A morte do Ministério do Trabalho e a volta aos anos 30

Na República Velha, onde “a questão social era um caso de polícia” – frase que se atribui ao Presidente Washington Luís (1926-1930) – eles não existiam. O povo não existia, aliás.

Com a revolução de 30, nasceram. O Ministério da Educação e da Saúde, dia 14 de novembro, e o do Trabalho, dia 26 do mesmo mês.

Como estamos voltando àqueles tempos, embora triste, é natural que comecem a morrer.

Primeiro, o Trabalho, que já vinha num processo de esvaziamento há anos e se enfraqueceu muito quando perdeu o controle da Previdência Social, agora mais ligada aos cofres da Fazenda que à proteção do trabalhador.

Depois, quando se tornou, na reforma da CLT, inimigo dos direitos dos trabalhadores, propondo ou permitindo relações de trabalho quase escravocratas que, de tão anacrônicas, têm dificuldade de serem absorvidas pelas próprias empresas, como é o caso do trabalho intermitente.

Agora, jogado à condição de “quartinho de despejo” no superministério de Sérgio Moro e com seu papel de gestor de contribuições de natureza social (FGTS, FAT) e o controle dos contratos de trabalho (Caged) entregues ao superministério de Paulo Guedes, ganha um doce quem achar que ali haverá gestores em algo preocupados com a sorte do trabalhador.

Verdade que Temer tinha feito a sua parte neste óbito, entregando a Roberto Jefferson o controle da pasta e por ele submetendo-a ao longo “mico”  da nomeada e jamais empossada Cristine Brasil.

Agora, Jair Bolsonaro terminará o serviço com sua “carteira verde-amarela”, pela qual o trabalhador já renuncia, antecipadamente, aos seus direitos. Claro, por livre opção, porque terá de escolher entre “direitos sem emprego” ou emprego sem direitos.

Logo estas “medidas antipaternalistas” chegarão aos irmãos Educação e Saúde, que existirão para quem puder pagar por eles.

A rede de proteção social que fez este país sair do atraso há quase 90 anos vai ser totalmente desmontada pelos imbecis que empalmaram o poder.

Afinal, a frase que se atribui a Washington Luís é, provavelmente, derivada de outra que disse e que não surpreenderia ser dita hoje também por um presidente da República: ” “a agitação operária é uma questão
que interessa mais à ordem pública do que à ordem social”.

Portanto, Moro nela!

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Onde as pessoas irão passar o reveillon de 2018 para 1919? É isso, voltamos um século, a velha república oligárquica e das fraudes eleitorais foi restaurada.

    1. Não resta a menor dúvida. Nossa esperança é que as cagadas, os desmandos, a fúria destrutiva têm sido tão grandes e mexendo com tantos interesses constituídos que muita Gente Fina (como no episódio Collor) vai tirar o time de campo e iniciar um auê no Congresso. Não é, Rita Lee?

  2. Os bolsominions aprovarão, com certeza. Afinal, é para “reerguer” o Brasil, quebrado pelo Lula. PQP!

  3. Vindo de quem vem, poderia desta vez ser FAKE NEWS…. Aquelas que os bolsominions tanto adoram e se riem…. só que agora que PRECISAVA SER , não é !!!!
    Todos os trabalhadores pagarão com o seu próprio sangue( trabalhar é dar a vida, e a vida é o sangue ), por causa da idiotia que se abateu sobre 40% da população com direito a votar…. Os pobres tão fritos nas mãos dos mais ricos.

  4. Ou se aprende pelo intelecto e o exercício do QUESTIONAMENTO ou se aprende pela fome,o desespero e a morte.Os brasileiros ,classe baixa em sua maioria,trabalhadora,lamentavelmente escolheram o 2° caminho.Não sinto pena ,não faço deles os coitadinhos que a esquerda adora vitimizar,cada quem é responsável por seus atos .Lamento sim, pelas crianças ,vítimas inocentes da alienação de seus pais .
    Aprenderão ou desaparecerão ,cada um de nós faz seu próprio destino.

    1. Desculpe-me, Iabel, mas acho que vc não vive no meio dessa “classe baixa”, como você a designa. Abandonada pelos partidos de esquerda, foi tomada de assalto pelas igrejas que hoje parece mandarem no Brasil. Como se não bastasse, temos nossa mídia fazendo o resto do serviço. E olhe o que ocorre no momento: a mesma esquerda compondo frentes democráticas unicamente de discursos e entrevistas, sem a menor preocupação em retomar o trabalho de formiguinha junto às grandes massas para a luta do povo, sim, do povo, contra a direita que ameaça nos sufocar e focada unicamente com nas próximas eleições

  5. Governo coerente esse do Bostossauro, se não vão empregar ninguém pra que ministério do trabalho. Eles tinham que criar o ministério das maracutaias, porque isso eles sabem muito bem. Quero ver quando a canoa virar. Vai ser um tal de moralista falso fugindo do Brasil. É só dar tempo ao tempo.

  6. Por enquanto, o que tenho ouvido por aí é: “tudo está valendo, ainda bem que tiramos o PT”. Desespero de ser atingida por esses insanos.

  7. Todas as estruturas de desenvolvimento e paz social negociadas e cimentadas ao longo de décadas e até séculos, vão sendo destruídas. O Brasil vai ficar raso como um pires. E vai ser patada prá todo lado. Só gato grande poderá chegar para beber o escasso leite. Um único gato beberá o leite de centenas de pequenos gatos que sairão para ganhar a vida nos telhados do crime.

  8. Aos anos 30 não! Aos anos 20 ou menos.Nos anos 30 já existia Ministério do Trabalho.Quisera estarmos de volta aos anos 30…(a que ponto chegamos!) Que incrível capacidade destrutiva a desta elite, em tão pouco tempo.Imagine o que vem por aí.Impeachment nEle! Collor nEle!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *