Os “conselhos” do mercado a Ciro Gomes

cirolula

Em vários textos, em pleno domingo, o Valor Econômico tenta “pescar” a reação dos bookmakers, digo, dos operadores do mercado financeiro, à pesquisa Datafolha.

O que aparece, nas opiniões recolhidas, é interessante.

Como era de se esperar, claro, todos os ouvidos têm horror a Lula, embora todos tenham vivido e lucrado sob seu governo.

Mas todos se mostram “aliviados” com o fato de Ciro Gomes não ter crescido significativamente.

Um deles diz que “Ciro não capturar votos de Lula é positivo ao mercado“. Outros dizem o mesmo de maneira menos direta.

Ciro, fica claro, não é “confiável”. “Confiável”, só Alckmin.

Marina Silva e Jair Bolsonaro, percebe-se, não são vistos como hostis, mas incapazes, o que, convenhamos, não está longe da realidade. “Servem”, porém, em último caso.

A reação, porém, deveria servir como um aviso para o próprio Ciro.

Sozinho, “não vai”.

Muitas vezes, na campanha de 1989, discuti com Leonel Brizola sobre o apoio que ele esperava dos que chamava de “conservadores lúcidos”. Eram aqueles que, em tese, se assustavam com o radicalismo verbal de Fernando Collor, com a inviabilidade eleitoral de Ullysses Guimarães e Aureliano Chaves e, claro, com o próprio Lula.

Brizola, no fundo, acreditava que o já então minguante segmento da “burguesia nacional”, sobretudo no setor industrial, poderia apostar no seu desenvolvimentismo e  – como Lula experimentaria mais tarde – na pretensão de ampliar o mercado interno com a elevação dos padrões de renda dos trabalhadores.

Seria, pensavam eles, a atitude racional de um país que tem 200 milhões de habitantes, uma escala que poucas nações podem ostentar.

Ele, tal como Lula, equivocava-se ao subestimar que eles se mantém na ideia da exclusão, contentando-se com um país onde um terço consome mas, em compensação, dois terços de miseráveis lhes garantem o lucro financeiro no mercado de capitais.

Talvez falte a Ciro Gomes esta compreensão, a de que a transformação política do Brasil não se dará senão pela mobilização monolítica do povo brasileiro que, claro, começa pelo sentimento que este país tem uma maioria de excluídos que é a única força capaz de sustentar um governo diferente e que possa fazer alianças a partir de uma posição de força, não da vaga ideia de um republicanismo que, vê-se hoje, é apropriado pelas elites, para afastar o povo.

Da meritocracia à “eficiência da gestão”, vendem a ideia de que o que nos atrapalha são os pobres.

Mesmo os que rejeitam esta ideia ficam presos a um legalismo que não existe, a uma “constitucionalidade” que há muito não é respeitada e de um respeito a um Judiciário que, há muito, não respeita a lei, mas exerce a vontade do império. Sem contar, claro, um “tribalismo identitário”, esquecidos de que “tribo” é o nível mais arcaico de organização das coletividades humanas.

Ciro tem e terá dificuldades em crescer à direita, está claro.

A ver se Ciro quer crescer com Lula, que não lhe exigiu submissão, mas o reconhecimento de seu papel de líder.

Ou se quer ser um solitário aspirante  a salvador da pátria, coisa que nem mesmo Lula, muito maior que ele na política, aventurou-se a ser, desde que descobriu que não era um homem, mas uma ideia.

Por vezes, a reação de nossos adversários é o melhor indicador do que devemos fazer.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

  1. O narciso frente ao espelho. O ansioso frente à decisão. Ciro candidato frente a si próprio. Nenhum dos três olha a sua volta em busca de opções, caminhos alternativos que garantam a chegada ao destino.
    A única pessoa que não tem alternativas é Lula, pois as que tinha lhe foram tiradas.

  2. Ciro não tem cacife para o q almeja. Se tivesse teria sido sério e ético em relação ao Lula. Se assim tivesse sido hoje seria sem dúvida uma boa opção para Lula e para o país. Infelizmente, ou felizmente, Ciro acabou se boicotando sozinho num vai e vem, diz e não diz, é e não é; sem contar ter xingado Lula de merda, acusado Lula de pensar ser Deus… e, eu passo. Ciro em vez de se tornar uma solução tornou-se um estorvo para Lula e para o Brasil. Espero q o Universo conspire junto ao Lula e o povo brasileiro para q o Brasil consiga se levantar dessa queda profunda. #LulaLivre #LIBERDADEparaLULA ????????????

    1. Vocês são engraçados. O Lula bota o Michel de vice da Dilma, vem o golpe, vocês ficam repetindo “é gólpi!!!”, aí o Lula vai confraternizar com os golpistas e o Ciro é quem está errado em criticar o Lula.

      Isso é fazer o povo brasileiro de palhaço e parece que o nariz serviu direitinho em vários petistas.

    2. Pior do que Ciro, centenas de vezes pior, são os seus defensores. Sim, esses míseros 4% que os números das pesquisas mostram tem vida, mesmo que seja para defender um inútil com ciro. Cobrar de Ciro um posicionamento do que ele não é, nunca foi e jamais será: um estadista. Coisa que Lula e outros poucos conseguiram. Ciro se corroi de inveja de Lula. Foi e será apenas um mero ministro dele.

  3. A leitura dos fatos feita por Brizola mostra que ele foi também pioneiro neste equívoco do “conservadorismo lúcido”, que possivelmente foi repetido por Lula e, seguramente, o foi por Dilma, conforme entrevista concedida por ela e citada no mais recente livro de André Singer. Surpreendente o velho caudilho ter cometido tal engano de avaliação, ele que era tão desconfiado de tudo e de todos… Mas não me parece novidade que a oligarquia burguesa associa desconhecimento teórico e factual da política aos ditames vindos do Atlântico norte para trocar tudo sem mudar a essência, com o objetivo de manter intactos seus privilégios e velhos preconceitos de classe. É mesmo gente que, como diagnosticou Faoro, sonha com um Brasil de 20 milhões de pessoas e uma democracia sem povo. Entretanto, os dados da pesquisa devem servir de aviso a nós, não a Ciro. O desgoverno golpista está gerando um impacto profundo na psique das pessoas, o que leva a uma “anestesia” pela sensação de impotência diante de tantas agressões simultâneas. Tal evento, bem descrito por Naomi Klein no seu livro “A Doutrina do Choque”, pode acarretar duas circunstâncias: o usufruto oportunista que assistimos para empurrar goela abaixo da população medidas absurdamente danosas, ou no caso do descarrilamento total do projeto (por incompetência dos envolvidos) levar o estrato oligárquico a apoiar um “outsider” da extrema-direita, na ilusão de que sua desqualificação o levará a entregar o que interessa, i.e., a economia nacional, nas mãos dos “çábios” do mercado. Ambos os desfechos são tenebrosos, o primeiro por si e o segundo, porque não funciona assim com tais pessoas. Sua tendência aos excessos totalitários fatalmente leva a situações de conflito inclusive com seus apoiadores, se estes deixam de corresponder a suas pulsões mais primitivas. Hjalmar Schacht colaborou com os nazistas até 1937, para ser substituído por Göering após ter recuperado as finanças alemãs. Talvez seja a hora de começar a pensar em uma forma de reconciliação entre as esquerdas, sem disputas comezinhas por protagonismo, e rapidamente procurar pontos de convergência entre os diferentes programas, para estarmos preparados para tudo, inclusive se a disputa deixar de ser pela via eleitoral. Pois Lula continua a ser o principal nome do jogo, mesmo fisicamente afastado, e está inviabilizando a direita e a centro-direita, ao expor suas fraquezas políticas a cada pesquisa. Isto pode não passar impune para uma oligarquia disposta a tudo, menos a perder o jogo. Mesmo se para isto tenha de chutar o tabuleiro.

  4. Hoje assisti esse vídeo https://www.youtube.com/watch?v=W3H0_8NMKdM (Leonel Brizola Coerência e Coragem).

    Uma publicação sua de 2016: “O que faz um herói não é só a valentia, também é a humildade de não se achar dono da história, mas seu servo. Brizola aceitou dar a Lula e, mais importante, os brizolistas aceitaram dar a Lula a linha de frente de suas lutas de décadas”.
    Acho que chegou a hora de Lula retribuir o gesto de Brizola em 89, quando apoiou-o no 2º turno, indicando um vice para compor a chapa com Ciro.

    1. Mas de onde surgiu essa ideia de que o cinco Gomes tem a ver com o Grade Brizola. Que esculhambação é essa?
      É Lula ou…….NADA!!!

    1. “A era do capital improdutivo”

      “…fala de um tempo em que a sociedade e o modelo econômico passam a ser dominados por um setor do capital que não realiza bens ou serviços de natureza agregadora de valor. Estamos no interior do reinado do rentismo e da apropriação parasitária da riqueza produzida pela maioria…
      O processo de sofisticação das atividades associadas ao setor primário também abre as portas para a dominação do financismo. A extração e produção de petróleo e do conjunto de minerais em escala global passam por uma etapa de financeirização relevante…
      Estamos falando das chamadas “commodities”, que passam a operar em mercados financeiros muitas vezes desconectados da produção real. Essas mercadorias transformam-se em títulos negociados nos mercados financeiros globais e que estão sujeitos a flutuações em seus valores muitas vezes sem nenhuma correspondência com a dinâmica agrícola ou mineral. São as chamadas bolhas especulativas em mercados financeiros, fenômenos que criam e destroem riqueza sem nenhuma vinculação com eventos associados à dinâmica da economia real…” (Paulo Kliass)

      http://www.vermelho.org.br/noticia/308982-1

      1. é de ler chorando

        podemos resumir dizendo: são vermes devoradores de vida humana

        grata pela resposta Gurgel
        abraços

        1. Parece mesmo aqueles filmes trash de aliens devoradores de mundos. Mas bem real. De nada. Abs.

          1. isso – aliens devoradores
            que imagem medonha

    2. “Mercado” reune os parasitas de cada nação, a escória das sociedades. Nada produzem, só praticam fraudes financeiras para o lucro fácil e imediato. São os que não trabalham tomando de quem produz.

  5. Bolsonaro e Marina são muito mais fáceis de remover que Alckmim e, como eles sabem que o Partido do Judiciário remove quem o gerente do Itaú mandar, está explicada a primeira opção.

  6. Votarei em Ciro, mas quero que Lula seja candidato, pois é criminosa a perseguição a ele.
    Lula é o preferido, mas talvez o eleito seja alguém do PT. E o que fará o PT no poder? O eleito terá força para liderar e conduzir? Espero que sim. Conciliação e republicanismo, novamente? Espero que não.

  7. É isso! Excelente análise!
    Acho que essa pesquisa mostrou que o povo não vai abrir mão de Lula, a única “instituição” que percebe poder confiar.
    E com a aproximação da eleição, campanha na TV, é bem possível que Lula mesmo preso cresça mais e leve no primeiro turno. Depende só de nós que estamos soltos, vamos a luta!

  8. O estrago que fez à própria candidatura aderindo ao antilulismo sepultou definitivamente sua natimorta candidatura. Nem pra vice vão querê-lo por ter demonstrado não ser um político confiável.

  9. 1-Ciro é um “bom quadro”, mas nunca será uma “obra de arte”. E o nosso Michelangelo está na cadeia!

    2-O que nos atrapalha, de fato, são os pobres… Então, acabemos com a pobreza!
    Não, não! A elite nos quer vulneráveis, pedintes, desempregados. E os taradões, mais ainda.
    Por 2 meses convivi com um também paciente de fisioterapia. Ele me mostrou a ponta do sub-mundo de financiamento de jovens… E “as vantagens” deles precisarem uma forcinha… Para os taradões a crise é uma boa.
    Dias atrás circulou vídeo onde dono de TV assedia uma adolescente ao vivo. Segundo Cajurú, Hebe Camargo conhecia bem como o “patrão” resolvia problemas com seus contratados… E ficou por isso mesmo.
    Já somos uma Cuba de Fulgêncio!

  10. Colateral: vi ha pouco a foto da seleçao francesa de futebol, fazendo amistosos pre-Copa. Levei especie de susto. Ao contrario da nossa, tinha seis crioulos bem
    nitidos. Ta certo que teve esse negocio de colônias, de imigração a a partir delas e tal.
    Mas achei algo sintomático.

  11. Em suma, o que se exige do Ciro para que obtenha a benção do Lula é simplesmente puxa-saquismo. O que se deseja é que Ciro se converta e seja devoto ao São Lula, na vã esperança que este ordene que suas hostes celestiais desçam e apoiem o devoto. Sinceramente Brito, acho que você tem sido preconceituoso em relação ao Ciro. Os “ataques” que o Ciro desfere são os mesmos que nós, aqui mesmo neste blog, já fizemos ao petismo. O problema de Ciro é o excesso de sinceridade, veja que por conta de suas declarações de hegemonia moral e núcleo duro composto com o PSB e PCdoB, as alianças mais à direita estão comprometidas. Do jeito que vai, vamos eleger a fadinha da floresta ou o porra-louca e graças ao São Lula.

  12. Gostaria de saber em que mundo os petistas vivem. Não entendem que já foram e continuam sendo rechaçados da política nacional. Oxalá se contentassem com o não menos importante papel a ser desempenhado no legislativo. Eleições majoritárias, por um bom tempo, não terão chances, sobretudo se continuarem intransigentes como se tem mostrado. A esquerda não se resume ao PT e o PT não é o representante maior da esquerda, muito embora seja o maior partido de esquerda. Da mesma forma, Lula, embora tenha sido o maior presidente depois da redemocratização, de fato, não é Deus. Não apenas não o é, como está preso e, ACEITEM, está fora das eleições de 2018. Isso já é um fato. Lula não será candidato, será barrado pela “justiça” eleitoral e ninguém de dentro dos quadros do PT terá chances mínimas de eleição.
    Por essa razão, já é quase passada da hora de se reconhecer sim a viabilidade, o preparo e a liderança de Ciro Gomes nesse atual contexto. Outros partidos já o fizeram, embora ainda não em definitivo, como o PCdoB! Outros já deram claras sinalizações de fazer o mesmo… Enquanto isso, o PT continua intransigente, arrogante, isolacionista e isso poderá lhes custar muitíssimo caro e afetar todos nós!
    Lula não será candidato! Entendam isso…
    Não o sendo, nenhum outro nome do PT terá força para barrar o fascismo.
    Logo, a lógica e a estratégia é uma só: elegermos Ciro Gomes!

  13. Nunca os bancos ganharam tanto quanto nos governos do PT, e o Ciro vai contra essa forma de “conciliação” para governar. A “alma mais honesta do Brasil” sabe que o Ciro, como presidente, pode provar que há sim como governar transformando o mercado em parceiro do desenvolvimento e não patrão. Aí, meus caros, será o fim do fim do homem que colocou Temer na linha sucessória da presidência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.