Elio Gaspari e o novo Ministro da Educação

Eu aguardaria a coluna dominical de Elio Gaspari antes de fazer considerações sobre o futuro do novo Ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli da Silva.

Porque Gaspari, seguindo informações do repórter Aguirre Talento, de O Globo, pôs o dedo na ferida de uma licitação conduzida pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento (FNDE), presidido por Locatelli, envolvendo a compra de R$ 3 bilhões em computadores.

Ele contou, em 8 de dezembro passado que:

No dia 21 de agosto o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, FNDE, anunciou que realizaria um pregão eletrônico (13/2019) para a compra de “equipamentos de tecnologia educacional para a rede pública de ensino”.
Os
educatecas queriam comprar 1,3 milhão de computadores, notebooks e laptops. Até aí seria coisa de Primeiro Mundo, com a Boa Senhora gastando R$ 3 bilhões.
Alguém sentiu cheiro de queimado. O presidente do FNDE, nomeado em fevereiro, foi dispensado e seu sucessor, Rodrigo Dias, assumiu no dia 30 de agosto. Em 4 de setembro revogou preventivamente o edital.

Entre agosto e as duas primeiras semanas de setembro a Controladoria-Geral da União apontou “inconsistências” no edital. Põe inconsistência nisso.
Noves fora que o Ministério da Economia não foi consultado para uma licitação de R$ 3 bilhões, ficando-se só em dois pontos apontados pela CGU, via-se que:
>Os 255 alunos da Escola Municipal Laura Queiroz, de Itabirito (MG), receberiam 30 mil laptops (118 para cada um). Poderia ter sido um erro de digitação, mas a CGU mostrou que 355 escolas receberiam mais de um laptop por aluno, e 46 delas, mais de dois. Cada jovem da Chiquita Mendes, de Santa Bárbara do Tugúrio (MG) receberia cinco.
Na outra ponta do negócio, o das empresas que ofereciam equipamentos, a CGU achou duas, a Daruma (de Taubaté) e a Movplan (de Ribeirão Preto). Ambas mandaram cartas de cinco linhas, com o mesmo fraseado e o mesmo erro de português: “Sem mais, para o momento, colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos que se façam necessária”
Logo em seguida, Decotelli foi demitido e o seu substituto cancelou a licitação. O link colocado por Gaspari para o site da CGU onde constava o relatório sumiu, mas o texto, a réplica do FNDE e a tréplica dos auditores podem ser lido aqui.

Em janeiro, Gaspari escreveu:

Numa atitude tão esquisita quanto a concepção do edital, passaram-se quatro meses e não se falou mais no assunto. Um governo que pretende combater a corrupção precisa perguntar quem botou aquele jabuti na árvore.(…)No caso do edital de R$ 3 bilhões, o negócio é bem outro. Até hoje não se sabe como o jabuti subiu na forquilha nem o nome do dono da árvore.

Não duvido que o velho jornalista esteja hoje aprofundando seus estudos sobre quelônios arborícolas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Sumiu o relatório?????.
    Parece corrupção, parece que é, tem tudo para ser. Deve ser.
    Que desgraça, destruíram o país.

  2. Jabuti em cima da árvore, ou foi enchente, ou foi mão de gente…
    Pelo menos é assim que diz o ditado, mas parece que tem mesmo é mão de gato nessa história.

  3. Lembram da postagem do Débil mental número 03 no Twitter: “500 Dias com Bolsonaro e sem corrupção”? A famílicia é especialista em mentiras e fake news que iludem uma legião de brasileiros ignorantes, idiotas e analfabetos.

  4. Estranho, muito estranho e exige-se uma explicação, se é que é possível. O CV do novo ministro é adequado tecnicamente para o cargo, anos luz à frente do anterior fujão, mas essa estória se não for esclarecida ficará muito ruim e a credibilidade técnica vai se perder, ou seja, teremos trocado 6 por meia dúzia. Vindo desse governo infelizmente a probabilidade é alta e a Educação que se lasque.

    1. Parece que o CV não é tão bom assim, não! Tese reprovada, segundo o reitor da universidade argentina?!? Desde quando cursar disciplinas dá título?

      Cadê a comprovação de tese defendida, mas que não consta do currículo Lattes?!?!?!?!?

  5. Diante disso, a nomeação aparenta estar mais para o Centrão do que para o Olavo. Parece mais praxis de balcão do que ideologia escatológica. Mudança definitiva de rumo?

  6. contra o que que esse desgoverno é? Aquela coisa chamada corrupcão, quando se trata de inimigo. Sei.

  7. To sentindo má vontade contra o novo ministro. Gente, pense bem: Cada aluno recebendo 118 laptops não é nada de mais! Afinal fartura é melhor do que faltar, não é? Quando a gente pensa que não tem como piorar, sempre aparece algo vergonhoso. Gostei que o sujeito é outro milico! Vamos ver quando ele começar a dar entrevistas e como vai agir contra os que pensam diferente dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *