Biden pede ‘esforço de guerra’ contra pandemia

O pronunciamento de Joe Biden na Casa Branca, para anunciar novas medidas – e, sobretudo uma nova atitude – do governo norte-americano contra a Covid-19.

Biden não pintou um quadro cor-de-rosa, ao contrário: destacou que os EUA, apesar de terem apenas 4% da população mundial, respondem por 25% dos casos da doença e por mais de 20% das mortes registradas no planeta e que estas 400 mil mortos são mais que as vidas perdidas na 2ª Guerra Mundial.

Nada de “a pandemia está no finzinho”: Biden antecipou que a marca de meio milhão de mortos será alcançada no mês que vem.

Ao contrário do que ocorre hoje – e do que é a tradição federalista dos EUA – anunciou a presença direta do Governo Federal na execução da vacinação, com a abertura de centros de vacinação e acompanhamento direto da União no andamento das iniciativas dos estados em matéria de imunização.

Disse, ainda, que vai usar a legislação que permite ao governo requisitar ou reter em território nacional de insumos e equipamentosv- materiais de testes, seringas e vacinas – necessários a cumprir a meta vacinal.

Foi impossível não sentir vergonha de não termos aqui um governante capaz de chamar a si a responsabilidade do combate à pandemia e que, avisando que “as coisas vão piorar antes de melhorar”, mas que sem um “esforço de guerra” não se vencerá a doença.

O plano federal de enfrentamento da pandemia, que Biden lançou hoje pode ser lido no site da Casa Branca.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *