Minions chamam de ‘princeso’ Orleans e Bragança pretenente ao ‘trono de S. Paulo’

Está certo que a gente fale que o Brasil vem retrocedendo.

Mas a reportagem de “O Globo” que trata da “resistência” do bolsonarismo em aceitar o evidente acerto entre o “chefe” e Paulo Skaf, presidente da Fiesp, para que ele seja o candidato oficial da direita à Prefeitura de São Paulo, publicada em O Globo, não deixa de provocar risos.

Numa reunião com seu grupo de extrema-direita, a deputada Carla Zambelli puxou o coro de aclamação a Luiz Philippe de Orleans e Bragança, que se intitula “príncipe”, é descendente da família imperial destronada há 130 anos e que agora mesmo atreveu-se a dar lições de teologia ao Papa.

O relato é do jornal:

Orleans e Bragança foi ovacionado com um coro de “Princeso! Princeso!”, uma referência à sua ascendência monarquista. Ele é descendente dos imperadores do Brasil Pedro I e Pedro II e conhecido como “príncipe”.

Depois das fotos de supostas “orgias” que teriam feito Jair Bolsonaro desistir de sua indicação como vice – o relato também não é meu, mas do ex-braço direito do “mito, Gustavo Bebianno – acho que não rola.

O minions inventaram um apelido devastador. Nem o Datena seria capaz dessa…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Ah, pra Sumpaulo tá muito bom.
    Com a escória que habita a seara, escória que elegeria e reelegeria o PSDB todo ano caso possível, não se poderia esperar mais.
    Esse parasita aí estaria de bom tamanho.

  2. É incrível como uma pessoa do mais alto nível intelectual como Dom Pedro II, um humanista esclarecido como poucos de seu tempo, aliado do povo e amante fervoroso de seu país, amigo pessoal de Victor Hugo e alguns outros grandes pensadores europeus, um homem que passou toda a sua vida a lutar contra os retrógrados barões escravagistas de São Paulo, um homem que em sua viagem aos Estados Unidos causou tanta admiração que teve até candidatura lançada para a presidência de lá, como é que um homem como ele teve a má sorte de ser contemplado com tantos descendentes que resvalam entre a rasa mediocridade e a mais estúpida e reacionária idiotia… É realmente incrível.

  3. Me lembra muito “O Rato que Ruge”, um filme comédia da década passado. Príncipe de que? O Brasil nunca foi de fato um império, sempre foi um arranjo conveniente para Portugal e sua matriz, a Inglaterra, encravado na américa do sul. Cara mais ridículo !

  4. Dizem os espertos que o cara náo é nobre coisa alguma, porque o pai dele “amasiou” com uma plebéia e do amor nasceu essa pérola que agora estamos polindo. De fato é um “princeso”.

  5. Quando assisto uma comédia italiana, com aquelas figuras patéticas da “nobreza italiana”, e olha que são da linhagem dos Césares, vejo que somos a caricatura do caricato, quando damos espaço para essa figura triste cuja única “qualificação” é ser “herdeiro”, como se o DNA transmitisse moral e honra, dos bragnança. O pouco de orgulho que os Pedros, I e II, nos deram, não bastam para serem dilapidados por estes chupins sociais. Não tem mais fundo nessa conta de ridículos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.