Brincando com a morte

Na Folha e no G1, notícias mostram o que, inevitavelmente, virá com a irresponsabilidade dos governos que, afinal, cumpriram as vontades de Jair Bolsonaro.

No G1 relata-se que pelo menos oito estados norte-americanos onde as medidas de isolamento social foram relaxadas registraram, no final da semana, números recordes de novos casos detectados. Um deles é o Oklahoma, onde fica a cidade de Tulsa, local do primeiro comício eleitoral de Donald Trump à reeleição, remarcado para o dia 20.

Curiosamente, a remarcação não se deveu à preocupação com a pandemia, mas à possibilidade de que a data original – 19 de junho, considerado como a data da abolição da escravatura nos EUA – provocasse protestos antirracistas, uma vez que Tulsa foi palco, em 1921, de um dos maiores massacres de cidadãos negros, atacados pela população branca, provocando a morte de até 300 pessoas e ferimentos em outras 800, além da destruição dos bairros onde moravam os afroamericanos.

Em São Paulo, conta a Folha, um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Fundação Getúlio Vargas, trabalhando com modelos matemáticos, calcula que o número de mortes no Estado causadas pelo Covid-19, pode chegar, com o relaxamento das restrições ao comércio e aos serviços, a 24 mil até a primeira semana de julho.

Isso representaria um acréscimo de 71% no total de óbitos, se comparado àquele que se registraria caso se mantivessem as restrições e o grau de isolamento verificados no mês de maio.

A partir de terça-feira vamos poder começar a observar – depois do subregistro do feriadão iniciado na quinta-feira – o comportamento dos danos da epidemia com a ampliação do trânsito de pessoas pelas grandes cidades. E tudo indica que não será nada bom o cenário.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Vários países estão encerrando a quarentena. Para esses países vale a seguinte frase: “se podemos trabalhar, podemos protestar”. Tem que demolir o sistema.

  2. Vale lembrar que qualquer coisa que afete os contágios — seja para ampliá-los ou reduzi-los — demora cerca de duas semanas para ser percebido no número de internações e três semanas para ser percebido no número de mortos. Tecnicamente seria possível perceber a mudança no nível de contágio em uma semana caso se teste adequadamente, mas como o Brasil praticamente só testa pessoas que são internadas nós não temos esse primeiro indicador.

  3. Bogotá q eh a soma do Rio com Porto Alegre, 7,5 mi, deu marcha atras na abertura. Minas se dependesse do patetico copiador de bozo, zema estaria igual Manaus. Felizmente pelo menos uns 40, 50% q podiam fazer o confinamento fizeram e continau a fazer. Depois das 8 da noite a cidade continua a dar uma esvaziada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.