Declaração de Guedes atrasará mais a votação da Previdência

O “coice” desferido hoje por Paulo Guedes na proposta de relatório apresentada pelo deputado Samuel Moreira,  irritado pela exclusão da ideia de instituir o regime de capitalização na Previdência vai custar caro aos deputados governistas e tornar mais duvidosa a sempre reafirmada intenção de Rodrigo Maia de levar o texto ao plenário neste semestre.

A sessão de terça-feira da comisssão que analisa a PEC, está visto, não vai começar o dia discutindo o relatório, mas a atitude de Guedes. Não vão faltar moções de repúdio, apelos ao presidente Marcelo Ramos para que tome a defesa da comissão e pedidos de interrupção dos trabalhos para que Guedes vá explicar-se aos deputados por ter dito que eles “aborataram a “Nova Previdência”.

Inevitáveis produtos da “usina de crises” que o próprio Rodrigo Maia admitiu ser o governo Bolsonaro.

Será que Paulo Guedes é tão despreparado que fosse criar um confronto desta monta por causa de algum afrouxamento das regras de transição?

Ou e ensaio de “pé no pau da barraca”?

Parece evidente que não e tudo leva a crer que a parte da reforma que lhe interessava – dinheiro para os bancos – faz com que ele dê pouca importância a que se aprove o resto.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Quem conhece o currículo do Guedes pode responder: ele É despreparado. O que não quer dizer que não esteja furioso porque não conseguiu entregar o que os bancos queriam.

    1. Eu diria que ele é despreparado para servir o povo e muito preparado e comprometido com os banqueiros, incluindo ele.

  2. A inferência por você vislumbrada, Fernando, é mais do que patente: ele quer oferecer um grande brinde à banca – de onde veio, reitere-se! Afinal, poderá voltar para ela, depois dessa passagem, colhendo, do outro lado, os frutos que plantou no governo! Cínico, não! Fala sério!!!

    1. Matou em cheio, a raiva e a frustração do ministro. Justo a tal “capitalização” (dim dim para os bancos) prometida por ele, foi por água abaixo. A turma da banca pegou mal, e ele passou recibo de incompetente….Agora está encalacrado no governo.

  3. O problema é que (ele sabe) vai ter golpe, fechamento do congresso, e a reforma passará da forma que os bancos querem. Quem aposta??

  4. A previdência é a única coisa que assegura o apoio das classes dominantes à quadrilha que tomou conta do poder, e eles sabem muito bem disso.

  5. “Dinheiro para os bancos” é prática instituída pelo governo fhc com as obrigações compromissadas que limpa todas os finais de tarde o dinheiro que sobrou nos bancos porque cobram juros altos e paga ele, o banco central, os juros que os bancos cobrariam se fizessem empréstimos. Dinheiro paralisado nos cofres do governo, mas pagando juros. O propósito disto era conter a inflação, sendo que o governo do pt, embora mantendo esta prática criminosa, mostrou que se contem a inflação e desenvolve o país justamente injetando dinheiro na economia, nas famílias, de uma maneira programada e inteligente. Fhc ainda instituiu a prática de caixa comum: todo dinheiro que entra vai para um balaio comum… e para pagar juros aos bancos (o Brasil nunca pagou a dívida contraída com os bancos; só tem pago os juros escorchantes… viva fhc! viva o psdb!). É por isso que não tem dinheiro para a educação, saúde, infraestrutura, e previdência, esta última superavitária não fosse o roubo de dinheiro dos bancos através de todos os governos que vieram depois do psdb.

  6. Isto mostra claramente a diferença entre competência e trapalhão financiado e apoiado pelos rentistas. Brasil se desmanchando IRRISÓRIAMENTE não é generais?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.