Bolsonaro tripudia sobre cinismo dos generais

“Não vamos deixar a política entrar nos quartéis”, diz o general Edson Pujol, comandante do Exército, secundado pelo general-vice Hamílton Mourão.

Seria ótimo que fosse verdade, mas é puro cinismo.

Se, nos últimos anos, houve algo que entrou nos quartéis foram Bolsonaro e suas ideias tortas e fanáticas.

Bastaria que se contasse a quantas festas, solenidades e formaturas nas quais, anos a fio, Jair Bolsonaro foi convidado de honra, com direito a confraternizar com as tropas e a fazer selfies como corinhos de “Mito”, “Mito”…

Generais, se os senhores querem que suas palavras sejam levadas a sério, antes de tudo, respeitem a inteligência alheia e não venham, para usar a palavra da moda presidencial, de “conversinha”…

Quem fez a política entrar nos quartéis foram os senhores e será que Hamílton Mourão, que teve de ser afastado dos cargos que ocupava por declarações provocativas não contra um, mas contra dois presidentes (Dilma e Temer), tem autoridade moral para dar declarações como estas sem que nelas se veja hipocrisia?

Mas é ainda pior, senhores generais: os senhores patrocinaram, além de tudo, um bom negócio para si mesmos, enxovalhando nossas Forças Armadas com a promiscuidade em que se meteram com este governo, avançando sobre cargos, com generais da reserva e da ativa (sim, da ativa!) sem o pudor, sequer, de dizer “não” quando se trata de “ajeitar” generais e almirantes no Ministério da Saúde e na Anvisa (para ficar só em dois casos) em meio a um pandemia horrenda.

O “baixo-comando” militar (porque só assim se pode definir tamanha pequenez) foi apanhados em um movimento de pinça que, ironicamente, ele próprio construiu: perderam o respeito de suas tropas, tomadas pelo bolsonarismo, e perderam o respeito dos formadores de opinião, que os veem atirados a um apetite de poder incompatível com o papel moderno de forças armadas profissionais.

Gente de bem, nacionalista, capaz de separar o Exército Brasileiro da infausta aventura golpista de 64 tem de redobrar este esforço para superar a vergonha em ver nossos generais, depois de terem eles próprios arrobado as portas, dizerem que “a política não entrará nos quartéis”.

Diz bem Cristina Serra, hoje, na Folha: “Muitos que ajudaram Jair Bolsonaro a se eleger, sabendo quem ele é, agora fingem espanto cada vez que ele aumenta a voltagem das barbaridades que despeja de sua boca pestilenta. Teve até general escrevendo cartinha lamuriosa. Sentem-se traídos? Bem feito”.

E ainda terem de se submeter à vergonha de aceitar, de bico calado, Bolsonaro, dizer que acha que as Forças Armadas devem “se manter apartidárias, baseadas na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República”.

Como Bolsonaro não tem partido, estão apartidárias e sob suas “autoridade suprema”. Suprema, mesmo, porque pode até achincalhar a dignidade da instituição, transformando-a em cordeirinho de suas extravagâncias.

Portanto, aceitem que puseram lá um fascista desmiolado, que bravateia fazer com que os EUA sintam “o cheiro de pólvora”, para que possamos continuar a sentir o cheiro das queimadas ou, se não quiserem, tomem uma atitude de coragem, deixando de dar suporte às suas sandices.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *