Menos R$ 8 no salário mínimo: começamos a nos libertar do socialismo!

As contas estavam feitas no Orçamento  e, por uma destas artes estatísticas que só acontecem no papel e não nas prateleiras dos mercados, a inflação ficou “um tiquinho” abaixo do previsto, ainda mais porque o IBGE não deve andar comprando tomates, como no tempo da Dilma, porque o preço está de Ana Maria Braga fazer deles colar, outra vez.

Então, por conta disso, o governo Jair Bolsonaro pegou com firmeza a batata quente que Temer evitou fazer nos dias finais do governo e cortou R$ 8 do valor de R$ 1006 previsto para o salário mínimo.

R$ 998 é o que o felizardo vai receber agora que estamos nos libertando do socialismo.

Parece bobagem, mas é só mesquinharia e crueldade.

Dois quilos a menos de feijão, uns três ou quase quatro de arroz, comprando na promoção, uns 800 gramas de músculo para a sopa das crianças, se o preço dos legumes deixar que se faça sopa.

Nada, não é?

Muito, esclarece o Valor: R$ 2,4 bilhões a menos no déficit público, para sobrar dinheiro para demonstrações de austeridade como a de ontem, dia no qual só se viu menos carros novos – antigo, só o Rolls Royce – do que nos pátios das montadoras e num aparato de segurança jamais visto nunca antes na história deste país.

Ah, sim, mas o decreto deve ter sido assinado com uma caneta Bic, como os atos de posse.

No atacado, dá para comprar dez unidades, o que é tinta que não se acaba para escrever uma história de iniquidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. de 8 e 10, aos poucos eles vão achatando o SM de novo

    se for avaliar todos os descontos de Temer e agora do Traste, já faz uma grande diferença

    1. Fato.

      Que nem no tempo da ditadura, em que o poder de compra do salário mínimo desabou ao longo de uns quinze anos.

      1. pois é

        é aquela situação do sapo que dentro de uma panela, não percebe que está esquentando por ser aos poucos, e acaba cozido

  2. Lembrando….que atacam a previdência, rebaixam o salário mínimo, ao mesmo tempo que perdoam dívidas e impostos de empresas que podem pagar, e aumentam os privilégios de castas as quais sabemos quem são…. Parabéns PATOS.

  3. Vai continuar o trabalho de Temer. E a mídia está adorando junto com o mercado. E os jornalistas, agora, irão conhecer a verdade de seus patrões. Quem quiser continuar com o emprego terá se enquadrar.

  4. Os empresários adoraram. Tão imbecis e ignorantes que não entendem que menos dinheiro na economia é um tiro no próprio pé, já que vendem menos produto e menos serviços.
    Mais probabilidade de irem à falência…

    1. Henry Ford (que não era comunista ) dizia que não dava para comprar automóveis com salários de bicicletas. Baixos salários e empregos precários são sinônimos de demanda anêmica.Não compram bens industrializados de maior valor agregado.Sem demanda suficiente o país se desindustrializa, pois sem mercado interno a indústria nacional vai ter que disputar compradores com os tubarões chineses, americanos e europeus……E países que se desindustrializaram, se transformaram em reles colônias agrícolas (geralmente exportadoras de produtos primários e gente miserável). Ironicamente, nesses casos, a primeira classe social a desaparecer é a classe média (tragada pela pobreza e pela falta de oportunidades).

  5. A ideologia e as metas do bolsonarismo estão aos poucos se revelando.

    Quando o Chefão diz que vai acabar com o socialismo no Brasil, ninguém se iluda, achando que isso não faz sentido. É cada vez mais claro que o novo regime pretende acabar com o ensino público, com a saúde pública e com tudo o mais que seja público, inclusive o direito à justiça, porque tudo isso configura o demônio do socialismo que sua ideologia pretende lançar na fogueira. Para começar, eles pretendem acabar com o ensino universitário gratuito:

    O Superministro dos Assuntos Econômicos já disse em público que concordava com o pensamento de seu Chefão, de que “filho de pobre não deve ter acesso ao ensino universitário, porque não tem dinheiro para pagá-lo”. Então, está claro que será extinto o ensino universitário gratuito.

    Este mesmo pensamento poderá ser facilmente estendido à saúde pública e a tudo o mais que seja público. Se pobre não tem dinheiro, não pode ter acesso a nada.

    Esta ideologia não reconhece o direito à naturalidade. Não existem pobres brasileiros, não se pode ajudar os brasileiros a deixarem de ser pobres, porque pobreza é, para este regime e para o capitalismo global, uma categoria universal sem direito a Pátria. A Pátria é um patrimônio das elites.

    O ensino secundário se resumirá ao treinamento de bons operários para o sistema produtivo, operários sem qualquer educação
    política que os possa habilitar a fazer greves, por exemplo. E bons soldados, que também não podem sequer pensar em política. A Religião Bolsonariana ajudará muito na conformação de todos, sem qualquer traço de revolta. E não haverá ensino secundário para todos, mas apenas para a quantidade de vagas de trabalho. O resto, quem não pôde ser selecionado e estudar no Secundário dos Pobres, que se junte aos danados do lumpen-proletariado, esta sub-classe que incha e desincha, mas nunca desaparece.

    O ensino público básico, que dizem que será priorizado, resumir-se-á à preparação dos pobres para a obediência absoluta, e à seleção de alguns filhos dos pobres para o treinamento como futuros serviçais da elite e alta classe média, como bons marceneiros, bons encanadores, boas cozinheiras, boas babás e boas arrumadeiras, todos sabendo qual é seu papel social e nunca tentando ter igualdade de direitos com as classes superiores. Só para ter uma ideia do que nos espera, a Coreia do Sul, que foi um país muito subdesenvolvido até os anos 70, entrou para o primeiro mundo desenvolvido justamente por ter apostado todas as suas fichas no ensino público e gratuito de alta qualidade, em todos os níveis.

    Quem não tiver a sorte de ser selecionado, desde muito cedo ficará ao “Deus dará” para tentar sobreviver sozinho e desarmado ao
    descarte cruel da indiferença humana.

    Tudo isso se parece muitíssimo com o Brasil da Velha República, não há ninguém no mundo que possa negar isso.

  6. Que jornalistas e blogueiros tenham saúde e coragem para não se dar um minuto de “paz” a esse desgoverno.

  7. Você está enganado, Brito: os R$ 2,4 bilhões retirados do salário mínimo são a contribuição de uns 30 milhões de brasileiros pobres para o “pequeno reajuste” de 17 porcento nos “miseráveis” salários do judiciário. Só um bozo mesmo para explicar isso…

  8. Eu sempre dizia que o namoro dos idiotas com Bolsolixo iria durar uns seis meses , agora acho que não chega no carnaval.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.