ex-juiz?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *