Mundo mostra que não tem saída rápida. Há morte rápida

Londres, onde desde a semana passada já se aplica a vacina contra o Coronavírus, vai entrar no nível 4 de bloqueio, proibindo reuniões de Natal fora da casa de moradia.

Todas as atenções se voltam para a expansão de uma nova cepa de coronavírus, alegadamente 70% mais transmissível que a “original”

Na Itália, todo o país será classificado como “zona vermelha” – o maior nível de restrições – entre a véspera de Natal, e 27 de dezembro e novamente entre 31 de dezembro e 3 de janeiro e 5-6 de janeiro.

Na Alemanha e na França, estão em lockdown e os franceses ainda têm um toque de recolher a partir de 20 horas.

Aqui, porém, as autoridades continuam, em geral, omissas, e não existe mais nada, senão o bom-senso individual que nos proteja de novos picos de contaminação como os registrados esta semana, os maiores de toda a pandemia.

Enchem a boca para falar que o “primeiro mundo” é o bom, mas na hora de copiar o que está sendo feito por lá para salvar vidas, proclamam-se os campeões da liberdade.

São os campeões da burrice, da insensibilidade, do dinheiro acima de tudo.

É, é isso, o dinheiro é o seu Deus e a sua obra é a morte.

Contaminam hoje os que vão morrer em janeiro, quando acharemos poucas as mil mortes por dia hoje.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *