“Nem no Fux nós não trust mais”, não é Deltan?

O vento, definitivamente, dá sinais de ter virado no STF.

Luiz in Fux we trust, um dos ministros prediletos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal deu hoje uma “fraquejada” e cassou a liminar que proibia Deltan Dalagnoll de ser julgado no Conselho Nacional do Ministério Público, informa o Estadão.

É que a transgressão do missionário curitibano que está em jogo não viola o direito dos mortais, mais aos deuses do STF que, ao que parece, resolveram recolocar ordem na bagunça, ao menos no que tange a eles próprios.

Deltan estava sendo processado administrativamente por ter dito, numa entrevista à Rádio CBN, que o Supremo estaria passando uma mensagem de “uma mensagem de leniência à corrução.”

Quando a ação foi suspensa, o julgamento estava em pleno curso e estava claro que Deltan receberia, ao menos, uma pena de advertência e, no máximo, uma de suspensão.

Como a coisa está tensa com seus pares, irritados pelos constantes e ousados ataques que estão sofrendo, Fux achou melhor não “matar no peito” e cassou a liminar, que deve fazer com que o julgamento de Deltan ocorra até o final do mês ou, no máximo, no início de dezembro.

E que os outros processos que está respondendo, sucessivamente adiados, já não o encontrem como “primário”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. O Luís Peruca está “jogando pra torcida”. Já não tá dando pra segurar todas as mazelas da Lava Bosta !

  2. O Luís Peruca está “jogando pra torcida”. Já não tá dando pra segurar todas as mazelas da Lava Bosta !

  3. Deltan era tão confiado na proteção de Fux, Fachin e Barroso, que atacava com a maior tranquilidade a própria instituição do Supremo Tribunal, ao qual pertencem estes doutos ministros, confiante em que seu ataque passaria em branco. É o cúmulo do atrevimento.

  4. Esta história de passar da prisão em segunda instância para a prisão em terceira instância, como estaria a querer o Toffoli, parece aqueles desenhos animados onde o sujeito cai no abismo e se agarra no arbusto da segunda instância. O arbusto quebra, ele cai mais um pouco, e se agarra em outro arbusto da terceira instância, que começa a estalar também. O sujeito é a Lavajato. A Constituição não fala em validade de prisão em terceira instância, o que coloca esta no mesmo patamar inconstitucional da segunda instância.

  5. Devemos isso ao Intercept. A Glenn Greenwald, mais precisamente. Dessacralizou os “santos” da Lava Jato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.