Bolsonaro, ouça o ”Folhetim’, porque a ‘página virada’ pode ser você

É que a cultura musical de Jair Bolsonaro não vai muito além daquele “Nós somos da Pátria a guarda”…

Do contrário, a ele que definiu seu relacionamento com Rodrigo Maia  como um “namoro”, talvez lhe viesse à cabeça o “Folhetim” do Chico Buarque, imortalizado por Gal Costa, ao dizer hoje que os desentendimentos com o presidente da Câmara são “página virada“, como se a semana inteira de desaforos fossem simples caprichos e venetas sem conteúdo.

E aí veria que até a personagem dos versos da música coloca o “Se acaso me quiseres”  como condição para ser “dessas mulheres que só dizem sim”…

Pode ser capitão, mas pede um clima gentil, “uma coisa à toa, uma noitada boa, um cinema ( não com filme evangélico, please), um botequim”.

E que os deputados da “velha política” aceitam “uma prenda, qualquer coisa assim, como uma pedra falsa, um sonho de valsa ou um corte de cetim”, mas o senhor não pode dizer que só está lhes dando porcarias sem valor em troca do que deseja.

Aí, Bolso, até podem te fazer “vaidoso, supor que és o maior e que me possuis”, como Maia vinha fazendo desde a posse com o apoio incondicional à reforma da Previdência.

Mas você começou a noite com o desinteresse e a grosseria que a alguns se acometem na manhã seguinte e assim também antecipou o “já não vales nada, és página virada, descartada do meu folhetim”.

Capitão, como se diz no interior, você cansou a dama antes do baile, que não começou nem na Comissão de Constituição e Justiça.

E assim corre o risco de dançar sozinho.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. sensacional

    só acho que ele canta :

    ““Nós somos da Pátria aguada”… e indo ladeira abaixo

  2. Sempre presente no dia-a-dia da vida nacional, Chico Buarque, o gigante da cultura brasileira. Não à toa, a direita tenta desqualificá-lo.

  3. Do jeito que vai, o Ursinho Pooh vai acabar cantando “eu gostei tanto, tanto, quando me contaram, que te encontraram bebendo e chorando na mesa de um bar…” Mas, nesse dia, o capitão enrolão vai cantar entre lágrimas e espumas de ódio do Carluxo, “se eu soubesse, naquele dia, o que sei agora, eu não seria este ser que chora…” Haja boteco, Fernando.

  4. Magnífico ! ! ! ! ! Esplendoroso ! ! ! Sensacional ! ! ! ! ! Até “Gal” (diminutivo de “general”) a-parece propositadamente relacionada ao co(n)-texto, texto em paralelo(,) sobre o imbricamento das duas situações (realidade política e geral brasileira/música). Por isso me demoro mais no Tijolaço: aqui a gente sempre pode encontrar frequentemente uma dessas pérolas de análise crítica percuciente da realidade brasileira/mundial com arte e poesia… poesia e arte. Parabéns, Fernando Brito, você é 10 (ou 12… ou 13).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.