A direita segue com Bolsonaro, mas o centro o abandona

A leitura da pesquisa CNT-MDA, divulgada hoje – e com todas as ressalvas pela limitação de qualquer pesquisa hoje, feita por celular e com as distorções que isso traz – é a que está expressa aí no título.

Bolsonaro segue impávido em seu controle da direita e seu terço de eleitores. Sempre foi este o eleitorado cativo dos reacionários, dos elitistas, a diferença é, hoje, basicamente no grau de boçalidade em que mergulharam.

Boçalidade a qual, aliás, a monstruosidade da atuação do atual presidente atiçou: os que o consideravam ótimo passaram de 9,5% para 14,3 por cento e sua perda de avaliação positiva se deu apenas entre os que o apontavam apenas como “bom”

A diferença está, para mim, no deslocamento de um grande percentual dos brasileiros até a algum tempo condescendentes com o ex-capitão, para uma rejeição completa à sua estupidez e despreparo para dirigir o país.

As avaliações de “ruim” ( 11,1%, 1,6% mais que em janeiro) e, sobretudo, de “péssimo’ (32,3%, quase doze pontos acima da de há 4 meses) é que revelam a radicalização da oposição da sociedade a Bolsonaro.

E com espaço para aumentar, pois despareceram as expectativas positivas registradas em janeiro quanto à renda, ao emprego e aos serviços de Saúde e de Educação.

O apoio às políticas de isolamento geral coincidem com a soma das avaliações negativas com as regulares, ficando um terço apenas com a tese estúpida de que só os grupos de risco deveriam isolar-se.

Este terço fanático é a chave da força política de Jair Bolsonaro. Enquanto ele a tiver, tem a direita sob controle. Até porque a parte que não é fanática está, ainda, carregada do fel que nela injetaram contra o PT e a esquerda.

Preferem agarrar-se ao horror real que entender que só em aliança com a esquerda poderão livrar-se do fascista.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. O que mais assusta no Brasil é a cristalização de um alto percentual, pela direita mais radical que já tivemos em nossa história. Isto indica, infelizmente, um país dividido que dificilmente poderá novamente ser unificado. Cada vez mais fico com a impressão, que me sobreveio no golpe, de que o Brasil é um país destinado a se fragmentar.

    1. Quem sabe Antônio, “Comunidades Autônomas” poderiam ser um razoável instrumento político-territorial?

      Muitos anos atrás um jurista, Paulo Bonavides, aventou ideia semelhante.

  2. Inacreditáveis são os 30% de aprovação. Se for verdade, é o caso de enterrar qualquer esperança porque isto sempre será um curral eleitoral manipulável por pastores, padres, fakenews, TV, rádio, etc. e com capacidade para decidir eleições, como foi em 2018.

  3. Sr.Fernando.Esse grupamento citado,subestimado em seus números,existe ha muitos e muitos anos.Vem de longe,essa ojeriza que parte da pequena burguesia,e as vezes,toda ela,sentem pelo POVÃO.E o POVÃO,pelo simples ato de imitar os menos pobres,embarcou e embarca sempre,nessa NAU.Essa doença,não tem cura,pelo menos,nos métodos usados.

  4. Programa “Painel Haddad” (no Youtube), entrevistando, recentemente, a pesquisadora Ester Solano, que vem estudando o conservadorismo brasileiro, faz alguma análise desse apoio arraigado ao coiso. Ajuda a pensar.

  5. Será que os que achavam bom migraram para ótimo apenas para dar a impressão que o Titanic não está afundando? Essa turma é mobilizada.

  6. Para quem fala em ex Bolsonaristas há um vídeo da Jana Viscardi analisando o termo. Na verdade são Bolsonaristas decepcionados e não ex, porque se estivessem Haddad e Bolsoasno no páreo votariam novamente no asno.
    Eles são, na verdade, anti esquerda e não ex qualquer coisa.

  7. Para quem fala em ex Bolsonaristas há um vídeo da Jana Viscardi analisando o termo. Na verdade são Bolsonaristas decepcionados e não ex, porque se estivessem Haddad e Bolsoasno no páreo votariam novamente no asno.
    Eles são, na verdade, anti esquerda e não ex qualquer coisa.

  8. Acredito que, mesmo com os fanáticos (entre outros) somando 30%, pouco a pouco o Inominável vá se desgastando, pois ninguém vive só de pão e manifestação. A economia está em frangalhos e quando a grana acabar… Pode apostar que metade desses fanáticos vão se virar contra ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *