Irã: contestação interna pode levar a nova escalada de tensões

Várias manifestações de oposição ao regime iraniano aconteceram hoje em Teerã e em algumas outras cidades do Irã.

Não era imenso o número de manifestantes (veja a foto) , mas o tom era o mais radical possível, inclusive rasgando retratos e faixas com a imagem do general Qassemn Suleimani, morto por um ataque americano e reverenciado por uma multidão impressionante nos seus funerais, no início da semana.

O embaixador inglês Robert Macaire foi detido por cerca de uma hora, enquanto estava junto a manifestantes na Universidade Amir Kabir.

Contestação interna pode levar o Irã a reagir – ou patrocinar reações – externamente.

O objetivo estratégico do Irã é a sobrevivência do regime e patrocinar reações internas que o possam ameaçar é a pior ação que os EUA podem tomar.

Se o desastre com o avião alvejado por engano teve o poder de refrear qualquer ação dos iranianos, agitação interna é um convite a transferir o olhar para o exterior.

Donald Trump não perdeu um instante e já deu apoio aos manifestantes no Twitter: “o governo do Irã deve permitir que grupos de direitos humanos monitorem e denunciem fatos do terreno sobre os protestos em andamento do povo iraniano. Não pode haver outro massacre de manifestantes pacíficos, nem um desligamento da Internet. O mundo está assistindo.”

Não foi preciso nem que o governo iraniano dissesse que seus opositores estão aliados aos EUA. O próprio Trump o fez.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

    1. E digo mais: os “analistas” da globo falaram que o governo do Irã era uma ditadura! Então há oposição e ela faz protestos públicos!
      Quem “se informa” pela globo vive num mundo paralelo…

  1. Uma busca na casa dos manifestantes e apreendendo objetos q sejam proibidos porem tolerados no Iran e o suficiente p deter essa gente.

    1. Já um tio meu (já falecido) dizia, pós golpe de 64, que tinha a fórmula certeira de desbaratar nossas manifestações contra a ditadura: “é só soltar uma orquestra de frevo no meio do movimento”, dizia.

  2. Que grupos de “direitos humanos”? Aqueles que colocam os interesses do império acima dos interesses dos humanos?

  3. O filme é velho e repetido. Os EUA estão por trás de todas essas manifestações e não vão deixar de apoiá-las. Mas o Irã não é o Brasil, e lá para aquelas bandas a coisa mudou. Depois da derrota do golpe na Síria, onde o governo esteve a milímetros de cair e não caiu, o jogo começou a virar. Os americanos não vão levar mais no grito, nem no tiro.
    Também acho que a tragédia do avião ucraniano não vai dar muito pano para mangas. Já ocorreu em vários lugares e com vários países. Foi algo inadmissível, mas a guerra infelizmente só traz coisas inadmissíveis.

    1. Aqui um membro da polícia federal utilizava imagem de Dilma para suas práticas de tiro. Realmente, o PT é muito “republicano”.

      1. Roberto isso é fato , infelizmente o poder se exerce com força e o PT nao soube fazer isso. Acreditando na Democracia Brasileira e no respeito as instuições , deu no que deu , vamor ver se quando a esquerda assumir de novo o governo se nao comete o mesmo erro.

  4. Que grupos de “direitos humanos”? Aqueles que colocam os interesses do império acima dos interesses dos humanos?

    1. Ha tempos q poderiam ter sido criados grupos de protesto caricatos levando as ruas pautas como desemprego em massa p baratear os custos
      Levar ao maximo pautas descabeçadas p mostrar o ridiculo dessas ideias a curto medio e longo prazos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *