Como decidiria o STF sem governos petistas? 3 a 1 para Lula…

kafka

Um amigo  fez uma conta muito interessante após a leitura do post onde trato da estupidez contida nos comentários do pavonesco Luís Roberto Barroso, sobre uma “pacto de corrupção” ter dirigido o país.

É que, sem os  ministros indicados – como o próprio Barroso o foi – pelos governos de Lula e Dilma para o Supremo Tribunal Federal, o placar do pedido de habeas corpus imeptrado pela defesa do ex-presidente seria de 3 a 1 a seu favor.

Celso de Mello, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello já expuseram sua tendência em conceder o HC. Alexandre de Moraes, indicado por Temer, seria, a princípio, o único voto contrário, a conferir.

Já entre os indicados na era petista, a derrota seria certa para Lula: Luiz Fachin, o próprio Barroso, Luis Fux, Cármen Lúcia são votos  “garantidos” contra ele. Dias Tófolli e Ricardo Lewandowski, a favor e, se seguir as convicções que já manifestou e não se intimidar, como tentam fazer, Rosa Weber. Perderia, portanto, de 4 a 3, no mínimo.

Basta esta conta para duas conclusões.

A primeira, é que é absurdo dizer que o acolhimento do pedido de habeas corpus possa vir a ser o resultado de uma “composição política” do STF.

A segunda, é que o poder vitalício e absoluto que se ganha junto com a cadeira no STF apaga antigas ideias,  rapidamente abandonadas pelo prazer de vestir-se a pele do lobo.

Uma estranha e invertida metamorfose, onde quem era borboleta ressurge como lagarta, para não ofender pudores, lembrando a de Gregor Samsa, o de Kafka.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email