A briga de foice do PSDB tem ainda muito no escuro

briga tucana

A crise no PSDB é uma briga de foice em que muita coisa é e mantida no escuro.

A reação de Doria a favor de Aécio e a de Geraldo Alckmin, contra, mostrou que não existe a trégua entre ambos.

O evidente alinhamento a Temer da ala aecista deixa claro que se quer, no mínimo, uma aliança com Temer, senão a possibilidade de dar-lhe um candidato.

Alckmin quer uma candatura “independente”, mas que não se acanha em receber o apoio temerista.

Fernando Henrique quer uma aliança pragmática, com um candidato novo, da Globo. Vê com bons olhos  a aventura Huck.  Como com Collor, acredita que um tucano na Economia “fará o serviço”.

Serra é um coringa. Topa qualquer parada, se isso lhe der projeção.

A convenção tucana, daqui a um mês, seria, em tese, favorável a Tasso, se o voto dos delegados paulistas fosse unânime.

Mas está longe de ser, mesmo com a composição quee se alcançou por lá.

Há votos alquimistas, doristas, serristas e fernandistas.

Em princípio, nessa ordem.

A tucanésima Vera Magalhães, no Estadão, reduz a plavras o estiolamento do PSDB:

Sem se preocupar em apresentar uma agenda ao país, envolto em sua eterna indecisão hamletiana sobre ser ou não ser governo e usado como bunker por um presidente mais preocupado em manter o foro privilegiado que com a reputação da sigla que comanda, o PSDB pode deixar de ser, em 2018, uma alternativa de poder. Mesmo tendo, hoje, os dois nomes mais aceitos pelo “establishment” para a sucessão de Temer.
E toda essa pororoca de infortúnios, diferentemente das do PT e do PMDB, foi autoimposta. Os tucanos agem como adoradores de Jim Jones.

O PSDB histórico acabou-se com Aécio-2014, que o tornou o PSDB histérico e golpista.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email