O “Plano Nacional de Esculhambação”

A “corrida maluca” da vacinação contra a Covid-19, depois que o governo federal saiu de seu longo período de “para que a angústia?” prossegue com lances dignos de uma mórbida comédia pastelão.

O pedidos de licença emergencial, tanto da Coronavac/Butantan quando da Astrazêneca/Fiocruz poderiam ter sido apresentado bem antes e não o foram porque as duas instituições científicas se meteram em um jogo de gato e rato.

No melhor estilo espetaculoso, a Anvisa vai transformar o que deveria ser uma reunião técnica num espetáculo televisionado, pestes para animar a torcida: “vai, Oxford; Cuidado, Sinovac, não descuida da defesa, etc” com todos se movimentando para conseguir o “gol” e se cuidando para não receber “cartão amarelo” (adiamento) ou “vermelho” (recusa de registro).

Enquanto isso, a “torcida bolsonarista” e a antibolsonarista agitam suas bandeiras nas arquibancadas das redes sociais…

Os dois “cartolas” – Eduardo Pazuello e João Doria – correm atrás da bola: o paulista tem a vantagem de ter oito milhões delas em seu depósito, mas o general manda um avião a jato buscar correndo a pelota indiana, para ver quem chuta primeiro quando o juiz apitar.

Ah, sim, mas as bolas do depósito paulista agora são do outro time. Então, além do apito inicial poder ser dado só para um lado, o time federal pode dizer que as bolas Coronavac são suas e não podem ser tocadas.

Francamente, quem pensasse num espetáculo deprimente não conseguiria chegar a imaginar o absurdo que estamos vivendo.

Só tem mesmo paralelo com um jogo de moleques.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *