Episódio Moro desmente o “Jairzinho Paz e Amor”

Passando na peneira, vê-se que o episódio de desmoralização de Sérgio Moro – perdoe-se o trocadilho – acontecido ontem com a “desnomeação” de uma suplente de conselheira do Ministério da Justiça  tem a mesma substância do que havia sido recém superado, o da ofensa pública ao então ministro Gustavo Bebianno.

Em ambos, não havia prejuízo algum em que Jair Bolsonaro seguisse a velha regra da política de deixar que os problemas amadureçam nas árvores para só depois derrubá-los a vara.

Como o presidente não se comunica, tuita ou babuja palavras sincopadas de teleprompter, não é possível afirmar com grande certeza, mas a impressão que dá é a de que, nos últimos tempos, tem engolido tantos desaforos que, quando aparece algum que possa vomitar em sua própria área de mando, o faz sem cerimônia, com estrépito e sem se importar com que o vejam.

Bolsonaro tinha passado uma semana infernal, tendo de se portar com urbanidade e flexibilidade por conta da reforma previdenciária. Recebeu os líderes dos partidos, gente com quem nunca teve muita identificação como parlamentar, aguentou firme as provocações de Rodrigo Maia, teve de deixar o General Mourão enquadrar o destrambelhado chanceler Ernesto Araújo…Era demais.

Aí resolveu partir para cima de Sérgio Moro, cuja ambição e servilismo já testara no decreto das armas. Com a polêmica causada pelo caso da conselheira e certo de que o ex-juiz mia e obecede, soltou-lhe o coice que o paranaense absorveu, claro que sem deixar de contar a auxiliares e jornalistas que “foi o PR que mandou”, para justificar sua pusilanimidade.

Os olhos com mandato parlamentar estão vendo tudo isso e assimilando regras e riscos de fazerem negócios com o presidente da vez.

O Josias de Souza, do UOL, sempre cita uma frase atribuída ao lendário deputado Zezinho Bonifácio, que dizia ter de tudo no Congresso, menos bobos.

E vão voltar do carnaval pedindo mais anéis e dedos do que aqueles que o presidente rapidamente resolveu dar.

Jairzinho Paz e Amor é um personagem que não cabe na alma do capitão.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Quero ver esse desgoverno na SODA.
    Principalmente esses dois SALAFRÁRIOS
    FODAM-SE TODOS ELES !

  2. Bah. Como se diz aqui no Sul, eles não erram um tiro. É um no cravo e outro na ferradura. ????????????????????????

  3. Olhos famintos aguardam, baba escorrendo entre as presas, a demissão…. Hum… Moro sem imunidade será um prazer quase sexual…

    * Qd sentir-se sozinho, abandonado, sem prestigio… Lembre-se, nós nunca te esqueceremos… Pode contar, a militância do PT vai estar sempre com vc S2

    #SomosLegiao
    #LulaLivre

  4. Afinal, Bolsobosta está reduzindo o deus caído de Maringá ao que ele realmente é: moleque de mandado.

  5. O Moro é Globo. A ex-conselheira também é Globo. Bolsonaro não queria mais infiltração global em seu desgoverno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *