Não vamos nadar para morrer na praia

Com um mergulho e algumas braçadas, para reunir-se com alienados e negacionistas que se espremiam na areia e no mar de Praia Grande (SP), começou a terceira temporada a série “Como destruir uma Nação”, estrelada por Jair Bolsonaro, coadjuvado por um grande elenco de nulidades de paletó e de farda, com a produção da mídia e de gente que ama o dinheiro acima de tudo, inclusiva da humanidade e de seu próprio país.

O Estadão, um de seus agora envergonhados pais – quem não se lembra que o aceitou como “uma escolha difícil” contra Fernando Haddad? – hoje se dedica a contar as horas – 17,5 mil ,diz – que falta para que nos livremos desta desgraça na chefia de um país no qual não se pode, absolutamente, falar em comando.

Mão é a única “Madalena” do pedaço. Hoje mesmo, Merval Pereira, o que achava que “as instituições” iam domar Jair Bolsonaro, revive o sonho udenista de que um candidato “punhos de renda” da nova UDN – Doria ou Sergio Moro, ou vice-versa e juntos e misturados – possa fazer frente ao ex-capitão e que uma candidatura Lula em 2022, que teria evitado, é do interesse de Bolsonaro, que se beneficiaria do antipetismo.

Há, também, as “madalenas” ditas de esquerda. Ciro, o ególatra, que resolveu a “escolha difícil” com um bilhete aéreo para Paris e Tarso Genro, que pede a João Doria para liderar uma frente antibolsonaro, de forma deprimente, como se faltassem a este país alternativas que não um dândi que represente a gente “de modos” contra um desclassificado, embora faça essencialmente o mesmo.

Usam como argumento o “populismo” de Bolsonaro, esquecidos que Doria fantasiava-se com roupas de gari, embora, como mostrou em suas férias em Miami, goste mesmo é de um cashmère.

Não têm ideia do que será o confronto que se dará ano que vem.

Não será daqueles em que baste vencer nas urnas.

Será que não viram o que se passou nos EUA com a derrota de Donald Trump e sua recusa em admiti-la? Acham que as Forças Armadas brasileiras, com sua história de intervencionismo, comportar-se-á como as norte-americanas, virgens em matéria de intervenção sobre o poder civil?

A retirada de Jair Bolsonaro do governo é um processo político-eleitoral, mas não só.

Envolve sinalizações claras no Judiciário, no Legislativo e nas Forças Armadas de que o resultado eleitoral será respeitado.

E exige um resultado eleitoral que não se alcançará se não houver uma candidatura de forte apelo e base popular, com um significado ancorado na memória e na realidade.

Porque isso Bolsonaro já o fez e, embora minoritárias, suas tropas egoístas e primitivas estão por toda parte, até mesmo nas águas da Praia Grande.

Falta aos ditos “liberais ” da direita brasileira o entendimento de que não há mais candidatura viável ou governante viável no Brasil sem a participação popular, apenas pelo “senso comum” da classe média.

Quem disse que quer enfrentar Jair Bolsonaro sem isso, trabalha por sua continuidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *