MP fica sem chão no julgamento do Caso Coaf

Não é prudente prognosticar resultado de julgamento, ainda mais quando nem o voto do relator foi concluído.

Mas é possível perceber que o Ministério Público terá, como se dizia antigamente, “suas asinhas cortadas”.

O Procurador Geral Augusto Aras, a tentar figurar que o MP tinha uma postura meramente reativa aos Relatórios de Inteligência Financeira produzidos pelo Coaf (agora UIF), ficou perdido quando Dias Toffoli citou os números recebidos oficialmente pelos despachos polêmicos que deu, que se tentou apresentar como uma “quebra-monstro” de sigilo bancário extra-processual.

Aras disse que o MP não fazia requisições ao Coaf.

Toffoli mostrou que fazia e estas eram a maioria dos relatórios, tanto do MPF quanto dos promotores estaduais, perto de 3.500 no total, o mesmo número dos que foram elaborados a pedido da polícia.

Aras, de novo numa saída “cabo-de-esquadra” apelou para diferenças: não eram requisições, eram requerimentos, diferença semântica que não esconde o fato de que tudo o que era pedido, vinha.

Parece que a posição assumida por Toffoli de que são compartilháveis – e por iniciativa dos órgãos fiscais – valores globais de patrimônio, movimentação financeira e renda.

E o que é, de fato, é todo o detalhamento da vida financeira de quem MP e polícia querem devassar.

Mais que isso, como deve ser, só com ordem judicial que autorize a quebra do sigilo bancário.

Lateralmente, apareceu outro abuso: o fato de que andaram sendo feitos acordos de desistência de ação penal a partir de autuações fiscais da Receita. Como a lei já determina a extinção de ações penais de natureza fiscal pelo pagamento da dívida integral, acordo é para “fazer mais barato” o pagamento e o “estamos quites” do imposto que deveria ter sido pago e não o foi.

Depois de vários problemas, passou-se a exigir, para isso, homologação judicial, mas sem regras. Descobrimos que, além da delação premiada, temos a sonegação premiada.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. JÁ QUE ESTAMOS FALANDO EM SONEGAÇÃO,(ROUBO DO DINHEIRO PÚBLICO) EM QUE FICOU A —-OPERAÇÃO ZELOTES—- ???
    Lembrando ,sonegação e compra de sentenças condenatórias no CARF de poderosos entre eles varios bancos e empresas.
    Sendo uma delas a RBS/globosta do sul que posa de arauto da moralidade ,e a massa reacionária fascista e nazista do sul ,acredita !!

    1. aqui o que prevalece é o arbítrio. É evidente que qualquer cidadão ou empresa poderia ser investigado de acordo com os interesses POLÍTICOS dos procuradores. Ou seja, não se investiga porque houvesse indícios de ilegalidades, mas sim para chantagear e “neutralizar” quem lhes aprouvesse, quem os desagradasse, a eles se opusesse ou tivesse se atravessado no seu caminho. o MP virou um monstro totalitário.

    2. Estamos em uma situação delicada, fingindo que estamos em uma democracia para que o desmantelo não aumente. Se o STF conseguir que voltemos pelo menos à situação institucional do tempo do Sarney, já seria enorme ajuda ao país. Pelo menos lá tínhamos o Jô Soares para impedir que o presidente assinasse o pacotão.

    3. Estamos em uma situação delicada, fingindo que estamos em uma democracia para que o desmantelo não aumente. Se o STF conseguir que voltemos pelo menos à situação institucional do tempo do Sarney, já seria enorme ajuda ao país. Pelo menos lá tínhamos o Jô Soares para impedir que o presidente assinasse o pacotão.

  2. Esperamos que estas instituições sejam contidas. Isto é o tal sistema de freios e contrapesos.Que caracteriza a democracia.

  3. Estes jovens que habitam os Ministério Público Federal e estaduais, talvez pela razão de serem ” bem criados ” com todo fausto, uma vez detentores de poder se tornaram déspotas. Os concursos públicos, da forma que são elaborados atualmente, tendem a colocar gente despreparada psicologicamente em cargos que exigem a mais absoluta isonomia.

  4. JÁ QUE ESTAMOS FALANDO EM SONEGAÇÃO,(ROUBO DO DINHEIRO PÚBLICO) EM QUE FICOU A —-OPERAÇÃO ZELOTES—- ???
    Lembrando ,sonegação e compra de sentenças condenatórias no CARF de poderosos entre eles varios bancos e empresas.
    Sendo uma delas a RBS/globosta do sul que posa de arauto da moralidade ,e a massa reacionária fascista e nazista do sul ,acredita !!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *