Dória assume que quer ser candidato “com Temer”

QUEMQUER

Falando numa reunião da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (onde mais mais falaria por aqui?), o Prefeito de São Paulo, João Dória assumiu que a coisa está feia: pediu que todo o “centrão” se una em torno de um só candidato senão “um representante da direita radical, Bolsonaro, ou da esquerda radical, Lula, vencerá a eleição”.

E, é claro, ele se oferece para ser este nome. Traduzindo: topa ser o “candidato do Temer“.

O Globo registra:

Questionado se essa aliança envolveria o PMDB e o presidente Michel Temer, o tucano afirmou que não é uma aliança em torno do presidente, denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça.

— Não é em torno do Temer, mas o PMDB é uma sigla importante no processo de aliança no Brasil. O PMDB, o PSDB, o DEM, o PPS, o PP, o PR, O PRB, o PV, e o próprio PSB, ou parte dele. Não vejo candidatura vitoriosa no Brasil se esses partidos não estiverem aglutinados e unidos

Ora, é evidente que, se houvesse o milagre de fazer um candidato “saladão”, este será o candidato de Temer, porque é impensável que ele seja “oposição”, mesmo suave, ao ocupante do Planalto.

Com um chumbo destes, é difícil que o “candidato-jumbo” possa decolar.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Não haverá 2018, isso é pura encenação….
    Não se iludam, esse golpe não é pra terminar vencido pela vontade popular, mas não é mesmo!

  2. Desde já as forças de esquerdas e aliadas deveriam mandar recados para os golpistas ocupantes do governo; para os plantonistas judiciais e os jornais da direita, que quaisquer movimentos para adiarem as eleições de 2018 ou canalhices juridicas ou policiais para deletar a candidatura LULA não serão aceitas e a resposta pode ser dada, por rebeliões, insurreições,movimentos sociais, desobediência civil ou até por confrontos armados. A paz nacional ficará ameaçada…

  3. Se tornarem Lula inelegível que é o que tao querendo e vão fazer, é de deixar o republicanismo de lado. Contra governos tiranos diplomacia não resolve…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.