O vírus chega com força ao centro do mundo

Volta e meia venho lembrando aqui que a epidemia do novo coronavírus não estava aparecendo com força, ainda, nos Estados Unidos.

Em parte, pelas limitações na aplicação dos testes, raros e caros.

Mas isso está ficando para trás e vai, logo, atingir proporções enormes, num país sem rede pública de saúde.

Olhe a tabela aí em cima com os casos (número parcial, pois ainda é manhã lá) em território norte-americano.

É o terceiro maior número de casos novos e deverá manter esta posição, superando a Alemanha e, claro, com a entrada da Itália em primeiríssimo lugar.

Ontem, já havia sido o quinto em número de novas infecções.

Só hoje foram 1.238 casos novos em Nova York, que vai desbancando o estado de Washington como o maior foco da doença no país.

Desnecessário dizer que, sob o aspecto humano, cada doente ou morto vale o mesmo em qualquer lugar do mundo.

Mas, do ponto de vista econômico, a paralisação que vemos na Europa dentro dos EUA terá muito mais efeito.

Aqui, inclusive.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Estão lendo essa tabela de forma incorreta. O percentual de mortes poderia ser mortes totais x pacientes recuperados! porque quem ainda não está recuperado ainda pode morrer. Essa seria uma visão pessimista, mas mais próxima da realidade do que pegar o número total de casos e comparar com as mortes!

  2. O mínimo que se esperaria de um presidente neste momento é que viesse em rede nacional, no horário nobre, alertar a população para a gravidade do problema e a necessidade de se seguir à risca as orientações dos especialistas.
    Mas esse pais não tem presidente, tem um idiota ocupando o posto, colocado lá por eleitores quase tão idiotas quanto ele.

      1. O vírus chegou com força ao centro do Brasil, no Planalto Central, com a comitiva presidencial. Do coração do Brasil aos demais estados num HUB de vias aéreas e de mau exemplo comportamental.

  3. Nova Iorque tem um sistema público de saúde precário, mas tem. Assim como San Francisco. E por sorte tanto estas duas cidade tem prefeitos comprometidos com as pessoas, como os respectivos estados tem governadores que estão dando respostas rápidas.
    Vai ser muito grave a epidemia nos EUA, e poderia ser muito pior se California e Nova Iorque estivessem nas mãos do trumpismo.
    Depois dos fiascos dos testes na fase inicial, quando começaram testar em escala maior (mas muito insuficiente) houve lugares em que começou a faltar os cotonetes para tomar amostra da garganta das pessoas a serem testadas, simplesmente porque diante da atitude irresponsávbel de Trump, não houve preparação adequada.Para quem estiver interessado em seguir a situação com bastante atualização. Ainda que digam que são dados quase em tempo real, é fácil de ver que não o são pois do Brasil, por exemplo, seguindo o que os dados do governo, só reportam as 4 mortes de São Paulo. Mas ainda assim é bastante atualizado. Neste mapa dá para ver a distribuição da doença e ter noção do que nos espera.

    https://coronavirus.jhu.edu/map.html

    1. Vale também ver o site Worldometers. Além de tabelas atualizadas, há gráficos em escala linear e logarítmica.

    2. Vale também ver o site Worldometers. Além de tabelas atualizadas, há gráficos em escala linear e logarítmica.

  4. Brito, junte ao problema do custo da saúde privada nos EUA o fato de não ter licença médica remunerada para trabalhadores doentes. Quem não pode ficar em casa 2 ou 3 semanas sem trabalhar vai se forçar a trabalhar, mesmo passando muito mal, contaminando clientes, colegas de trabalho e outros passageiros no ônibus, metro e taxi.

    Por lá o Coronavirus vai ser um massacre. Eles vão lembrar disso por décadas. A Guerra do Vietnã vai parecer um passeio no parque.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.