Dinheiro de Flávio é dano colateral da guerra a Moro

Mais uma história mal contada na família Bolsonaro, a dos R$ 86,7 mil que apareceram providenciamente, em espécie, para que o senador Flávio comprasse um “pacote” de 12 salas comerciais, logo vendidos para uma empresa com sede no Panamá, é só mais um dos “pequenos grandes negócios” familiares que se desenvolvem entre eles desde que Jair Bolsonaro foi convidado a deixar o Exército e tornou-se vereador.

Estabeleceu-se, ali, a pedra fundamental de um negócio familiar, ao qual se foram admitidos como “cotistas”, a então mulher, hoje “ex”, e os filhos, numa espécie de “franquia” que garantiu ao grupo uma confortável situação e uma vasta carteira de propriedades imobiliárias.

Nada teria de diferente de muitas e muitas famílias que fazem da política meio de vida e de acumulação de recursos.

Duas características a fazem ser especial, muito especial: a ligação com milícias e polícias e o fato de que seu patriarca, insolitamente, tornou-se presidente da República.

Como diz Vinícius Torres Freire, hoje, na Folha, ” é cada vez mais impressionante que o país se acomode a uma família presidencial relacionada com o crime organizado e acusada de fazer seu pé de meia com o furto de dinheiro público à boca pequena, pois sempre foi marginal na política, sem acesso à roubança em grande escala.”

O bolsonarismo não se aliou ao Centrão, apenas voltou ao ser parte dele, como sempre fez, ainda que com seus arroubos.

O tucanato virou morista, e a Lava Jato se encarregou de matar suas velhas referências, mas não de ampliar o seu eleitorado, restrito às elites.

Depois do breve romance que os uniu, desde o início de 2018 até os primeiros meses de governo Bolsonaro, estão irremediavelmente separados e por isso travam entre si uma guerra de morte.

Os R$ 86.700 dos negócios de Flávio são parte desta guerra, mas não importam muito ante o quadro de fanatismo que está posto na política brasileira.

E ambas as forças em guerra podem ser derrotadas deste embate.

Destruir Bolsonaro, embora quase impossível com o quadro de agora, reabre a classe média baixa para a esquerda.

Destruir Moro significa reabilitar Lula.

Mas isso não é o essencial. Decisivo será o cenário econômico que teremos e que está mito longe de permitir prever alguma retomada.

Perto disso, as rachadinhas não um mero trocado político, “alguma coisinha que tinha em casa” como diz Flávio Bolsonaro.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email