Bolsonaro já tem chefe na PF: o ministro da Justiça

Ficou uma impressão de que Sérgio Moro tem um problema.

O novo ministro da Justiça, André Mendonça, a julgar por seu discurso de posse, tem a vocação de showman que faltava ao ex-ministro.

Mostrou que vai assumir pessoalmente a questão da segurança pública, avocando a si o papel de chefe de Polícia, mais que o do juiz punitivista que seu antecessor encarnava.

Prometeu mais operações da Polícia Federal, prometeu melhorias para os policiais, prometeu segurança para “uma geração que não sabe o que é viver com segurança”.

Falou em “atuação em rede”, outro problema de Moro, que não se aproximava dos governos estaduais e, em consequência, com polícias estaduais.

Não creio que vá ter dificuldades em assumir, de fato, o comando da Polícia Federal, inclusive se servindo do fato de que vai quebrar a “dinastia paranaense” que se implantou com Moro.

Sem o delegado Alexandre Ramagem, paradoxalmente, terá mais facilidade nisso, pois não terá um diretor previamente estigmatizado como “bolsonarista”.

Talvez a manifestação do presidente de que ainda esperava nomear Ramagem para a direção da PF tenha sido um sinal de que não abre mão do comando da polícia, mas concorda com uma solução temporária. E o temporário, na PF ou em qualquer outra instituição, não quer desagradar para poder se tornar permanente.

Para alguém que teria sido escolhido como “quadro técnico”, Mendonça nadou de braçada na política.

Afirmou-se servo de Bolsonaro, um “profeta” e servo de Deus, mas conseguiu fazer isso de maneira relativamente discreta, bem distante do “terrivelmente evangélico” como era anunciado.

Moro que se cuide. Mendonça será um ministro com mais brilho do que ele foi, vivendo apenas da luz mortiça que lhe vinha da Lava Jato.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

    1. O cara quer ser presidente, mas um zé mané qualquer trabalha melhor que ele, e foi só o primeiro dia …
      Mas quero que esses bandidos todos vão se f*

      1. Entendi, pode ser que seja isso que o Brito quis dizer. Mas acho que isso não representa uma ameaça para o Moro. Apadrinhado desse sempre pela Globo, continuará sendo artificiosamente preservado e reservado como candidato ideal em 2022. A menos que esse ou outro lhe ofusque também o título de “sabujo-canalha mor” que, por enquanto, lhe está devidamente assegurado.

        1. Um exemplo formidável da loucura incomparável que acometeu as pessoas da classe média depois das mentiras que fizeram de Moro um herói e retiraram Dilma Rousseff da presidência é um vídeo postado pelas cinco senhoras que, segundo elas, fincaram acampamento em Curitiba para defender o Moro de terroristas de esquerda e fazer contraponto ao Acampamento Lula Livre. Elas teriam ficado sob sol e chuva, passaram frio e outras necessidades, para defender o herói do ataque dos corruptos/comunistas. Vibraram com a ida do Moro ao MJ, mas agora o desancam com fúria tal que não houve adjetivo chulo que não usassem contra ele. E por fim o acusam de estar do lado do comunismo ateu que, segundo elas, “já matou cem milhões de pessoas ao redor do mundo”. Este vídeo é uma peça antológica, imperdível.

        2. O Moro para chegar à presidência, vai precisar de arranjar um Adélio para lhe esfaquear antes da campanha, e fugir de debates.

  1. “Terrívelmente evangélico” é o candidato confirmado a usar a toga que Celso de Mello deixará.
    O “decano” da casta elitista ,golpista e sacana da toga ,teve este último tempo o “privilégio” de ser selecionado para varios processos importantes para o miliciano.
    Que é o que diz a regra,o que assumirá (o terrivelmente evangélico) será o responsável pela sua continuação?? então está explicado a predileção do Tofoli por Celso de Mello.

    1. O Gilmar tem batido nessa tecla. Diz ele que se as “coisas” se estenderem até setembro, o Bolsonaro passará a decidi-las. Celso de Mello seria como a comporta de uma eclusa que será retirada para deixar passar em toda a sua glória o navio bolsonariano.

  2. O editor, infelizmente, tem censurado meus comentários, quando vou direto na jugular do generalato golpista, vira-latas e entreguista. Apesar disso, continuarei comentando, se não me banirem, como fez o DCM, que um ano depois do Duplo Expresso, mentiu aos leitores, apresentando uma denúncia velha como “notícia exclusiva”. Os leitores deste Tijolaço sabem muito bem que o Brasil, desde o golpe de 2016, é governado por uma junta militar, encabeçada por generais fardados e empijamados. Essa milicalha, seguindo caitilha do Deep State estadunidense, aplica em Pindorama, com muito sucesso, a guerra híbrida de espectro total. Todo esse telecatch e diversionismo em torno da demissão do torquemada araucariano, a nomeação de um rameiro, ops!, Ramagem, para dirigir a PF, tem toda a pinta de mais um lance dessa guerra híbrida. Esse que agora foi nomeado para o MJ já estava para ser nomeado; os leitores devem se lembrar que Bozo prometeu alguém “terrivelmente evangélico” para a próxima cadeira vaga no STF. A PF sempre foi polícia política a governo de plantão. Esse papo de “independência do MP e da PF”, que essa juristocracia canalha conseguiu emplacar nos governos Lula e Dilma, deu no que deu: uma presidenta deposta, sem crime e um Ex-Presidente perseguido, com primo, esposa e neto assassinados e, finalmente, preso sem crime e impossibilitado de se eleger novamente Presidente do Brasil. Tudo isso sem falar do desmonte e destruição do Estado Social Brasileiro, soberano e inclusivo.

    1. Discordo em parte, saiu o 6 e entrou o dúzia e meia, como bem escreveu o João de Paiva Andrade, acima.

  3. Bolsonaro não gosta de ninguém que queira aparecer em seu governo através de coisas corretas. Alguém que queira aparecer com maluquices, como o Wientraub, tudo bem para ele. Mas alguém que como o Mandetta queira aparecer como realizador de coisas positivas, pode esperar ou por um tranco que lhe cale a boca e lhe envie ao mesmo limbo da Regina Duarte, ou então que se prepare para sair voando pela janela.

  4. Este ministro que tome cuidado, pois se o “Edaí” achar que o novo justiceiro evangélico não é espelho…O moço portanto, em cada fala, terá que elogiar e puxar muito o saco do novo messias do inferno.

  5. Haaa, mais não dura no cargo mesmo se tiver pensando em trabalhar!!!! Quem disse que o “e daí?” tolera alguém que, por um milésimo de segundo lhe roube os holofotes? Os asseclas do capirôto só têm uma única serventia: Atender às necessidades exclusivas do seu mestre, que é proteger a ninhada de filhos retardados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *