Deltan ainda tenta virar “pizza”

Os jornais anunciam uma intensa operação corporativa, ajudada por uma mobilização dos grupos de ultradireita, para “salvar” Deltan Dallagnol de sofrer sanções na terça-feira, quando se julgarão duas das oito representações contra ele no Conselho Nacional do Ministério Público.

Pelo ritmo acelerado que tomaram as revelações sobre seus abusos e violações, não creio que se chegará lá em condições de promover o “abafa” que desejam, mas é deprimente que tenhamos chegado a um ponto pior do que sugeria um filme italiano dos anos 70, Investigação Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita.

Nele, um chefe de polícia- interpretado pelo magnífico Gian Maria Volontè – assassina a amante – Florinda, ainda, Bulcão – e o crime, embora evidente, não pode ser atribuído a ele pelo fato de que, sobre um alto comissário policial, não se pode ter suspeita.

Porque ele, além do cargo, tem um enorme e reconhecido papel na repressão política: “repressão é civilização”, diz o personagem intocável.

No nosso enredo tupiniquim, o cidadão Dallagnol também está acima de suspeitas como imune a investigações, não só pelo cargo mas, sobretudo, pelo papel político que exerceu?

Se a mídia brasileira estivesse disposta a tratar o assunto à luz do interesse público, bastaria uma questão simples para esclarecer as dúvidas: se mensagens hackeadas evidenciassem que uma concorrência era fraudada, poderiam prevalecer os contratos que ela gerou?

O que está em questão não é, é claro, o direito a sigilo absoluto em negócios públicos, como é a atuação dos promotores e do juiz que representam o Estado em processos judiciais. A discussão é se o integrante de uma corporação estatal goza de impunidade absoluta diante das evidências de que se desviou – e muito – dos seus deveres institucionais.

De outra forma: se um procurador – e, amanhã, um juiz – pode fazer o que quiser, como quiser, contra quem quiser, desde que seja em nome de uma “moralidade” que a tudo justifica.

A situação não é inédita, aliás, tem outro belo retrato cinematográfico em A Sede do Mal, filme de Orson Welles, onde o capitão Harry Quinlan, apoiado em sua fama de prender bandidos está livre para plantar provas, torcer a investigação e impor a “sua” lei.

Mas como há, até terça, 72 horas de agonia, ainda estamos longe de saber que o “abafa jato” se consumará.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

28 respostas

  1. Os amorais.
    Julgados e julgadores.
    Para que isso mude, precisam apenas fazer o que a lei é a ética moral mandam.
    Nada mais queremos.

  2. O correto é acabar com ESSA MERDA de “lava-jato”.
    Está COMPLETAMENTE DESMORALIZADA.
    Uma VERDADEIRA BOSTA !

    1. A cada dia que passa, se consolida a certeza de que a lava jato é um cabide de emprego para pessoas com grandes ambições e de caráter pequeno.

    2. Concordo.
      E com a devida punição a cada transgressor, nos termos das transgressões cometidas, e ainda que não mais façam parte da organização criminosa Lava Jato!

  3. Deus me perdoe, mas se Dallagnol sair ileso, vou torcer pelo pior no Brasil.
    O contrário significará a vitória do mal/mau.

  4. O abafa vai consumar-se sim.
    Aquela que alguns subordinados acham que deveria ser incinerada pautou a audiência da próxima terça feira com duração de apenas 3 horas.
    Cartas marcadas.

  5. Oficialmente este é o mafioso-chefe da quadrilha ‘Farsa a Jato’, mas de fato é o marreco de Maringá, sendo que os dois recebem ordens da cúpula golpista do DoJ, CIA, NED, FBI e outros malfeitores internacionais acanalhados.

  6. Investigação sobre um cidadão suspeito até o talo.

    É assim a frase correta para a ilustração da matéria.

  7. “Ideologia de gênero é coisa do capeta”.
    Capeta é o cara que orienta sua mente, capitão. Calado o senhor está errado.

  8. A FT Lava Jato pode ser dissolvida em setembro. Os cães de guerra voltarão ao canil, pois os invasores já dominam todas as instituições da ex-república. A ditadura se instalou e agora lança raízes, para uma longa permanência.
    O caráter da elite escravista não mudou nada em mais de cem anos. Continua racista, autoritária e retrógrada. Aprimorou-se apenas nos requintes de crueldade.

    1. Nesse contexto, Moro, Dallagnol e a FT não passam de fusíveis a serem queimados para que o circuito siga funcionando.

  9. Os atos da administração pública, exceto aqueles previstos em lei, não só devem ter transparência, como devem ter publicidade. Isto é, exceto aquilo que a lei protege, tudo o que está contido nas conversas e mensagens nos telefones funcionais pode e deve ser tornado público. Como o Intercept não divulgou nada que esteja protegido por lei, tudo o que tem sido divulgado pelo Intercept também tem que ser divulgado oficialmente
    Nada justifica que os telefones funcionais, portanto do estado, sejam tratados como se fossem objetos de propriedade pessoal.
    Não só deltan deve ser punido como seu telefone funcional confiscado e o conteúdo não protegido por lei deve ser divulgado oficialmente, já que de interesse público de acordo com os princípios (e leis) de transparência na administração pública.
    Se o CNMP assim não agir estará prevaricando, ou seja um crime coletivo daqueles que tomarem esta posição. Por ser coletivo, e implicar em pelo menos 4 votos, incorre também no crime de formação de quadrilha.

  10. Operação contra corruptos e corruptores, de qualquer segmento ou instituição, deve ser continuo e perene. Não deve haver plano de marketing com nomes para dar holofotes a ninguém. Lava-Jato? Uma ova! Combatam a corrupção mas vigiem quem investiga também. Eu te prendo, mas quem me prende?

  11. A Marca da Maldade (1958) Touch of Evil
    Orson Welles (Police Captain Hank Quinlan) Orson Welles
    Charlton Heston (Ramon Miguel ‘Mike’ Vargas)
    Janet Leigh (Susan ‘Susie’ Vargas)
    Marlene Dietrich (Tanya)
    Filmaço.

  12. Isso é uma missão que envolve todos os golpista de 31 de agosto 2016

    Esses golpista são:CIA, bilionários do Brasil, oficiais do Exército, Marinha e Aeronáutica.

    Os oficiais de PIJAMA comandam o Golpe. Oficiais da ativa fazem a retaguarda.

    O objetivo é MATAR o Presidente LULA.

    E entregar definitivamente o Brasil ao julgo USA.

    1. Acho que nao matam Lula porque se isso acontecer o grupo deles vai ter que matar alguns do proprio lado pra dizer que o PT mandou em represalia matar esse ou aquele que perseguir Lula. São uns cagoes de entrar nessa roleta russa

  13. Ou o Conselho Nacional do Ministério Público age dentro de suas atribuições e não se verga a chantagem dos grupos ultra direitistas, ou joga sua credibilidade no lixo, fecha as portas e manda alguém apagar a luz……O mesmo se diga da Sra. Dodge que andou passando a mão na cabeça do Deltan (e agora….por ironia….descobriu que o mesmo e seus colegas tramavam contra ela).Sem falar, é claro, de alguns ministros do Supremo que caíram nas artimanhas do procurador e seus coleguinhas. As instituições foram atacadas por essa turma e estão na berlinda. Ou reagem à altura ou se jogam no precipicio.

  14. Fernando, perguntinha: por que cargas d’água você mencionou o filme do Welles citando seu nome em Portugal (A sede do mal) em vez do título brasileiro (A marca da maldade)?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *