Lula: o capital quer que Bolsonaro destrua os direitos sociais

Em entrevista a Mino Carta e Sérgio Lírio, há um trecho que, infelizmente, não constou integralmente das transcrições publicadas pela Carta Capital.

Recomendo que se ouça, no vídeo publicado no Youtube, a partir dos 18 minutos, em que Lula, ao falar dos interesses em jogo hoje no Brasil toca no ponto em que, afinal, o governo Bolsonaro tem sido bem sucedido: o de desmontar todas os direitos sociais que o Brasil – mal ou bem, lentamente e de forma precária, é verdade – deu no sentido de transformar-se numa nação desenvolvida”.

Este projeto, o da destruição, é o cerne do mecanismo de opressão que tudo o que se faz, da economia até a segurança pública, no Brasil de hoje.

Deixe separada a entrevista para assistir com tempo, no final de semana, é muito boa. Mas estes três minutos são essenciais para que a gente não deixe de ver as águas profundas em que estão por baixo da pantomima bolsonariana.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Uma dica: a entrevista dura perto de duas horas, mas pode perfeitamente ser vista por inteiro em uma hora – sem perda alguma – em velocidade 2 no Youtube. Para tanto, basta clicar no icone de ‘Detalhes’ (a roda dentada) na parte de baixo e à direita do vídeo, clicar em ‘Velocidade de reprodução’ e selecionar ‘2’. De uma forma geral, pelo ritmo usual da fala dos brasileiros, a velocidade dupla pode ser usada em praticamente todos os vídeos dos sites e blogs progressistas em português, o que é uma grande vantagem para os que assistem.

  2. O Guedes disse o que disse do sobre a mulher do Macron para tentar agradar o Bolsonaro um pouquinho, depois que foi assumido publicamente pelo mercado como muito mais poderoso que o “mito”. Bolsonaro percebeu que o projeto de destruição bolado pelos carcarás do sistema financeiro vai cavar sua própria ruína. Quando todas as funções vitais do país estiverem paralisadas, para que o Guedes saia pelas ruas recolhendo seu butim e vendendo tudo aos estrangeiros por preço vil, então o povo vai querer jogar o Bolsonaro no primeiro incinerador que encontrarem. Ele será o supervilão execrado para todo o sempre

    E ele começa a entender isso. Tentou agora mesmo testar a possibilidade de sair da sinuca sufocante da lei do teto de gastos, para dar um mínimo de alento à máquina pública. Bolsonaro mostrou um inesperado e não previsto desejo de governar, e imediatamente os abutres que se juntam nas árvores em volta à espera do falecimento do país caíram em cima dele, como se ele estivesse pondo em perigo o grande plano de destruição que se comprometeu a cumprir.

    A partir do recuo que foi então obrigado a fazer, o Bolsonaro vai entender perfeitamente que o Guedes é muito mais poderoso que ele, porque está diretamente sintonizado com os grandes abutres. Mas se o Bolsonaro puder raciocinar, vai encontrar uma boa saída para salvar sua pele. E esta saída seria chamar dois ou três assessores de economia leais a ele, como se faz nos EUA. Se não puder fazê-lo oficialmente, poderia fazê-lo informalmente. Tais assessores, além de virem a desbastar o poder do Guedes, afinal encontrariam uma saída técnica-jurídica para explodir o teto dos gastos, com a ajuda e o aplauso da maioria do Congresso. Bolsonaro poderia fazer um mínimo de benefício ao país, afastando-se do afundamento completo do Titanic.

    1. Impressão minha ou voce está com peninha do bozo??
      Dando “dicas” para o bozo se sair bem na fita??
      O que voce pretende?? Ou é um bolsominion disfarçado??
      Eu quero que eles se matem, TODOS!

      1. Não estou com peninha do bozo. Estou tentando pensar politicamente, e apenas vejo, na surpreendente tentativa dele de acabar com o teto dos gastos, uma brecha que pode resultar numa séria rachadura do bloco governista, com a possibilidade, mesmo que remota, do bozo entrar por um desvio e se afastar do caminho que foi traçado pelo capital para que ele percorresse. Não seria a primeira vez que tal coisa aconteceria. Na ditadura, também os militares em certo momento deixaram a trilha da destruição nacional “aconselhada” pelos americanos e entraram por um atalho desenvolvimentista e de defesa da soberania.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *