Aprendendo a passar fome

A manchete do Estadão não poderia ser um retrato mais cruel do que significa a opção de Jair Bolsonaro entregar o governo – e o dinheiro do governo – para o “Centrão”.

Cortar o reajuste do valor miserável da merenda escolar (R$ 0,36 para alunos do ensino fundamental e médio), que não tem reajuste desde 2017, não pode merecer outra qualificação senão a de monstruoso.

O pouco de comida que as crianças recebem é conseguido pelo complemento de estados e municípios dados à alimentação escolar, mas o valor é limitado, e tende a ficar mais, com a queda da arrecadação provocada pelas “bondades” de Bolsonaro nos impostos sobre combustíveis e energia elétrica, que levando a uma queda na arrecadação que os governos estaduais dividem com as prefeituras.

O número é estarrecedor: a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional afirma que a fome dobrou nas famílias com crianças menores de 10 anos: de 9,4% em 2020 para 18,1% este ano.

E mais estarrecedoras são as cenas que revelam como enfrentar esta escassez: crianças tendo as mão carimbadas para não repetirem o prato minguado, ou que são forçadas a dividir por quatro um único ovo cozido.

Será que Paulo Guedes vai dizer que, depois da eleição, vai reverter isso?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email