A semana dos mimimis; há duas ainda para serem democratas

A esta hora, uma semana atrás, todos assistiam surpresos a onda direitista que levou Jair Bolsonaro  às soleiras da vitória eleitoral.

É tempo suficiente para que qualquer um se recobre do que se passou e venha formar na trincheira de um democracia em perigo, indubitavelmente em perigo para qualquer um que veja o óbvio  conteúdo autoritário de quem tem uma trajetória como a dele, salpicada a não mais poder de espasmos ditatoriais, liderando um ajuntamento mambembe de filhos, aderentes, policiais, picaretas e – mais grave –  de ex-oficiais que se adonaram politicamente das Forças Armadas.

Não se pode, já se disse aqui uma vez, acusar Jair Bolsonaro, mesmo com suas recentes juras democratas, de não ter avisado que será um governante tão autoritário e truculento quanto lhe seja possível.

Até agora, os líderes políticos fora da esquerda  e alguns do campo progressista se omitiram, com as alegações mais pueris, alguns pretendendo uma “autocrítica”impossível em “tempos de guerra”, mas que se realiza com muito mais veracidade na atitude de abertura fraterna e até humilde de Fernando Haddad.

Mais claro?

Não há “terceira via” possível senão a que com junto com ele se construa. Nem  “EleNão” que deixe de passar por um HaddadSim. Nem mesmo a hipótese delirante de uma renúncia dele em favor de Ciro seria algo plausível: quem teve menos, muito menos, votos no primeiro turno não pode acreditar que ele pudesse arrastar o eleitorado lulista que deu os quase 30% ao candidato petista.

Como não escrevo para crianças, poupo-me de considerações sobre contos da Carochinha.

Trato apenas da ilusão de que, derrotado o PT por falta de apoio nestas eleições, fosse abrir-se um campo para uma “nova oposição” a um eventual Governo Bolsonaro.

Nada mais tolo, senhores estrátegos de botequim.

À ditadura, não há oposição, mas resistência e nela parte mal quem se recusou a resistir quando podia.

Se não vêem que teremos uma ditadura  e não um governo, o melhor adjetivo que merecerão será o de cegos. Como os sinais são evidentes, é mais provável que tenham o de cúmplices.

Haddad, hoje, representa uma saída que busca a conciliação, a unidade, a ampliação sadia do leque democrático.

Triunfante o fascismo, será o PT o alvo da onda repressiva, mas a máquina policial-judicial e, livre-nos deus, militar tem apetites  que, para quem o duvide a onda moralista que impulsionaram, levará a todos de roldão.

A ondas vêm e vão. Passam.

Quem é pedra,fica. Quem é só alga, sem raízes, acaba por ser arrancado e flutuará à deriva e se desfará em pedaços.

O Brasil precisa de vocês. Mas, se vocês faltarem, talvez não precise mais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

  1. Ou nos unimos ou vamos rodar. Todos. O fascismo não faz distinção de nada. Agora era a hora da Regina Duarte “falar eu estou com medo”. Mas ela não está !!

    1. A ex-viúva Porcina, àquela que foi, sem nunca ter sido, perdeu o restinho do juízo que tinha e já não era lá grande coisa.

  2. Sei que por uma questão de ética profissional e pessoal o Britto não dá nome aos bois,eu darei.
    AOS INFANTIS,DERROTISTAS,PUSILÂNIMES QUE SE AUTO-OUTORGAM O DIREITO DE SE CHAMAREM DE PROGRESSISTAS ,PORÉM NÃO PASSAM DE UM BANDO DE “REVOLUCIONÁRIOS DE MESA DE BOTECO” ,SAIBAM A VITÓRIA VIRÁ APESAR DE VCS,MIGUEL DO ROSÁRIO “docafezinho” E PAULO H AMORIM “do conversa FIADA”.
    DANEM-SE !!!!

    1. Já parei de acessar o blog destes dois desde que entraram na campanha anti-Lulista da mídia golpista.

  3. Não há tergiversação possível. Conforme Fernando Brito já citou, a frase do ultraconservador Churchill é eterna: “Se Hitler invadir o inferno, me alio ao diabo para impedir”. Aos “políticos” com olhos em 2022: pode simplesmente NÃO HAVER 2022. Literalmente, para não ser acusado de feiquinius: “Se Hitler invadisse o inferno, eu no mínimo faria uma referência a favor do diabo na Câmara dos Comuns”. British humour.

    1. Se importa, se eu usar seu texto para compartilhar o texto do Brito?! Com citação obrigatória da fonte, claro. Maravilhoso. Parabéns. Grato. Shalom.

  4. Coitada da Regina Duarte, pelo que entendi ela tá meio esclerosada.
    Acho que ela faz isso para pegar algum papel na globo.
    O mito é igual a Regina Duarte, a vida real nada tem a ver com as personagens da ficção.
    Bolsonaro é um personagem. É uma invenção do marketing. Ninguém sabe quase nada de suas propostas. É tudo muito obscuro. Só sabemos que ele é violento e gosta de bater.

  5. Bolsonaro em apenas 13 palavras . Como militar um bunda suja como político um bunda mole fugindo dos debates.

  6. Acabo de voltar do cinema… O filme era Os invisíveis e oferece relatos de pessoas que escaparam do nazismo em esconderijos que eram oferecidos ou buscados das mais diversas formas, nas cidades alemãs. Elas contam os episódios que, são interpretados por atores, sobre seus medos, suas dificuldades e estratégias arriscadas para escapar da Gestapo, a polícia do Hitler. Contam também sobre as pessoas que não conseguiram a mesma sorte ou sobre as terríveis descobertas acerca dos destinos daquelas que sumiam. Não é possível ver o filme sem sentir o peito apertar e coração sangrar…
    Precisamos evitar aquele inferno, que só terminou com a intervenção determinada da URSS. É nosso dever fazer campanha contra o fascismo que promete nos acometer

  7. A pregação fascina não começou com Bozo em 2016 A pregação fascista começou em 2013 com black bloc com apoio da Globo contra o governo Dilma.

    1. Isso mesmo. E é estarrecedor perceber que 2 anos de Temer foi pouco para que tenham alguma noção do estrago do modelo neoliberal. Querem mais 4 anos? Se o Bolsonaro ganhar, além da redução de ministérios a 15, há a redução de políticas públicas que são varridas junto com o 2º escalão do governo. Na visão de Estado Mínimo do PSL, agências de fomento, como Ancine e Capes, podem ser substituídas pelo mercado privado que se auto regularia, com a presença da CNI, do sistema S. Ficariam apenas as agências reguladoras. Pode parecer apenas bravata a redução formal de pastas, mas, na esteira da reforma, políticas não prioritárias para um governo autoritário podem ir para a lata de lixo.

  8. Brito,
    após o segundo turno, à luz dos resultados para presidente, governos estaduais, senadores e deputados federais, aguardo sua avaliação sobre a estratégia de lula para a eleição de 2018.

    1. Cirista vc está no lugar errado,se imagina que neste blog haverá cidadãos que concordam com as CANALHICES do teu candidato ,vc está enganado.
      A gente aqui conhece o Ciro,pelo cheiro,…a BOSTA.

  9. Se o verme for eleito, temo pela vida de Lula na cadeia. A ONU, com sua hipocrisia de sempre, vai julgar seus recursos DEPOIS de consumado o golpe nessas eleições. Parece que estou vendo, o Brasil mergulhado numa ditadura e ONU e outros órgãos internacionais fazendo a DEMAGOGIA que sabem fazer, sempre depois que o império concluiu seu trabalho.

  10. Que belo final:” O Brasil precisa de voces, mas se voces falharem talvez não precise mais.” Sim serão atacados quando desnecessários, chorarão, a aclamarão pelos corajosos, bem provável tarde de mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *