Inflação pode ir perto de 6% ainda em março

Os dados da Fundação Getúlio Vargas, apontando uma alta de 1,03% no Índice de Preços ao Consumidor Semanal, comparando a variação dos preços apurados há um mês, mostram que estamos entrando num terreno perigoso que os economistas chamam de estagflação: economia parada e preços em alta.

Estamos no primeiro mês de um trimestre (março-abril-maio) em que, se a inflação fosse zero, o acumulado anual subiria 0,6%, porque, no ano passado, o início da pandemia derrubou os preços, pela falta de demanda.

Mas a inflação não será zero, ao contrário.

As projeções – que, em geral, são otimistas – do mercado aberto estão hoje em um IPCA de 0,88% para março. Só isso nos levaria para perto de 6% em 12 meses acumulados.

A “esperança”, um paradoxo gritante em dias como estes, é que a semiparalisia da economia, pelo recrudescimento da Covid, segure o consumo e amenize a alta de preços e a consequente alta da inflação.

Também hoje a FGV dá elementos para verificar que, de fato, há uma retração forte na disposição ( e nas condições) da população. O Índice de Confiança do Consumidor que, em relação à situação atual do país, desabara,. Diz a FGV que “a percepção dos consumidores em relação à situação econômica geral diminuiu 3,7 pontos em março, para 70,3 pontos, menor valor da série histórica iniciada em setembro de 2005. Seguindo a mesma tendência, o indicador que mede a satisfação sobre as finanças pessoais caiu 7,0 pontos, para 58,5 pontos, o menor nível desde abril de 2016 (56,8)”.

É por risso que Jair Bolsonaro não deixará para trás a sua feroz polêmica contra governadores e prefeitos que estão tomando medidas protetivas.

Ele precisa de “culpados” pelo desastre econômico, mal que não tem cloroquina que dê jeito.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.