Covid: Brasil vive explosão de casos e de mentiras “oficiais”

O número de casos de Covid oficialmente registrado no Brasil não é apenas subestimado, é contraditório até mesmo com a migalha de testes que se consegue fazer.

Dois anos, quase, depois do início da pandemia, estamos vivendo um “apagão” de dados – e mais ainda de confiabilidade.

Sejam os números centralizados – os sistema do Ministério da Saúde completa um mês paralisado – sejam muitos dos dados produzidos por Estados e Municípios, nada é preciso.

Ontem, fui a um posto público de testagem da Covid da Prefeitura do Rio de Janeiro, no centro da cidade. Apesar da espera de mais de 2 horas, tudo estava relativamente bem organizado e os funcionários se desdobravam em atender bem. Num cálculo aproximado, creio que atendiam cerca de 100 pessoas por hora e, de 8 às 17, com o excedente que estava ainda na fila ao fecharem-se os portões, estimo que cerca de mil pessoas foram testadas, recebendo minutos depois seu resultado.

Como aos que testavam negativo era a simples entrega de um papel e aos positivos, a funcionária parava e dava orientações, era possível perceber a parcela que tinha tido (inclusive eu) o teste reagente e era impressionante: praticamente “meio a meio”.

Impressão confirmada pelo índice de “positivo” que a Prefeitura divulga nos testes da primeira semana epidemiológica do mês (2/1 a 8/1): 44% dos 58.585 exames realizados. Ou 25.777 positivos, só nos testes aplicados pela administração municipal ou que ela tenha recebido e contabilizado.

É 32% maior do que o município contabiliza como “casos confirmados” onde se aplica o critério de “data do início dos sintomas”: 17.298, neste mesmo período.

Não há qualquer menção aos casos verificados em testes de farmácia ou de laboratórios particulares.

A impressão que colhi, na prática – e que me levou a compará-la com as informações locais do Rio de Janeiro – é ainda menos assustadora que a de gente imensamente mais capaz que este blogueiro: a pneumologista Margareth Dalcolmo, da Fiocruz, e o médico e neurocientista Miguel Nicolelis, em entrevista a Luís Nassif e Marcelo Auler, no GGN.

“É alucinante [o crescimento do contágio]” diz Dalcolmo: “A impressão que eu tenho é que nós vamos todos nos contaminar, mais cedo ou mais tarde. O crescimento não é aritmético, é geométrico, é exponencial.” Nicolelis alerta que os dados recentes da Universidade de Washington para o Brasil “não geraram a comoção que deveriam gerar” pelo fato de estimarem que o país possa ter 1,3 milhão de novos casos por dia até o final de março, caso a atual gestão da pandemia não mude de curso.

Reproduzo abaixo a conversa entre eles, para que você tenha ideia da irresponsabilidade com que se está tratando o que está diante dos nossos olhos, qundo o mundo, apenas neste início de janeiro, registrou mais de 16 milhões de novas casos de infecção por Covid, acumulando em oito dias o número de casos que, no início da pandemia, levou sete meses para atingir.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.