Bolsonaro e sua “esperteza” amazônica

Numa entrevista sem pé nem cabeça, na presença de Jair Bolsonaro, o general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, e Ricardo Salles, diante do chefe, voltaram a desancar os dados sobre desmatamento do Instituto de Pesquisas Espaciais, que há mais de 30 anos monitora o desmatamento no Brasil.

Os números estão errados, disseram – Bolsonaro chegou a dizer que foram “espancados” – e fazem, claro, parte de uma conspiração para difamar o Brasil no exterior.

É tese que nós, mais velhos, cansamos de ver ser repetida durante a ditadura, quando todas as nossas carências e problemas eram imaginação de mentes comunistas, dos “ateus e apátridas que buscam solapar nossa revolução democrática”, para usar a linguagem dos velhos generais.

O general Heleno cuidou bem desta parte, ao dizer que “seria conveniente que nós não alardeássemos isso e que nós cuidássemos do problema internamente”.

Bem, quais seriam os números certos?

É evidente que os dois “especialistas”, Heleno e Salles, não os têm. Mas fazem marola tentando falar em inconsistências dos números do Inpe por ele ter – e há muitos anos os têm – dois sistemas de detecção de perda de cobertura vegetal: o Deter e o Prodes.

O primeiro, planejado para a detecção rápida e, por isso, capaz de dar ao Ibama diretrizes para agir sobre o desmatamento em curso e o segundo, que agrega períodos de tempo maiores e sofre menos influência da presença de nuvens, para acompanhar, em macroescala, situação da mata.

Foi o que os técnicos do Inpe explicaram aos ministros analfabetos em matéria de observação por satélite e foi no que se agarraram para dizer que os números não são verdadeiros.

A “solução”, brilhante, será contratar uma empresa privada para produzir dados mais confortáveis para o governo brasileiro.

E interromper o que é, de fato, importante neste assunto: a comparação com séries históricas, com tendências que ajudem a formular políticas públicas de mitigação das perdas de floresta.

Um bobagem que, além de desacreditar um órgão público de excelência do governo brasileiro, como é o Inpe, não vai conseguir maquiar nada, porque não temos o monopólio do olho espacial dos satélites.

O que está criando escândalo sobre o tema não são os números do Inpe, é um presidente que diz que “pretende criar ‘pequenas Serras Peladas’ Brasil afora“, que fala em trazer empresas mineradoras norte-americanas para áreas indígenas, que sonha em desfazer reservas ambientais para fazer “cancúns” na Mata Atlântica.

A estupidez de Jair Bolsonaro não precisa de satélite para ser vista.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. O que o BOLSOBOSTA, Salles e o Heleno entendem de desmatamento (ou TODOS assuntos), JUMENTO entende de missa.
    PQP’s !

  2. O governo não tem um astronauta ministro?
    Bota o homi pra vuá e ficá zoiando a fumaça que sóbi e forma as nuvis dos terra planas… aí sim, pela quantidade de nuvens dá saber. Se tiver menos nuvem, significa que tem menos área pra queimar… rs
    Acho que compliquei muito pro astronauta explicar pro general, que vai passar os dados para o Bozo.

      1. Neste raciocínio limitado, chuva pra quê, se eles têm irrigação pivotante? São as motoniveladoras deles que mantêm a terra plana!

  3. Caro Fernando, o Bolsonazi é um grande desafio para a inteligência do país.
    O que pode ser feito?
    Como conter este estrupício?
    Como aglutinar as forças – nem digo de esquerda, mas de bom-senso – para interromper esta escalada de destruição da nação ?
    É uma avalanche! Na economia, na cultura, no meioambiente, na história, nos direitos sociais e trabalhistas, nas liberdades democráticas…
    Algo precisa ser feito e com urgência!
    Sabíamos que ele seria um presidente MEDÍOCRE, como foi medíocre a vida toda, mas está sendo pior do que o esperado.

    1. Não diria que seja um presidente medíocre. Apesar de ser terrivelmente medíocre e grosseiro como indivíduo, como presidente está sendo de uma eficiência desconcertante. Avançou mais no desmonte do Estado Social e dos direitos civis em seis meses do que Temer em dois anos e FHC em 8 anos. Tem a rude eficácia de um trator, faz barulho em excesso e não tem refinamento para detalhes, mas está permitindo o desmanche do Estado brasileiro pelos seus apaniguados não-acéfalos sem deixar que que sejam obstaculizados por nenhuma oposição, mantém sua matilha sempre alimentada com a violência verbal como promessa de uma possível violência física vindoura e consegue gerar aturdimento suficiente no campo social para não permitir formação de nenhuma resistência concreta.
      Talvez o caminho para lidar com esta extrema-direita nacional comece pela definição de alvos de real importância para minar a estrutura que os guindou e mantém no poder, tal como a estrutura da Lava Jato (e não apenas Moro), estrutura de mídia hegemônica (e não apenas sua pauta de escândalos cotidianos) e base de suporte financeiro (principalmente lucros bancários). Mas não quero hipotetizar sobre algo que poderia, e na verdade deveria, estar ocupando o raciocínio dos cientistas sociais, mais abalizado que o meu para tal questão de tão difícil resposta. Contudo, concordo integralmente com a noção de urgência expressa por você, se demorarmos muito poderá não haver caminho de retorno…

  4. Pessoal, grana fácil para a empresa privada, o Photoshop corrige isso em 5 minutos, violá, imagens a la carte.

  5. Jogar com ambiguidade de informações e com comandos contraditórios é uma forma de gaslighting para a população com consequência mental patogênica, além é claro dos efeitos devastadores econômicos básicos de um programa ultra neoliberal.

  6. Heleno ( me recuso a chamar esse LIXO de general ) , fez um grande feito na vida, envolveu-se num esquema de desvio de dinheiro do COB da ordem de milhões de reais.
    Pra que não passe em branco sua carreira militar, fracassou na missão do MINUSTAD no Haiti, onde era ( SIC ) comandante.
    Os outros dois não precisa de comentários.
    Quadrúpede não sabe ler……

    1. Na verdade Soyuz, esse generalzinho de merda foi apenas um chefe de polícia (pau mandado dos yanques), no Haiti. Onde teve oportunidade de dar vazão aos seus instintos escravagistas. Ordenando a seus beleguins baixar o cacete na população sofrida do Haiti, como as PMs fazem aqui no País, com os moradores da periferia. Ao que se sabe, tem acusações contra esse FdP em organismos internacionais, por conta de crimes de violência contra os haitianos.

      Aliás, esses come-e-dorme estrelados verde-amarelo, costumam se alistar nessas empreitadas para fazer jus a um adjutório em dinheiro suplementar, engordando assim, o pé de meia. Como fazem agora, um bando de generais caquéticos aposentados, aparelhando todo estrutura burocrática do Estado brasileiro. Uma Vergonha! Uns entreguistas que ainda se julgam patriotas.

      Orlando

  7. Considerando que o capitão está incitando o desmatamento da Amazônia e, por outro lado, está querendo camuflar os dados resultantes de sua política ambiental irresponsável com o objetivo claro de enganar a todos, especialmente a comunidade internacional, me sinto obrigada a sugerir que as demais nações usem seus satélites para monitorar o desmatamento na Amazônia e divulguem os dados para efeito de comparação com os dados fornecidos pelo governo bolsonarista.
    A Amazônia é o pulmão do mundo. E se ela é o pulmão do mundo todas as nações têm direito de exigir do Brasil que ela seja devidamente preservada.

  8. Ministros analfabetos em matéria de observação por satélite“… é assustador, pensando que são pessoas oriundas das FFAA.
    Contratar uma empresa privada para produzir dados“… a partir dos mesmos sensores/satélites… conversa pra bolsominion dormir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *