Bernardo Mello Franco e o ‘bal masqué’ de Bolsonaro

Os jornais de hoje estão recheados de artigos sobre a pantomima de ontem , o bal masqué de Bolsonaro e dos ministros que arrebanhou para o espetáculo.

Muitos deles, escritos por cúmplices desta loucura a que foi levado o Brasil e que, escandalizados, não conseguem fazer a autocrítica que tão severa e repetidamente exigem de outros.

A melhor e mais sucinta descrição do espetáculo, porém, é feita do um que jamais foi leniente com o absurdo, Bernardo Mello Franco, n’ O Globo.

A ele, entretanto, devo acrescentar uma observação: há um lado bom neste pastelão: ele retrai e atrasa os impulsos golpistas do presidente, hoje mais perto de ouvir um “pede pra sair”.

O pastelão e as panelas

Bernardo Mello Franco, n‘O Globo

A cena de Jair Bolsonaro tapando os olhos com uma máscara cirúrgica, em tentativa desastrada de cobrir o nariz e a boca, produziu uma boa alegoria do drama brasileiro. Assombrado pela pandemia do coronavírus, o país se vê nas mãos de um sujeito que não consegue proteger o próprio rosto.

O pastelão do Planalto lembrou um quadro dos Trapalhões. A pretexto de mostrar preocupação com a doença, o capitão e seus ministros se fantasiaram de médicos. O uso cenográfico das máscaras contrariou as normas sanitárias. Em outro momento Didi Mocó, Bolsonaro desistiu do teatro e pendurou sua peça na orelha.

O presidente dedicou a maior parte da entrevista a atacar a imprensa e provocar adversários. Um dos alvos foi o governador do Rio, que pediu ao povo que evitasse a praia. O capitão também insistiu no discurso de que a mídia fomenta a “histeria”. Uma afronta a jornalistas e profissionais de saúde que tentam informar a população e reduzir a velocidade do contágio.

O jogo de Bolsonaro é outro. Ontem ele mentiu diante das câmeras ao negar que tenha incentivado as manifestações do último domingo. Para seu azar, a farsa foi derrubada em tempo real. Além de distribuir convocações pelo WhatsApp, ele usou uma solenidade militar para estimular a participação nos atos.

Ao comentar as marchas, que contrariaram o esforço para evitar aglomerações, o capitão disse que “sabia dos riscos que corria”. Esqueceu de dizer que também pôs a saúde dos outros em xeque. Ao furar a norma de isolamento, ele ainda não tinha a contraprova do exame para saber se estava infectado.

Num surto de sinceridade, Bolsonaro admitiu a falta de estrutura para enfrentar a pandemia. “Nosso sistema de saúde não tem condições de atender uma quantidade considerável de pacientes”, disse.

Em seguida, voltou a fazer propaganda de si mesmo. “Nosso time está ganhando de goleada. Então vamos fazer justiça, vamos elogiar seu técnico, que se chama Jair Bolsonaro”, pediu. Pelo volume dos panelaços em diversas capitais, faltou combinar com a torcida.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. BOLSONARO terá futuramente, obviamente depois de um tratamento psiquiátrico, emprego na CNN, como comediante. Isto ele é natural.

  2. Que perigo: uma pandemia e um idiota deste, e sua equipe horrorosa, conversando fiado e totalmente perdidos.
    Que desgraça!
    Golpistas, globo, justiça podre, moro, empresários idiotas golpistas, vcs venceram, mas a destruição que causaram ao país parece não ter fim.
    Que desgraça!

    1. JUSTIÇA seja feita ..crentes, os omissos e tucanos, os raivosos e saudosos de 64, os EUA que viram a chance de retomar o comando ..as FORÇAS Armadas e PMs que foram treinadas e formadas ideologicamente pela escola americana tb tiveram importante papel nessa desgraça

    2. A desgraça só não é maior porque o Mandetta tem mostrado que não é um completo tapado. Imagine se o Ministério da Saúde tivesse sido distribuido para Damares, ou Weintraub ou o Ernesto Araújo.

    1. Eu quero ver é tribunal internacional produzindo o melhor documentário.
      Isso que fez no domingo equivale a propiciar condições de genocídio, e partindo do presidente do país é caso de lesa humanidade, portanto caso para um tribunal internacional.

  3. O Olavo de Carvalho vem aí, deportado pelo governo americano. Perdeu a serventia para eles, já que não conseguiu implantar completamente a ditadura do Doido da Barra da Tijuca. Deve haver razão mais que suficiente para tirá-lo do avião e metê-lo em uma jaula, assim que chegar a solo brasileiro.

  4. O BOLSOBOSTA e seus apaniguados, não possuem o mínimo de SENSO DE RIDÍCULO.
    PUTA QUE OS PARIU !

  5. ele é ridículo, fascista, sem qualquer noção de juízo. Precisamos do Presidente Lula urgente.

  6. Todo doente acha que seu pensamento e acão é a verdade. Assim age o MINTO. Faltou compor a mesa dos mascarados
    o guru EDI MACEDO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.