O terrorismo ajuda a afundar o PIB, diz economista

Recomendo a leitura do artigo do professor Rogério Furquim Werneck da Economia da PUC do Rio de Janeiro, uma escola de nítido viés neoliberal. Nele, sob ótica econômica, chama-se a atenção sobre os danos que estão sendo causados ao país – que vão além da ruína institucional – pela tática de produzir um ‘terrorismo’ para viabilizar a reforma da Previdência.

Afinal, é a única tecla que tocam governo e equipe econômica em matéria de planos para o país, tecla devidamente ecoada por um jornalismo econômico especializado em jamais ir além da aritmética.

Diz Werneck:

Levará algum tempo até que se possa entender com clareza por que o círculo virtuoso de recuperação da economia, antevisto no início do ano, se mostrou tão decepcionante. Mas, entre as possíveis explicações, não poderá deixar de constar o efeito deletério da atemorização exagerada do país a que o governo recorreu, para viabilizar a reforma da Previdência. Não tendo conseguido produzir uma narrativa crível de aprovação da reforma, o governo tentou compensar essa falha com uma atemorização desmesurada, que teve impacto devastador sobre decisões de investimento.

O economista afirma que “ao brandir a iminência do caos, ajudaram a atrofiar ainda mais o que restava do já raquítico crescimento da economia” e se espanta com a “a gritante incapacidade do governo de mobilizar o vasto apoio parlamentar de centro direita com que poderia contar”, até porque jamais, nas últimas décadas, houve um Congresso tão conservador e insensível socialmente quanto este.

Mas não é uma surpresa, é uma fatalidade. O governo que se instituiu pelo ódio e pela negação, só pelo ódio e pela negação sabe se sustentar. Não é um acesso de fúria, é um método de firmar-se pela intimidação.

Cpomo dizem os próprios economistas, o fenômeno observado por Werneck, está “em linha” com o que registrei no post anterior, sobre a entrevista de Bolsonaro à Veja: não há nenhum plano para o país senão o de submetê-lo à chantagem do medo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Nao me conformo terem sido eleitos esse traste com esse congresso, é burrice que faka, né ?

  2. Investimentos públicos congelados e atrofiados pela política pró cíclica de um ultraneoliberalismo ideológico e burro. Investimentos privados assustados pela dificuldade de reverter a ruptura institucional iniciada com o impeachment irregular de Dilma Rousseff e aprofundada pela gangue de delinquentes que assaltou o poder via eleições de 2018. Sem falar da insegurança jurídica que veio como decorrência do colapso institucional. Como poderia haver qualquer ímpeto real de crescimento econômico? Fico espantada com o espanto de analistas e economistas. Esperavam o quê? a salvação via gênio Paulo Guedes, que nunca conseguiu administrar sequer sua própria escola?

    1. É a típica transferência de responsabilidade por meio da crítica permanente do outro. O outro é sempre o vilão, o responsável pelos seus problemas. Quem é mesmo que se utiliza do artifício da vitimização?!

      1. Meu caro, o último ano que pode ser chamado de petista é o de 2015. DOIS MIL E QUINZE. Estamos em DOIS MIL E DEZENOVE.

        ACORDA, GADO!

      2. O asno forjou até um atentado a faca.
        Utilizar o “artifício da vitimização” é a tática bozo.
        Os pobres coitados são vítimas do “comunismo” e do “marxismo cultural” que não os deixa governar.
        Será que estes asnos sabem o que é governar?

    2. Cabeças-de-planilha não são capazes de desconfiar que a falta de um plano é exatamente o plano dos verdadeiros donos do golpe.
      A falhar a tática terrorista de cenários catastróficos com a não aprovação da reforma, sobra a total destruição do país; este sim o real objetivo, que: 1) tira do jogo um parceiro potencialmente perigoso de China e Rússia; 2) afugenta investimentos pela insegurança de um governo de patetas milicianos; 3) fere de morte os fortes competidores da engenharia de infra-estrutura e petroleira; 4) mantém uma população ignorante, amedrontada e fragilizada através dos cortes na Educação, Segurança e Saúde.
      Em resumo, tudo o que pode parecer incompetência nessa república das tochas é, ao contrário, total competência na destruição explícita de uma nação. Aliás, isso foi dito com todas as letras pelo próprio bozo: “não vamos construir, vamos desconstruir”. Como bom idiota que é, provavelmente deixou escapar instruções que deveriam ser sigilosas.
      É por isso que continua presa a única pessoa que poderia ameaçar esse processo infame.
      Soltem o Lula, seus canalhas e devolvam meu país.

  3. Não existe nada no horizonte econômico, exceto arrancar o couro dos mais pobres para que se tenha um colchão confortável para rolar a enorme dívida interna.

  4. Botam a culpa de tudo na reforma da previdência. Se não vier, o país morre. Se disser isso em voz alta, o país morre. Se ficar calado, o país morre. O país está afundando e morrendo não por culpa de reforma alguma, mas por culpa da agenda de destruição do olavismo/lavajato que está em pleno vigor, e só um bobo enganado estaria esperando no início do ano que o crescimento fosse retomado. Ingenuidade, a desses economistas. Isso prova que a grande maioria dos economistas não tem condições de dar pitaco, porque só pode enxergar uma árvore, e jamais o bosque inteiro. .

  5. “Levará algum tempo até … entender … por que o círculo virtuoso de recuperação da economia, … se mostrou tão decepcionante.”

    Humm, difícil entender, mesmo.
    Será que que é “só” porque “esqueceram” de incluir nessa equação do milagre da retomada o fator chamado “mercado consumidor”?

    Se engenheiros fossem formados na mesma academia que esses economistas, eles projetariam pontes e edifícios achando que podem desprezar a força do vento e da gravidade. E depois que a coisa desabasse, iam falar: “Ué, não sei o que deu errado.”

    1. Ótimo! Havia notado esse “por que o círculo virtuoso de recuperação da economia, … se mostrou tão decepcionante…” Que economista fuleiro é esse que acreditou na cantinela ultraneoliberal, mesclado com nazismo (a que venho chamando de nazineoliberalismo), num país tremendamente desigual! Cortam o pouco da renda dos que consomem por aqui, e querem o quê?? Recuperação da economia?
      Achavam que os gringos viriam em massa investir no Brasil por terem o Guedes e o Bozo como garantia??? meu Deus!!
      Que economista de merda esse, viu?
      Se fossem engenheiros, além de desprezar a força do vento e da gravidade, cortariam todas as colunas, ferragens e demais materiais de sustentação (poupariam 1 trilhão!) da “construção” e então perguntariam “ué, por que deu errado??”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.