O mínimo que Lula merece é ser deixado em paz

Todo o escandaloso noticiário sobre a saída do ex-presidente Lula para assistir o enterro de seu neto Arthur é só uma prova da morbidez da elite brasileira.

É evidente que se trata de uma cerimônia da família onde, se alguma coisa houver, não terá partido de uma ação organizada ou muito menos comandada por Lula.

Mas eles tremem de medo só em pensar que Lula possa ser visto outra vez. Ou que fale a alguém, amigos ou repórteres.

Desta vez, ainda bem, não repetiram a indignidade ocorrida na morte do irmão mais velho de Lula, quando só houve autorização depois do enterro e, ainda, não para ir ao cemitério, mas para que o corpo fosse trazido até ele, num quartel.

Lula estaria podendo viver em paz pelo menos este momento de dor, mas a elite  e os bolsões fascistas só pensam nele, consumidos pela culpa por esta injustiça.

O filho de um presidente da República ir às redes vociferar contra o direito de um avô chorar o neto morto é das coisas mais abjetas que já vi, mas se explica pelo fato de que, se o ministro da Justiça de Bolsonaro não tivesse condenado Lula, o pai-capitão não seria presidente.

Neste momento, Lula precisa de paz. Qualquer outra coisa é desumana, e há já desumanidade demais no Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

28 respostas

  1. tudo que eu quero saber hoje
    é que Lula já está com sua familia
    aí eu vou poder chorar em paz,
    estou despedaçada

    o que esses malditos escreveram nas redes é coisa assustadora
    são psicopatas pervertidos

    1. O que eles escrevem nas redes não muda muita coisa, o que realmente mudaria é se não tivessem deixado um mentecapto desses virar parlamentar.

      1. verdade meu amigo
        mas eles foram eleitos por outros psicopatas piores ainda
        e eu não sei o que vamos fazer com essa gente que festeja a morte de uma criança tendo em seus perfis palavras citando deus, familia e sei lá mais o que

          1. esses vermes conseguem depertar o que há de mais desumano e primitivo na gente – estamos aprendendo odiar pra valer

          2. Eu já sou um caso perdido, cara Rita.
            Não consigo ser como o Lula.

    2. Essa raça apodrecida ama o ódio que sentem e por mais que isso nos cause repulsa é algo que não existe tratamento.
      Infelizmente essa é a nossa realidade. Nao enxergávamos estas pessoas até então porque não existia alguém que as representasse, que evidênciasse esse desvio de caráter.
      #nojo

  2. Não repetiram a barbaridade porque pegou mal além da conta quando fizeram da primeira vez até entre pessoas de raiva moderada.

    Doença é pouco para descrever o que se passa com essas pessoas. E não deixa de ser um paradoxo que o desprezo-medo faça tantas manchetes e tanto barulho.

    A imprensa não soube respeitar Lula e autorizou com isso o coro dos imbecis que ecoa hoje. São cúmplices desta coisa nojenta que se instalou em corações apodrecidos.

  3. O desrespeito pelo luto alheio, pela perda do outro, pelos mortos é sinal que parte de nossa sociedade está muito doente.

  4. Pelo que entendi, o genérico (01? 02? Sei lá!) do Boçal Nato estaria indignado porque Lula teria tido o “privilégio” de sair da prisão para posar de “coitadinho”, enquanto um preso comum dificilmente teria acesso a isso.

    Ora, então que o boçalzinho não nivele por baixo, mas pelo contrário, aja para que os direitos dos presos seja realmente universalizado.

    Por outro lado, se o que ele quer mesmo é dureza, o “bandido bom é bandido morto”, então está legitimando que ele mesmo, um parlamentarzinho de bosta, seja alvejado por qualquer cidadão “de bem” que julgá-lo sumariamente como um bandido (e garanto que não devem ser poucos).

    Em tempo, quem se fez de “coitadinho” foi o pai desse sujeito, que usou o atentado como álibi para fugir de debates – embora tivesse disposição para sustentar uma pesada taça de campeão do Palmeiras.

    1. o filhote de bozo não é ser uma. é uma besta fera treinada pra ficar de pé e falar sandices.

  5. Brito sobre o Eduardo Bolsonaro. O cara que nasce de uma família onde o pai pega um filho de 17 anos e emancipa para ele disputar uma eleição contra a própria mãe só poderia resultar nisso. Um ser horrendo, disforme, atroz. Uma pessoa muito ruim e desumana.

  6. Pelas declarações dos filhos, percebe-se que o mal é hereditário. São doentes e precisam de manicômio urgente.

  7. A sucessão de coisas abjetas neste país já passou de todos os limites do suportável.
    Só a fraqueza de espírito de um povo massacrado por séculos a fio pode explicar o fato de estar inerte diante de tantas violações e ultrajes.

  8. O Lula não deveria aceitar viajar em avião do governo do Paraná. Viajar de avião, a estas alturas, com toda espécie de cachorro louco vagando pelo Brasil, pela América do Sul e pelo mundo, é coisa que requer muito cuidado. Avião, só o da Polícia Federal, que passa por revisão certamente impecável.

  9. As razões que levam o Judiciário, o Ministério Público Federal e o Ministério da Justiça a permitir a Lula comparecer ao enterro de seu neto, após reiteradamente negarem-lhe o direito moral de se despedir de um amigo querido e legal de seu irmão, é simples. Não reside no respeito aos direitos do ser humano ou do apenado Lula. Sequer reside em algum resquício de respeito e consideração ao personagem público, ao político e ao estadista ou mesmo em qualquer sinal de civilidade por seus algozes. Sim, algozes, doentios, maus na mais pura essência do mal.
    O mote da mudança de atitude é óbvio, até a ignomínia reconhece limites.

  10. Não poderá ser filmado ou fotografado. É como se tivesse sob morte civil decretada de ofício pelo poder judiciário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.