Bolsonaro ameaça Receita por investigar seu irmão ‘ex-fantasma’

Na capa de O Globo, Jair Bolsonaro reclama que sua família, especialmente seu irmão Renato, dono de lojas de móveis no Vale do Ribeira, está sendo vítima de “uma devassa” pela Receita Federal.

Se a está sofrendo por “crime de parentesco”, está errado e aqui não se usa o cínico “quem não deve não teme”, tão a gosto dos bolsonaristas quando acusam a esquerda.

Em matéria de investigação sobre parentes, ninguém passou mais por isso que o ex-presidente Lula, cujos filhos, irmãos e sobrinhos foram tornados suspeitos de tudo e mais um pouco ainda.

Mas o jornal não conta toda a história.

Não recorda os leitores que, do irmão Renato que agora protege, Jair Bolsonaro já disse, em 2016 que “praticar algum crime, fizer alguma besteira, é problema dele”.

—Pau nele, pra deixar de ser otário (…) Não vai ter nenhum apoio. Ele que se exploda.

Na ocasião, descobriu-se que, sem sair de Miracatu ou do controle de suas lojas, Renato era funcionário fantasma, assessor especial do deputado estadual André do Prado (PR) na Assembleia Legislativa de São Paulo, a mais de 2 horas de viagem.

Ganhava R$ 17 mil por mês para assombrar o gabinete.

O que mudou de lá para cá? O irmão, agora presidente, vai dar apoio ao que não dava, quando não havia sido eleito?

Essa história está parecendo uma espécie de “habeas corpus preventivo” contra alguma coisa que Bolsonaro sabe estar pronta para surgir.

E quando a isso, para usar suas palavras, “que se exploda”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Boçal Nato é apenas o palhaço no picadeiro.

    O pior mesmo é a moralidade seletiva do “governo militar”, a malta que o apóia.

  2. Estamos a sugerir àqueles grandes poetas repentistas do Norte e Nordeste um mote para ser desenvolvido:

    “No tempo de Lula e Dilma,
    Isso não acontecia”.

    Um mote com versos octassílabos perfeitos, destinado a fazer muito sucesso. .

  3. Lembrando que foi o irmão quem derrubou o Collor. Em tempos de “caras-pintadas” e UNE nas ruas não custa lembrar.

  4. “do controle de suas lojas”? Pois eu já acho que nem as lojas são dele…Ele é só mais um “Queiroz” de “alguém” e também aposto que os R$17.000,00 era “rachados” com alguém….Como deve ser muito fácil provar através dos depósitos em conta, o “alguém” tá esperneando…Só pra lembrar, na época da reportagem do SBT (quem diria…) o cara tinha 4 lojas de móveis, ganhava 17.000,00 da Assembléia mas morava numa casa bem simples e dirigia um fiat uno branco….

  5. André do Prado é de Guararema, onde foi prefeito, sob a proteção de Marcio Alvino, que é deputado federal pela segunda legislatura, que por sua vez é protegido por Waldemar da Costa Neto, que se dispensa apresentações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.