Nem Fachin, o do ódio a Lula, acompanha Barroso

Nem Luiz Edson Fachin, o mais feroz dos ministros do STF, o homem que mandou manter Lula na cadeia, teve a ousadia de acompanhar Luiz Roberto Barroso na decisão de tratar a ONU como um bando de moleques sem valor.

Diz que Lula é inelegível, mas que o Brasil não pode deixar de cumprir a decisão da ONU que determina que ele deve ter sua candidatura aceita para disputar as eleições.

Fachin ainda aceita, ao contrário de Barroso, que seu ódio a Lula seja limitado pelas leis, inclusive, as internacionais.

Ao contrário de Barroso, ainda lhe resta um pouco de pudor jurídico.

O voto de Fachin não lhe mostra grandeza, mas é capaz de assinalar a pequenez de Barroso.

Mas vai além: é sinal que o Supremo tribunal Federal tende a deixar no ar a decisão que o TSE venha a consumar hoje para negar o registro de Lula.

Surgiu uma trinca no PSL.

Não o do Bolsonaro, mas o “partido dos sem Lula”.

Dos votos que restam, apena um tem peso: o de rosa Weber, porque é outra indicação do que pode acontecer no STF.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. E que raio de desvario tomou a juíza-carcereira, para que ela pespegue uma multa de duzentos bilhões de dólares ao Lula? Acho que ela estava sonhando, pegou o notebook e entrou pesadelo adentro. Estes judicimídias são mais loucos que um percevejo.

  2. EMINENTE JURISTA E DEPUTADO FEDERAL WADIH DAMOUS: VOTO DE BARROSO É REVESTIDO DE CINISMO

    “Barroso mostra o que sempre foi: um frouxo de nariz empinado. Um fascistinha enrustido. Um voto destituído de fundamentação jurídica válida é revestido de cinismo. Atendeu a pedidos de um ator pornô e de um pivete fascista”, disse o deputado e ex-presidente da OAB-RJ, Wadih Damous

    31 DE AGOSTO DE 2018

    (…)

    FONTE: https://www.brasil247.com/pt/247/rio247/367311/Damous-voto-de-Barroso-%C3%A9-revestido-de-cinismo.htm

    1. … E diz-se que, há pouco tempo, este entulho autoritário e cagão esteve à beira da morte, vítima de uma doença gravíssima!

  3. EMINENTE JURISTA E DEPUTADO FEDERAL WADIH DAMOUS: VOTO DE BARROSO É REVESTIDO DE CINISMO

    “Barroso mostra o que sempre foi: um frouxo de nariz empinado. Um fascistinha enrustido. Um voto destituído de fundamentação jurídica válida é revestido de cinismo. Atendeu a pedidos de um ator pornô e de um pivete fascista”, disse o deputado e ex-presidente da OAB-RJ, Wadih Damous

    31 DE AGOSTO DE 2018

    (…)

    FONTE: https://www.brasil247.com/pt/247/rio247/367311/Damous-voto-de-Barroso-%C3%A9-revestido-de-cinismo.htm

  4. EMINENTE JURISTA E DEPUTADO FEDERAL WADIH DAMOUS: VOTO DE BARROSO É REVESTIDO DE CINISMO

    “Barroso mostra o que sempre foi: um frouxo de nariz empinado. Um fascistinha enrustido. Um voto destituído de fundamentação jurídica válida é revestido de cinismo. Atendeu a pedidos de um ator pornô e de um pivete fascista”, disse o deputado e ex-presidente da OAB-RJ, Wadih Damous

    31 DE AGOSTO DE 2018

    (…)

    FONTE: https://www.brasil247.com/pt/247/rio247/367311/Damous-voto-de-Barroso-%C3%A9-revestido-de-cinismo.htm

  5. É a velha e manjada história do “tira mau” e do “tira bom”. Ou vice-versa, não faz diferença. Todo mundo sabe que a decisão do TSE já está tomada – qual deles 7 leu as 200 páginas que a defesa do Lula apresentou à meia-noite de ontem? Pega menos mal uma dissidência aqui, outra ali, mas a corja fascista está coesa em bloco. Vamos para o STF. Para desgastar mais, até fazer sangrar, essa verdadeira fratura exposta que é o judiciário miliardário brasileiro. Isso sim, é luta de classes.

  6. “Voto de Fachin foi aula sobre tratados”, diz pós-doutor em Direito pela Universidade de Lisboa

    31 agosto, 2018

    Do Twitter do professor Valerio Mazzuoli, professor associado da UFMT, pós-doutor pela Universidade de Lisboa, doutor em Direito pela UFRGS, mestre pela Unesp e sócio da Mazzuoli & DePieri Advocacia:
    Não vou entrar no mérito do tema do dia (registro da candidatura de Lula). Apenas vou dizer aos estudantes de direito internacional uma coisa: o voto do Min. Fachin foi uma aula PERFEITA de direito dos tratados! Ponto. Sem mais.
    Não sou petista nem comunista, nunca fui. Todos sabem disso. Mas uma coisa sou: honesto intelectualmente! Defendo há 20 anos a aplicabilidade imediata do direito internacional dos direitos humanos na ordem interna. Infelizmente às vezes falta honestidade intelectual no Brasil.

    FONTE: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/voto-de-fachin-foi-aula-sobre-tratados-diz-pos-doutor-em-direito-pela-universidade-de-lisboa/

    1. O problema foi a intenção ao proferir o voto. Foi um voto correto, mas com o vício da má intenção. Os tribunais superiores se tornaram casas de politicagem, um verdadeiro baixo meretrício. Sei que corro o risco de ofender o baixo meretrício, mas foi a única comparação que me ocorreu.

  7. A “Justiça”, “com Supremo com tudo”, foi sempre o instrumento do Golpe, portanto, esperar alguma coisa dessa “Justiça” é uma ilusão totalmente vã. A judicialização da política e a partidarização da justiça foi a única forma encontrada pelos golpistas para “chegar ao poder”. A outra foi a política de “terra devastada” que conduziu o país a maior estagnação econômica da sua história.
    Insisto um golpe de estado contra uma democracia não pode conduzir a um regime político que não seja o contrário da democracia. Em que pese todas as fraudes, todas as farsas, todas as manobras e todos os golpes, as eleições é a última chance que temos para nos contrapor a esse movimento que representa uma verdadeira contra-revolução, regressiva em todos os seus aspectos.

  8. A “Justiça”, “com Supremo com tudo”, foi sempre o instrumento do Golpe, portanto, esperar alguma coisa dessa “Justiça” é uma ilusão totalmente vã. A judicialização da política e a partidarização da justiça foi a única forma encontrada pelos golpistas para “chegar ao poder”. A outra foi a política de “terra devastada” que conduziu o país a maior estagnação econômica da sua história.
    Insisto um golpe de estado contra uma democracia não pode conduzir a um regime político que não seja o contrário da democracia. Em que pese todas as fraudes, todas as farsas, todas as manobras e todos os golpes, as eleições é a última chance que temos para nos contrapor a esse movimento que representa uma verdadeira contra-revolução, regressiva em todos os seus aspectos.

  9. “Luiz Edson Fachin, o mais feroz dos ministros do STF, o homem que mandou manter Lula na cadeia, teve a ousadia de acompanhar Luiz Roberto Barroso na decisão de tratar a ONU como um bando de moleques sem valor.”
    Acho que tá faltando um “Nem” ali.

    1. Isso é jogo de cena. Pensam que um 6 x 1 possa enganar a opinião pública mundial de que não há perseguição judicial.
      Este voto de Fachin equivale aos brioches de Maria Antonieta.
      A bastilha/brasilia vai cair, antes que imaginam.

  10. O PT tem que trocar de candidatos até 17/09. Mas se não fizer isso pode ter os votos do Lula julgados e considerados nulos (caso se considere inelegível). Assim, iria o segundo e terceiro colocado para o segundo turno. Aí seria torcer para o Ciro ser o terceiro colocado (mesmo sem o tempo do PSB). O PT tem que ficar esperto… que pode ser outro golpe.

    1. Fachin sabia que a maioria cassaria o registro de lula…assim ele foi apenas esperto porque ficar contra a ONU é complicado e ele tem vídeo defendendo os acordos…como faria palestras fora do país acho que isso pesou…

  11. … A cada novo “lance” na vida política desse Brasil, a gente fica simplesmente sem palavras para definir tudo isso, um verdadeiro “balaio de gatos” (ainda é pouco) na realidade brasileira…

  12. Francamente TIJOLAÇO…. isso é cena, o Fachin votou para ingles ver. ele é o relator da lava jato que condenou Lula… só votou contra a impugnação para fazer CENAAAAA aaaaaaaaa lá fora fica como se o relator da LJ fosse coerente ACORDAAAA TIJOLAÇO

  13. Não foi só aceitar a força do acordo internacional sobre a situação de Lula no “nosso” judiciário. E, ao fim e ao cabo, uma posição favorável a manutenção da sua candidatura, ou chapa, ou campanha. Foi a consistência, simplicidade e clareza com que destruiu o argumento de Barrosinho desprezando o acordo. Um ponto muito fora da curva das suas atuações. Mas ontem entendi (acho que vi) o tal Facchin que falavam tanto, brilhante nas argumentações, na lógica e no fundamento dos seus votos – altivos (ontem não foi “o verme”, que entristeceu tanto seu amigo) porque contra majoritários, principalmente no contexto da sessão de ontem. Mas este Facchin ainda não chegou no STF. Nem sei se vai voltar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.