Doidos por Trump

Jair Bolsonaro e o filho ’embaixador’ Eduardo estão fazendo uma das maiores idiotices político-diplomáticas da história brasileira: transformar o moderadíssimo Joe Biden em uma versão 2.0 do que foi, para a ditadura brasileira, o ex-presidente Jimmy Carter, do qual o candidato democrata dista anos-luz em matéria de posições políticas, tal como o atual residente está galáxias distante da austeridade de Ernesto Geisel.

Não importam os talhes pessoais dos personagens, mas é fato que boa parte do “mundo que importa” – o do dinheiro – está roendo os dedos com uma deterioração das relações do Brasil com os Estados Unidos diante da possibilidade cada vez mais presente que o vice de Barack Obama, dentro de um mês, torne-se o presidente dos Estados Unidos.

O resultado provável disto, no mercado financeiro, é a continuação da tendência de alta do dólar e até sua acentuação caso as pesquisas no eleitorado norte-americano confirmem a tendência que se espelha na imprensa dos EUA, que chama de “desastroso” o desempenho de Donald Trump e que, mesmo sem brilhar, Joe Biden afirmou-se como provável vencedor das eleições.

Há água para passar debaixo da ponte e, com Trump, esta água será sempre turbulenta, como se viu no debate – e reafirmada ontem – a convocação ao “Proud Boys”, uma organização parafascista, para que se mantenha vigilante sobre as pesquisas de opinião.

E não só sobre elas, aliás: segundo o The New York Times, os chefes da campanha de Trump estão orientando simpatizantes a irem aos locais de votação e questionarem o registro dos eleitoras que eles supõem democratas e tentar impugnar seus votos.

A preocupação de Jimmy Carter com os direitos humanos o colocou em rota de colisão com a ditadura brasileira, tal como a questão ambiental colocou Biden contra o atual governo brasileiro.

Os Bolsonaro, sem qualquer prudência – e também sem nenhum sentido, pois não são capazes de dar um voto sequer ao candidato cor de laranja à Casa Branca, empurraram a si mesmo para uma posição que não lhes permitirá recuos no caso de se confirmar a derrota de Trump.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email