C.Q.D. Não é estupidez, é crime

As três letrinhas, sublinhadas por uma “meia-lua” eram escritas no quadro negro logo abaixo da dedução de fórmulas matemáticas, onde se evidenciava que uma relação conhecida levava à conclusão de outra, ainda não sabida: “Como Queríamos Demonstrar”, abreviavam elas, embora os mais antigos o fizessem ainda com a expressão latina: Q.E.D, quod erat demonstrandum.

O governo Bolsonaro, primário como é, torna semelhante a isso qualquer análise que sobre ele se faça: não é difícil deduzir que ele uma suas anunciadas ” mudanças de prioridades” apenas como justificativa pública para o que é, de fato, seu objetivo: o desmonte do Brasil.

Não é diferente, mostram os números revelados pelo Estadão, nesta história do “corte” das verbas das uiversidades, alegadamente para “investir na Educação Básica”.

A mentira é posta em evidência: quase 40% das verbas da educação básica estão cortados. No caso das creches e escolas de ensino fundamental, que Abraham Weintraub invocou como razão suprema dos cortes, a tosa foi de 45%% dos recursos: R$ 146 milhões dos R$ 265 milhões previstos para construção ou obra em unidades do ensino básico.

O ensino técnico, aquele que o ex-capitão diz defender para que os jovens possam trabalhar foi virtualmente extinto:

Foram retidos recursos até mesmo para modalidades defendidas pelo presidente e pela equipe que comanda o ministério, como o ensino técnico e a educação a distância. Todo o recurso previsto para o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico (Pronatec), R$ 100,45 milhões, está bloqueado. O Mediotec, ação para que alunos façam ao mesmo tempo o ensino médio e técnico, tem retidos R$ 144 milhões de R$ 148 milhões.

Até o Colégio Pedro II, aquele que o Imperador dizia que era a única instituição que ele desejaria governar, está inviabilizado com cortes de mais de 36% de seus recursos.

Esta gente odeia a educação, odeia o progresso, odeia a verdade.

São mais do que imbecis, como digo, são criminosos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Quem colocou estes doido no poder foi os poderosos. Agora tirem ! Eu quero que pobretão que votou nele que se explodam.

  2. A mídia dos poderosos ,entreguista,golpista,delinquente ,anti-popular descrebe as manobras do miliciasno com “sorpressa”,cinismo em dose cavalar !
    Foram eles e seus comparsas de crime que derrubaram a Democracia,criminalizaram a política ,deram apoio total aos crímes cometidos pela QUADRILHA CURITIBANA ,enganaram a massa imbecil deste país , propalaram as benesses de desmontar o Estado e vender,vender tudo,agora posam de “enganados” ,”ingênuos”,CANALHAS,UM BANDO DE CANALHAS!

  3. Em nome de quem fazem tanta besteira? Aí tem o dedo das instituições privadas que atualmente contam com forte participação do capital estrangeiro em especial norte americano. Manter o povo burro e domesticado é a regra dos colonizadores e só ocorre porque encontram terreno fértil para a traição nacional.

  4. Hora de lutar com todas as armas para derrubar esse capitão e seu governo. Ou faremos isso ou não teremos mais razões para segue vivendo. Fora Bolsonaro!!!

  5. O sr. Messias parece(??) que quer acertar contas. Quer se vingar. Do quê? De quem? Dos generais, já que ele foi apenas um tenente desordeiro, um “mau militar” (Royalties para o ditador Geisel, aquele que mandava matar presos políticos) terrorista e que insuflava a tropa contra os oficiais superiores, que deveria ter sido expulso do Exército, mas foi salvo sabe-se lá por quem do STM? Quer se vingar dos trabalhadores? Por quê? Porque nunca trabalhou na vida? A consciência dói? Agora investe contra as universidades públicas. Por quê? Gostaria de ter frequentado uma mas não o fêz? De onde vem esse ódio? Só fala em matar, eliminar, metralhar, fuzilar. Realmente, só falta o bigodinho, pois o penteado do cabelo já é parecido.

  6. O Bozo sane que uma colônia não precisa de educação.
    Aos neocolonizados, bastará saber dizer: “Yes, bwana!”

  7. Só lembro o que diziam com convicção e arrogância os coxinhas: “Bolsonaro porá ordem no Brasil”. “É. Pode ser”, encerraria o Ancelmo.

  8. Com a pressão, estão dizendo que se a reforma da previdência passar, as verbas podem ser liberadas no segundo semestre. CHANTAGISTAS.

  9. Se o Bundanaro não sofrer um IMPEACHMENT rápido e fulminante, o Brasil vai virar um país do mesmo nível de Haiti e Serra Leoa, e até pior, com enorme chance de iniciar uma guerra civil, que poderá durar uma década ou mais, mergulhando a sociedade no mais profundo caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *