O colapso não pode ser anunciado, e aplauso não basta para evitar

Quem disse que não está com medo – “não é uma gripezinha que vai me derrubar” – é mentiroso ou irresponsável.

Medo, que não se confunde com covardia, é o que nos leva a sobreviver e a que sobrevivam os que estão em volta de nós, desde a casa até o mundo.

O comando desta batalha é dos profissionais de saúde pública e dos que têm preparo para isso.

Já está claro que vamos enfrentar uma longa e grave batalha.

E mais que claro que não temos um comando central capaz de fazer frente a ela.

O ministro da Saúde, aparentemente bem intencionado, cometeu ontem um erro grave: o de dizer que ao final e abril o sistema de saúde entrará em colapso.

Não serve a ninguém essa afirmação, a não ser para criar pânico e apreensão na sociedade.

Acaba por ser uma capitulação precoce, muito antes de que o cenário seja o de multidões infectadas.

Nosso sistema de saúde tem uma, já precária, capacidade de atender X. Agora, virá o Y. Não basta preocupar-se em reduzir o Y, mas de situar no tempo e nos espaços adequados o X que já existe, para aliviar o sistema.

Onde será o colapso? Na triagem, na testagem, nos diagnósticos? Nas internações de acompanhamento de casos mais graves? No atendimento de último grau, com UTI e suporte respiratório?

Para cada um destes pontos, há ações possíveis para evitar ou retardar este colapso.

O primeiro deles é o contrário do que disse ontem o Presidente da República: precisamos, sim, parar tudo o que não seja essencial e determinando medidas que preservem os empregos de quem parar.

As autoridades públicas é que devem organizar a autorização do que é de funcionamento essencial para que não ser quebre totalmente a cadeia de suprimentos.

Cada pessoa obrigada a circular sem necessidade não apenas corre o risco de adoecer mas o de se transformar em um vetor.

Todas as atividades não essenciais devem ser interrompidas e isso exige coragem para enfrentar incompreensões.

Todos os locais de concentração de pessoas devem ser fechados, e isso inclui os locais de culto de quaisquer religiões. Escritórios que concentrem pessoas precisam parar.

Contratação e treinamento de pessoal médico têm de começar ontem, porque esquemas e voluntariado são úteis e edificantes, mas só funcionam subsidiariamente e são inconfiáveis e precários, porque não e pode distribuí-los compulsoriamente.

O comando dos hospitais privados precisa seguir, compulsoriamente, as determinações do poder público.

Vou publicar, a seguir, um texto em que o amigo médico José do Valle, que trabalhou pela criação do SUS desde seus primórdios sugere medidas para enfrentar o que não ode ser visto de forma fatalista, a do “vai colapsar, talquei?”

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. “é mentiroso ou irresponsável.”
    Só tem essas opções, nem a famosa “nenhuma das acima”.
    Eu não sou irresponsável e não tenho medo, venha o que vier, faz parte da vida, tanto como não tenho medo de ser atropelado ao atravessar uma avenida. Pode acontecer, apesar de meus cuidados, mas e daí? vou viver com medo?

    1. Mas ficar internado com a boca cheia de mosca ainda não passou por você, que deve ser um ser desprezível.

    2. Acontece que, se você for atropelado, o problema é só seu. Já desrespeitar os cuidados para não ser um vetor de uma doença contagiosa é a mesma coisa que você dirigir um onibus lotado quanto está bêbado.

  2. Não adianta, não tem o que fazer… o gado vai pegar o corona, pq não tem caráter e está hipnotizado pelo seu “Fuhrer” . Quem tiver juízo vai se isolar até a coisa baixar. Com um pouco de sorte, em alguns meses descobrem um tratamento. O realista sabe que é mais pro ano que vêm que isso vai acontecer, mas no segundo semestre o tempo a estrutura médica tende a melhorar (pela experiência, pelo menos, ainda que não pelo número de casos). O pessimista diz, com sua razão, que nunca haverá tratamento e que o jeito é todo mundo pegar e criar sua imunidade. O certo é o seguinte: muitos minions MORRERÃO. Os que não morrerem, vão sofrer perdas familiares por causa do BOZO. BEM FEITO. Pena que não morrerão todos. Por mim, se alguém quiser, nos juntamos depois que isso passar e criamos o COMANDO DE CAÇA AO FASCISMO. Eles ameaçaram minha família. fazem isso a décadas. Tá na hora de eliminar essa gente! para sempre

  3. As cepas do corona que mataram no Brasil são chinesas, italianas ou estadunidenses? Fiocruz com a palavra.

  4. Chegou a hora de pessoas como o Bozó e o Caidão de Goiás admitirem que erraram quando criaram dificuldades pela permanência dos mais Médicos incluindo o Cubanos etc e etc. Todos dois foram críticos severos contra os Cubanos. Chegou a hora de pedirem de joelhos : Pelo amor de Deus: Retornem!!
    Quem sabe, se pedirem , implorarem de joelhos, possa surtir algum efeito, mas duvido.

  5. Não será facil enfrentar uma situação de calamidade Pública, tendo à frente uma autoridade, embora com mandato, mas ESQUIZOFRÊNCIA. Uma autoridade que o mínimo ja deveria estar INTERDITADA!

    É, esqueci o nome do Procurador Geral da Republica. Qual é, o nome dele mesmo?

  6. Meu caro Fernando, o ministro da saúde, ao dizer que ao final de abril o sistema de saúde entrará em colapso, está muito longe de “aparentemente bem intencionado”, como você diz, mas em “sintonia plena” com o bandido-presidente, ao pedir pareceres do governo-organização-criminosa sobre “estado de sítio”: um aponta o “caos”, outro a “solução”.

    Esta é a “solução deles” para, aproveitando a pandemia, implantar uma nova ditadura e faturar em cima disso. O próprio Mandetta, que já está faturando, ao dar presente de milhões do dinheiro público da saúde, aos seus financiadores de campanha, sem licitação, deve estar sonhando alto – para nosso pesadelo – sobre quanto não faturaria numa ditadura de milicianos e militares delinquentes.

    1. O que me espanta é a forma cretina do Bozinho e o Ministro do Interior numa hora destas que mais precisamos de parceiro, medicamentos e insumos, atacarem a China! Este Bozinho tem que ser cassado rapidamente e este Ministro das Relações exteriores ser demitido de pronto. Mas, esperar isto do Inhonho e da mula do Bozó é perca de tempo. Então o certo mesmo é fechar Congresso, Senado Judiciário junto o Executivo e Eleger um governo nacionalista assumir.

    2. Perfeito seu comentário e a medida provisória anunciada pelo Jair( o verme) vão neste sentido, o caos. Ao permitir a empresários literalmente dar o calote em seus funcionários, ele encontra uma forma de propagar mais ainda o caos e com ele, o estado de sítio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.