Corte no Bolsa Família do Nordeste é suspenso pelo STF

O ministro Marco Aurélio, ao suspender por liminar os cortes efetuados pelo Governo Federal mostrou até onde vai o ódio de Jair Bolsonaro ao povo pobre que não se curvou a ele nas eleições,

Os governadores “de paraíba” – Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. – haviam pedido que os cortes fossem suspensos até que a União explicasse porque Nordeste recebeu 3% dos novos benefícios enquanto Sul e Sudeste tiveram 75% das novas concessões.

O Nordeste, é de lembrar, tem 40% das famílias em situação de extrema pobreza no país. Marco Aurélio frisou em seu despacho que “não se pode conceber comportamento discriminatório da União, em virtude do local onde residem
brasileiros em idêntica condição. A diferença numérica aludida pelos autores sinaliza desequilíbrio tanto na concessão de novos benefícios quanto na liberação daqueles já inscritos na Região Nordeste. A postura de discriminação, ante enfoque adotado por dirigente, de retaliação a alcançar cidadãos – e logo os mais necessitados –, revela o ponto a que se chegou, revela descalabro, revela tempos estranhos”.

Dias atrás mostrei aqui uma reportagem do Globo Rural sobre o drama de famílias maranhenses atingida pelos cortes de Bolsonaro.

Vale a pena se indignar, outra vez, com o que se faz contra pessoas indefesas e necessitadas em nome de ódios políticos. A decisão de Marco Aurélio, ao menos, nos dá esperança de que isso possa ser impedido.

Mas revela um quadro de desgoverno do qual , em post próximo, vou tratar.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Sempre é bom relembrar a frase de uma sobrevivente de Auschwitz a sua afilha: “Nunca esqueça, nunca perdoe”

  2. A pergunta é: Será que o Bolsonaro vai obedecer a decisão do Ministro Marco Aurélio, ou será que o presidente do STF, Dias Toffoli, ou algum outro ministro da Corte, alinhado com o presidente vai revogar a decisão?

  3. O Nordeste mudou de patamar civilizatório graças em primeiro lugar à Sudene, e depois ao bolsa família e às políticas de convivência com a seca. O Bolsa Família inseriu as pessoas mais abandonadas do país no mundo dos cartões de crédito e contas bancárias. Transformou as quitandas em pequenos supermercados. Os garotos estudaram, e passaram a vencer concursos internacionais de matemática. Foi e é revolução. Natural que os fascistas-entreguistas queiram impedir tudo isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *