Os generais que o governo não tem

Começa hoje o espetáculo tragicômico da reforma da Previdência, chave mestra da continuidade de um governo que, em menos de dois meses, se não perdeu toda a popularidade de seu chefe, perdeu toda a credibilidade com os setores que, em dias recentes, achava que ele poderia ser enquadrado em algum grau de normalidade.

E a referência recente para saber de seu sucesso ou insucesso nesta empreitada – para ele vital –  é o que tivemos, há dois anos. com a frustrada “tentativa Temer” na área, à qual, aliás, em quase tudo a de Bolsonaro, pelo que se sabe, parece, quando não agrava.

Se o “pacote de maldades” do presidente golpista tinha absurdos inviáveis, como o dos 49 anos de contribuição para ter o benefício integral, o do persidente recluso também os têm, como a ideia estapafúrdia de pagar benefícios muito menores que o mínimo, como revela hoje O Globo:

As regras dos benefícios assistenciais — pago a idosos e deficientes da baixa renda — também foram alteradas pelo governo. Segundo fontes a par das discussões, o auxílio começará a ser pago aos 60 anos, no valor de R$ 400, e passará a ser equivalente ao salário mínimo aos 70 anos. Antes, a proposta era pagar R$ 500 a partir dos 55 anos.

Aliás, a ânsia de mostrar que a reforma “atinge todo mundo” traz implícita a questão de, portanto, desagradar a todos.

Pode-se argumentar que este Congresso é “diferente”, dada a renovação dos eleitos. Bobagem: mudaram os nomes, permaneceram a falta de qualidade política e, sobretudo, a falta de espírito público, agora salpicada por alguns Frotas, Kins e “major isso e coronel aquilo”.

A diferença está no fato de não existirem operadores políticos para conduzir a proposta do Governo. Temer tinha, no Palácio e na Câmara, um verdadeiro exército de personagens aptos a falar a língua dos ratos e a dar nó em pingos d’água suja.

Seu líder na Câmara, um certo Major Vitor Hugo, é tratado na casa como um molambo. O chefe (chefe?) da Casa Civil (civil?), Ônyx Lorenzoni, nunca foi um articulador e, se fosse uma loja online, estaria arruinado no Procon por não entregar o que vende.

Procurem com uma lupa e vejam se há algum interlocutor político razoável no Governo.

O governo pode estar cheio de generais na sua composição ministerial. Mas, na política, só tem soldado raso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Seu líder na Câmara, um certo Major Vitor Hugo, é tratado na casa como um molambo. O chefe (chefe?) da Casa Civil (civil?), Ônyx Lorenzoni, nunca foi um articulador e, se fosse uma loja online, estaria arruinado no Procon por não entregar o que vende.

    Ráaaaaaaaaaaaaa
    impressiona que o traste, depois de quase 30 anos , não parendeu nada

    1. O traste está meio perdido, mas ele sabe o que quer: ferrar o povo, entregar as riquezas, fazer uma guerra com a Venezuela para dispersar a opinião.
      30 anos viveu com o que há de mais reacionário, militou com eles, fez parte deles.
      Só se reúne com governos de direita.
      E a esquerda está perdida, republicana.
      Ele sabe muito bem o que quer.

  2. Nessa briga filhos x milicos eu torço para os filhos. Essa milicada GOLPISTA não foi eleita pra NADA.
    Torço para os filhos porque quero mais que esse governo se EXPLODA e tenhamos uma chance de volta da democracia.
    Essa milicada pretende ficar mais 21 anos, pra terminar a destruição do país que começaram em 64.

    1. Bem lembrado! Temos de bater nessa tecla, ruim com a famiglia, muito pior com os milicos. Ao menos a famiglia sai em 2022…

  3. E precisa mais do que os generais pra “negociar”, com Moro por trás ?
    Há um fator nessa história que não se pode esquecer: os EUA. Eles não deram o golpe e ajudaram a eleger Bolsonaro e os filhos, pra não verem atendidos seus interesses. E esses interesses é que vão destruir esse governo, com ou sem o Coiso.

  4. É inadmissível uma reforma da previdência, que vai impactar de forma profunda TODA a sociedade brasileira, ser elaborada apenas por pessoas ligadas à área econômica. De repente, os impactos sociais de uma reforma vista só sob o aspecto financeiro acabe trazendo mais prejuízos do que vantagens.
    Uma reforma da previdência só terá validade se for aprovada por TODOS os setores da sociedade envolvida.
    Por que a sociedade não exige isso?

    1. Porque a mídia, comprometida até o talo com os rentistas, se encarregou de doutrinar a sociedade para esta não reagir.

  5. Vão destruir a aposentadoria do povo brasileiro para que a classe média, buscando alguma proteção na velhice, seja obrigada a despejar bilhões e bilhões de reais dentro dos bolsos dos rentistas cujo apetite é insaciável, aumentando uma despesa familiar que já está insuportável com o pagamento dos planos de saúde. O povão vai ficar como esteve desde quinhentos anos: aos Deus dará.

      1. É isso mesmo. Se banco fosse confiável Collor nunca teria conseguido passar a mão na poupança do povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.