“Mercado” abre espaço para Maia endurecer com Bolsonaro

O mercado financeiro recebeu de forma reticente o conjunto de atos pró-bolsonaro, ontem.

Nenhuma alteração substancial de humor está sendo registrada.

E o humor, como atesta uma pesquisa da XP divulgada hoje, é bem ruim.

A aprovação do desempenho do governo Jair Bolsonaro caiu para índices teméricos de aprovação: 14%. Enquanto isso, a avaliação de que o governo é  ruim ou péssimo no seu desempenho econômico subiram a 43%, quando era de meros 3% quando foi apresentada a proposta de reforma da previdência.

A mobilização bolsonarista que se anunciava não inverteu as expectativas dos bancos de que a economia seguirá ladeira abaixo: pela 13ª vez consecutiva – agora para 1,23% – rebaixaram as expectativas de crescimento do PIB, lentamente se aproximando do que todos esperam, de fato – algo entre 0 e 1%.

Ao que parece, o mercado “precificou” a continuidade da crise e dos impasses entre Jair Bolsonaro e o Congresso.

O que significa, provavelmente, que Rodrigo Maia tem espaço para reagir ao atropelamento.

É o caminho que lhe resta. O insuspeito Reinaldo Azevedo, hoje, pergunta em seu blog:

“(…)se, hoje, precisando desesperadamente do Congresso, Bolsonaro o trata aos chutes, por que passaria a tratá-lo com mais urbanidade depois? Se Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara e principal aliado pró-reformas, está sendo há dias demonizados pelos organizadores do protesto que o presidente convocou e incentivou, por que o tratamento mudaria quando o mandatário se sentisse menos dependente do Congresso? Se Bolsonaro, precisando muito do Congresso e do Supremo, canta, depois de realizado, as glórias de um protesto que malhou abertamente o tribunal, o presidente da Câmara e até o vice-presidente da República, o que há de fazer quando a reforma for aprovada?

O tempo – e não a oposição à PEC da reforma, que o colocaria como “herege” – é a arma possível para Maia.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. Todos sabiam o que representava o ” lider ” do novo governo , o mercado tinha essas informações e um pleito , a reforma da previdência , A incapacidade de negociar poe falta de líderes e eexperiência que a extrema direita nunca teve está fazendo a migração para quem também tem a mesma pauta ,.Rodrigo Maia . É a bola da vez da oposição e da extrema direita , vai parecer insano , vão trabalhar juntos para Maia não sair de herói .

  2. E Temer, quem diria, é um sortudo. Vai rapidamente perdendo o lugar de pior presidente do Brasil.

  3. Eu quero ver o circo do achacador de funcionários e miliciano Bozo e do corrupto Botafogo Maia pegar fogo ????????????

  4. Tá dominado, tá tudo dominado. É dessa forma que devemos fazer uma análise realística dos fatos, a começar pelo desmonte da previdência social e degola dos direitos dos cidadãos trabalhadores, que já foi negociada nas duas casas parlamentares. Além de cocorocas e cocorocas saudosos da ditadura militar-empresarial ou daqueles que têm laços familiares e privilégios que a turma dos coturnos e fardas já garantiu para si, o que se viu nas ruas ontem foram bandos de INCLAMES analfabetos políticos, cheios de ódio, que se pensam e se acham “elite”, mas nada mais são do que serviçais do 1%, da turma da bufunfa, das finanças, do latifúndio e que detém a maior parte das propriedades em Pindorama.

    Quem financiou a contratação de guindastes, com gruas de dezenas de metros, ou serviços gráficos profissionais para confeccionar e distribuir esse material em vários estados. Não estivessem os que têm o dever legal de investigar essas contratações alinhadíssimos com a horda de nazifascistas que foram as ruas ontem, em poucas horas se descobririam quem são os financiadores e quais instituições colaboraram para que as matilhas e maltas desfilassem com artefatos verde-amarelos em algumas cidades e estados brasileiros.

  5. Resumo da ópera…o mercado quer a reforma da previdência , que na prática é o retorno da escravidão mais abjeta.

    Maia não a dará enquanto o bozo ocupar o Planalto.

    Então….

  6. Para o Mercado é absolutamente indiferente agora quem vai carregar sua “agenda” de “reformas” no Congresso: se Botafogo, o Pimpão, ou se o Napoleão de hospício. Dá exatamente igual para “eles”. Posso dizer que ficaram até satisfeito com a manifestação a favor. “Eles” preferiram “ler” a manifestação de ontem com mais a favor das “reformas” do que a favor de Bolsonaro. Mentem sem se constrager, mas não têm outra opção, como outros golpistas são escravos das mentiras que espalham e posso garantir que em muitos casos é mais auto-engano do que mentira propriamente dita. Diferente dos Imprensa que simplesmente não sabe o Mercado simplesmente não sabe que não sabe. Mas acho que começam a perceber que as certezas que carregavam não passavam de desejos e de opiniões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *