Guru dos Bolsonaro quer fascismo “orgânico”. Assista

“A coisa mais urgente do Brasil é criar uma “militância bolsonarista agora. Não é conservadora, não é liberal, não é cristã, não é pro-família. Não! Você tem de apoiar o chefe, não é apoiar a ideia.”.

O delirio nazistóide de Olavo de Carvalho no Youtube não teria importância alguma se não soubéssemos que é ele o guia político do clã presidencial brasileiro e que, portanto, o que diz traduz, no todo ou em parte, o que vai pela cabeça dos donos do poder.

Ele propõe, sem meias-palavras, que o presidente ataque a imprensa, a universidade e a “esquerdalha” e deixe de lado a pauta anticorrupção que ajudou a elegê-lo.

A guerra intestina na direita vai tomando formas cada vez mais abertas e se desenha uma tendência a buscar uma falange orgânica, capaz de fazer com que Bolsonaro tenha uma tropa de choque na rua, na qual sequer dispute prestígio com o lavajatismo.

Não parece ter futuro, mas é algo cujo perigo, em si, é evidente.

Um arremedo de nazismo que já sequer se envergonha de mostrar que o culto a Bolsonaro e sua brutalidade é sua única, digamos, ideia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

33 respostas

  1. Brito, desculpa abordar outro assunto. Gostaria de ver uma análise sua sobre a matéria de hoje na Folha junto com o Intercept sobre a delação do Leo Pinheiro. Achei esquisita e não entendi o objetivo jornalístico dentro do espírito da VazaJato. Diz que Lula pediu financiamento do BNDES para obra na Bolívia a ser feita pela OAS mas 4 anos depois a equipe técnica do BNDES não liberou – bom, Lula interferiu ou não interferiu? Nem Folha nem Intercept fazem uma investigaçãozinha sobre os assuntos. Não mencionam ter procurado o BNDES para ouvir a sua versão – explicação para o tal financiamento não ter sido feito. Daí a matéria relata o que diz Leo Pinheiro sobre palestras do Lula. Folha e Intercept estão querendo derrubar Lula às vésperas de um julgamento de Habeas Corpus?

    1. A Folha e o Intercept não procuraram o BNDES nem para saber a data de entrada do processo de financiamento da tal obra para ver se é compatível com o relato do delator. Eu, hem

      1. É o jornalismo brasileiro. Em todo caso, mesmo supondo-se que seja verdade o que fala Leo Pinheiro, onde está o crime? Pelo contrário, mostra um ex-presidente trabalhando pelo seu país inclusive fazendo jus a uma comissão, o que é totalmente diferente de propina.

    2. Desculpe me intrometer mas sabemos que não dá pra acreditar em coisa alguma dita pelo Leo Pinheiro, como aliás no resto dos delatores-parceiros da quadrilha Moro/Deltan. Ele é aquele que passou um tempão dizendo que não havia nada contra o Lula e em seguida, quando surgiu a chance real de livrar a cara na prisão, “descobriu” um monte de acusações. Não há confiabilidade e muito menos prova. De resto, o BNDES está sob o comando do amigo dos filhos do capitão, pronto para “desenterrar” qualquer documento fake que a família mafiosa julgar necessário.

      1. Eu gostaria de saber – 1) A escolha do conteúdo do material da VazaJato é dos veículos parceiros do Intercept e do timing para publicar também? Em meio a tanta informação da VazaJato pq Folha e Intercept fizeram esse “recorte” às vésperas do julgamento do HC e da progressão de pena do Lula? 2) Há outros links no Instagram para outros conteúdos de delação ou Folha+Intercept vão ficar só nessa do Leo Pinheiro? Qual terá sido o interesse jornalístico dentro do espírito da VazaJato?

        1. Muito bom.me parece que a gringaida quer somente mudar de servo.
          A tempos venho reclamando e alertando,nem compartilho mais e marquei no meu e-mail no face Twitter e VK como spam.

        2. Não tenho idéia desses detalhes editoriais. Mas acho bom deixar cada vez mais óbvia a forçada de barra da lavajato em suas delações contra o Lula. O julgamento do HC não será afetado por esse tipo de informação. Se os ministros já tiverem opinião formada sobre a parcialidade de Moro como juiz, isso em nada será alterado por novas e suspeitas delações sem provas. O argumento de fundo apresentado pela defesa de Lula continua valendo. E o STF não pode mais seguir a “onda da mídia” em busca de holofotes para suas togas, como fez durante todo o tempo antes da vazajato. Ficou insustentável essa posição, como bem lembrou ontem Gilmar Mendes.

          1. No cálculo político que norteia as decisões do STF pesa mais o fato de ser Lula o paciente, o nome na capa do processo, do que quaisquer argumentos jurídicos, por mais lógicos e verdadeiros que sejam.
            O tucanato aliado aos marinhos e às forças lavajtistas organizam uma nova hegemonia capaz de excluir o que eles denominam “os extremos” (leia-se Lula, PT e bolsonaristas).
            O evento chamado de “frente democrática”, encabeçado por Ciro Gomes e FHC, contra Bolsonaro, excluiu expressamente qualquer referência a Lula. PT e PSOL foram barrados e Flávio Dino entrou de “penetra indesejável”.
            Uma vez perpetrado o golpe que varreu o PT do governo e da disputa eleitoral, o velho consórcio que reúne PSDB, Cartel da Mídia e corporações do Estado trata de reorganizar o jogo em torno de si. O STF constitui esse núcleo de poder, como representante maior das corporações do sistema judiciário (juízes, MPF, PF e corporações estaduais). Portanto, o verdadeiro cálculo que eles fazem hoje sobre a libertação de Lula, bem como, sobre a saída de cena da dupla Moro-Dallagnol, é estritamente político. Nada a ver com justiça ou argumentos jurídicos.

          2. Creio que vc está certa, os movimentos atuais condizem com isso, inclusive do Intercept

    3. Nada do que Leo Pinheiro falou ele provou. Isso é sabido desde o início. Divulgar um vídeo onde Leo Pinheiro faz acusações não provadas a Lula não tem peso para interferir no julgamento do Habeas Corpus dele. Por outro lado, não divulgar esse vídeo ou outro onde Lula seja citado de forma que não o favoreça é que poderia ser interpretado como partidarismo político e não como jornalismo.
      Já que o Poder Judiciário não o fez, cabe aos advogados de Lula se pronunciarem e aos jornalistas investigativos apurarem a verdade. Acredito que isso deva ser feito nos próximos dias.
      E talvez isso favoreça Lula, na medida em que leve à apuração das denúncias feitas Leo Pinheiro, que nunca foram investigadas e muito menos provadas, mas mesmo assim levaram à condenação de Lula.

    4. Todo cuidado é pouco. Leandro demori, do intercept, é cirista, deve estar querendo armar alguma contra Lula.

  2. Não vai rolar. Por motivos óbvios: os fascistas do bozo são poucos . Fazem barulho mas não passam de uns 12% do eleitorado, o que se traduz no máximo em 5% da população brasileira ou, considerando os que teriam disposição pra montar as famosas gangues de “camisas negras” nas ruas não chegam a 1%. Segundo motivo: bozo não tem um pingo de fibra em seu corpinho. Ele é basicamente cocô. Faz aquela palhaçada toda indo a quartéis, fazendo flexões e discursinhos fascistas, é certo, mas duvido que tenha peito pra dar um único tiro de verdade. E os milicos, ó os milicos: querem soldo, aposentadoria e equipamento superfaturado. O resto é sombra e água fresca.

  3. Que forçação de barra para tentar recuperar o apoio dos coxinhas que estão pulando fora do barco do bozo.
    Esses coxinhas são a classe média que continua não gostando do PT, mas já percebeu que esse governo foi algo muito pior do que teria sido o retorno do PT. Duvido que caiam na conversa desse indivíduo patético, que tenta induzi-los a continuar apoiando o “chefe”, fazendo vista grossa para toda a desmoralização que esse governo acarretou para o Brasil diante do mundo. A ignorância política dos coxinhas tem limite. O que não tem limites é a babaquice dos bolsominions e o submissão da maioria dos evangélicos aos pastores.

    1. Eleitores do Bozonaro e futuros eleitores de Huck ou Doria sempre vao encontrar um jeito de criticar o PT como hoje uma senhora dizendo q Lula queria a metade do Brasil pra ele… Tem mesmo q colar essa gente ao Bozo e ponto final.

  4. “A coisa mais urgente do Brasil é criar uma “militância bolsonarista agora. Não é conservadora, não é liberal, não é cristã, não é pro-família. Não! Você tem de apoiar o chefe, não é apoiar a ideia.”. aaaaaai que vontade de ir no banheiro…me livra do Bostanaro…

    1. Esse guru idiota acha que falando essas merdas vai conseguir recuperar o apoio perdido por bolsonaro por conta das bostas que fez nesses nove meses. Os coxinhas são ignorantes políticos, mas não a esse ponto.

      1. Rs.. será que os Coxasbolsabostas não são tao ignorantes…. será… o diabinho atrás da minha orelha esta dizendo que eles são gadoooooo…

    1. Nao adianta nunca serao organicos. Todos sao trangenicos. Mistura de miliciano com traficante e mafioso.

  5. Não é de agora que ele e asseclas divulgam tais coisas, vejam: “Se nós não combatermos verdadeiramente as PESSOAS que propagam as idéias, as idéias continuarão aí. Não adianta combater APENAS AS IDÉIAS, nós temos de combater AGENTES HISTÓRICOS REAIS [pessoas] que as promovem”. ? https://youtu.be/7l348rFl7_o?t=214 Publicado em 26 de out de 2017
    Em 10/11/2017 ? Filósofa Judith Butler é agredida em Congonhas antes de deixar São Paulo
    https://epoca.globo.com/cultura/noticia/2017/11/filosofa-judith-butler-e-agredida-em-congonhas-antes-de-deixar-sao-paulo.html

  6. Engano seu, Brito. Tem consequencias sim. A sujeira dos Bolsonaro será tolerada pela turba que buscará um bem maior: o fim do mal, personificado no professor, estudante, jornalista e esquerdistas.
    Suspeito que entramos na fase II do bolsonarismo onde a repressão pode ser uma arma devastadora contra nós.

  7. O que o astrólogo terraplanista dos fetos açucarados está dizendo é, basicamente: não pense, obedeça.

  8. Cuidado Bolsonaro, o verdadeiro Führer está na Virgínia!
    A lógica da ascensão dos governos fascistas de raiz, o italiano e o alemão, sempre foi de montar milícias paramilitares e quando os governos democráticos da época estavam fracos, mesmo com minoria parlamentar e com menos de 1/3 do apoio da população assumiam o poder através de um estratagema parlamentar (legal) tomavam o poder para rapidamente colocar na ilegalidade todos os movimentos políticos que não fossem os vinculados ao poder dos partidos fascista e nazista na ilegalidade.
    Em todas as análises políticas da situação nos últimos quatro anos, sempre ressaltei que este tipo de tomada do poder passaria obrigatoriamente pela constituição de milícias e que estas que permitiriam a chegada do poder de um regime de dominação integral, como o fascismo italiano e o nazismo alemão. No caso brasileiro fica claro que o que chamamos de milícias são grupos criminosos que podem ter importância local, mas devido a origem dos mesmos não há um comando central e disciplinado, logo é impróprio para dar golpes pois não contam com o apoio da elite do poder que tem seus próprios esquemas de jagunços ou mesmo apoio de tropas militares ou de polícias militares.
    Esta atipicidade da situação brasileira impede não só a formação progressiva de um estado classicamente totalitário de partido único, como falha em outros pontos quanto ao líder escolhido.
    Muitos intelectuais de várias famílias, desde a esquerda até mesmo a direita, passam a vida a repetir que os governos fascistas são absurdos democráticos que contrariam o liberalismo econômico pregado pelos partidos que abertamente professam esta fé. Tanto Mussolini e principalmente Hitler são tratados como monstros que simplesmente não são enquadrados como humanos e muito menos as capacidades intelectuais dos mesmos foi e ainda é subestimada, porém numa análise clara e não com viés moral da história se verifica que Mussolini foi um forte ideólogo do movimento fascista internacional que sabia escrever, discursar para as massas e inebria-las com seus discursos, obtendo durante um período da história do fascismo italiano apoio de amplos setores da população. Da mesma forma Hitler com sua obra única, Mein Kampf, conseguiu atrair para o nazismo boa parte da população alemã manejando habilmente conceitos como o anticomunismo, a supremacia da “raça ariana”, o ódio as minorias como judeus, ciganos e outras, que muitos estavam presentes no pensamento alemão da época. Ou seja, não dar os créditos de uma habilidade intelectual e retórica totalmente falaciosa aos escritos e discursos destes dois líderes é simplesmente tapar o sol com a peneira. Se compararmos Bolsonaro tanto com Hitler como principalmente Mussolini ele é um verdadeiro anão intelectual, ou seja, uma figura caricatural tanto do Führer como do Duce.
    Agora voltando ao caso brasileiro, a atual conclamação do Guru da família Bolsonaro, a criação de um organização miliciana para apoiar incondicionalmente o atual ocupante da cadeira da presidência, após que este está já no poder, pode parecer completamente anacrônica, pois como se viu nos casos tradicionais Italiano e Alemão, depois do Duce e do Führer assumirem o poder, estas milícias tiveram que ser controladas (a italiana, menos organizada) ou simplesmente executadas a sua cúpula e controlada a base (a alemã, que tinha uma organização militar perfeita) para garantir o apoio necessário das forças armadas e das elites econômicas italianas e alemães.
    Então a formação fora de tempo de milícias bolsonarianas parece um verdadeiro contrassenso, pois criarão problemas com a base de apoio tradicional da direita, inclusive do exército. Porém se fizermos um pequeno giro lógico na história e compreendermos que o Führer verdadeiro não é aquele que ocupa a cadeira de presidente, mas sim outro, por exemplo o astrólogo da Virgínia, é possível criar um cenário imaginário de uma utilidade destas atuais milícias bolsonarianas para o verdadeiro golpe daquele que mais pensa no poder.
    Vamos imaginar o seguinte cenário, através de uma operação de falsa bandeira faz-se um atentado exitoso contra o ocupante da cadeira da presidência e quem irá aparecer num traumático funeral de um presidente, provavelmente os filhos do presidente e acompanhando o seu féretro aquele que monta todo o esquema ideológico do atual presidente. Com o impacto mediático deste atentado que seria atribuído a esquerda se abriria condições para que as milícias bolsonarianas, agora sob o comando direto do guru do grupo, seriam fechados os partidos de esquerda e qualquer coisa que estivesse em oposição ao governo e numa situação de comoção pública exigir-se-ia novas eleições sem nenhuma oposição.
    Feito isto, um dos filhos do falecido presidente, aquele que fosse mais fiel ao Guru, poderia ser eleito e colocando este último como uma espécie de primeiro ministro. Neste momento as milícias bolsonarianas teriam o mesmo destino dos camisas negras ou pardas e se fecharia o ciclo na direção de um estado totalitário de partido único, e eliminar-se-ia o que mais impede a radicalização à extrema direita do atual governo, a própria presença de um falso líder inábil como o próprio Jair Bolsonaro.

  9. O Boilavo percebe que seus súditos estão adoentados, tomados por febre terçã incontrolável que os faz abrirem contendas infantis entre eles. O que fazer se a própria doutrina do Boilavo é infantil e belicosa? Resta o consolo de verificarem sua temperatura febril com aqueles termômetros anais grandes…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.