Fernández anuncia mudança do Orçamento após acertar dívida argentina

“Os únicos privilegiados, agora, serão os que ficaram prisioneiros da armadilha da pobreza”, está anunciando agora o presidente da Argentina, Alberto Fernandez, num discurso sereno, mas firme, que aponta os retrocessos do país e sua intenção de “acender os motores da economia”.

Sobre a dívida, disse que “para poder pagar, é preciso primeiro crescer”. Muito aplaudido, disse que haverá “responsabilidade do que se pode prometer”, mas que assumirá todas as negociações sobre os débitos do país, mas que isso será feito sem deixar de fora os pobres: “Não pode haver argentinos de primeira e de segunda categoria”.

Anunciou um programa imediato de investimentos estatais, na recuperação de rodovias, prédios públicos, mobilidade urbana e antecipou um “emergência sanitária” para recuperar os sistemas de saúde que, segundo ele, caíram 45% nos últimos quatro anos”.

Na diplomacia, disse que vai reforçar o Mercosul. Disse, em relação ao Brasil disse que quer construir uma agenda ambiciosa, inovadora e criativa, na tecnologia, na produção e e no estratégica, que esteja fundada na irmandade histórica de nossos povos, que vá além de qualquer diferença pessoal de seus governantes”, sob aplausos de um constrangido Hamilton Mourão.

Com energia, criticou a politização da Justiça e a “complacência da mídia”. “Nunca mais uma justiça contaminada por sistemas de inteligência, nunca mais uma justiça policiada pela mídia, por procedimentos obscuros e por linchamentos midiáticos, nunca mais a uma justiça que decide e persegue segundo os ventos políticos do poder de turno” !

“Eu o digo com a firmeza de uma decisão profunda, quando digo nunca mais é nunca mais!” disse antes de anunciar uma “reforma profunda” no sistema de justiça do País.

Há mais, trarei depois.

Daqui a pouco, Fernández deixa o Congresso e vai para a festa popular que reúne milhares de pessoas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. É por essas que tenho profunda preguiça da esquerda cirandeira. De nada adiantará o discurso “alentador” e focado nos mais pobres, se o MODELO NEOLIBERAL não for abertamente discutido e combatido. Vejam a esquizofrenia: “não pode haver argentinos de primeira e segunda categoria” – ok, pauta de esquerda. Mas logo em seguida vem esta pérola: assumir as negociações de débitos no país? Quais são esses débitos? Foram causados por QUEM? De que MODO? QUEM (já sabemos!) se beneficia desses supostos débitos. Sem discutir abertamente esse modelo político e econômico – o NEOLIBERAL – o povo argentino não somente continuará na merda, como também vai se sentir enganado, de novo, quando virem que as promessas não podem ser entregues. A esquerda cirandeira precisa aprender que não é possível fazer omeletes sem quebrar os ovos, do mesmo modo que NÃO é possível extirpar a existência de argentinos de primeira e segunda e terceira e quarta… categoria no atual modelo em que vivemos. A gênese desse modelo é exatamente a manutenção da existência daqueles que são “gente” e daqueles que não “são”.

  2. Bozo esta desesperado porque sabe que tudo que acontece antes com a Argentina acontecerá depois com o Brasil. Foi assim com Menen / FHC, Kirchner / Lula, Macri / Bozo, e agora Fernandez / Lula.

  3. Parabéns Argentina!!
    Parabéns argentinos! Que amanhã sejamos nós a dar um chute nesse governo pilantra, burro e subserviente a interesses norteamericanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.