Outra cartilha é possível

Roda nas redes a cena em que, num programa de TV, o jornalista Ernesto Lacombe cortou o lamento da colega Sílvia Popovic sobre a morte da menina Ágatha Félix para dizer que a culpa da situação era de Leonel Brizola – “que proibiu a polícia de subir o morro” e que os bandidos do tráfico eram “iguais aos palestinos”, que “colocam mulheres e crianças na frente” como seus escudos.

Ainda que a falta de inteligência se autoexplique, como Brizola deixou o governo do Rio de Janeiro há “apenas” 25 anos, é bom que se situem algumas coisas que ainda são repetidas mecanicamente por gente como ele.

Quando começou o primeiro governo de Brizola, Lacombe tinha 16 anos. Começou a trabalhar como jornalista no Governo Moreira Franco (aquele que “acabou” com a violência em seis meses, lembram-se?) No segundo governo Brizola, ficou apenas um ano por aqui, pois foi iniciar sua carreira na Globo de Santa Catarina, de onde só voltou no governo Marcello Alencar, o da “gratificação faroeste”, que premiava as “ações de combate” de policiais.

E, portanto, um “especialista”, não é?

A resposta a esta “acusação” pode ser dada, com toda a serenidade, pelo próprio responsável pela Polícia Militar nos dois governos Brizola: o Coronel PM Carlos Magno Nazareth Cerqueira, não sem antes situar quem foi este oficial: negro, filósofo, psicólogo, chefe do Estado Maior da Polícia Militar quando Leonel Brizola ganhou as eleições pela primeira vez.

Não foi, portanto, “trazido” por Brizola, assumiu antes de sua posse, depois de 18 anos em que a PM era comandada por coronéis do Exército. Cerqueira tinha na cabeça o que falta aos governantes de hoje, a ideia sobre o que seria ajustar a polícia à democracia:

(…) as intervenções policiais não [deverão mais ser] são percebidas mais como enfrentamentos, mas como administração de conflitos, exigia uma outra definição da missão que não privilegiava a ideia do “combate” e do “policial combatente”, própria de uma filosofia de guerra, para identificar a repressão policial. Era preciso terminar com a ideia equivocada da incompatibilidade do policiamento com a observância dos princípios regulados pelos instrumentos internacionais sobre os direitos humanos.

Sobre as idiotices de Lacombe, uso a narrativa de Cerqueira:

Vivemos uma experiência ímpar, durante o governo Leonel Brizola, como Comandante-geral e Secretário da Polícia Militar do Rio de Janeiro, pois, entendendo que a eficiência se solidifica, justamente, sobre o alicerce teórico do respeito aos direitos humanos, procurávamos conduzir a prática policial obedecendo e fazendo com que meus comandados obedecessem ao que hoje a nova Constituição consolida. Teríamos construído uma polícia adequada a um regime democrático, prestadora de serviços públicos e protetora do cidadão.
Não foram raras as acusações de que a polícia estaria manietada, sendo impedida de combater o crime, proibida de subir os morros e arrombar barracos e acumpliciada com o crime organizado. Não eram raros os gritos de que “direitos humanos era coisa de socialismo moreno acumpliciado com os poderosos marginais que infestavam os morros cariocas”.
Acreditamos que todos estejam bem-intencionados, embora alguns seriamente equivocados. Não é matando bandidos que se previne o crime.
Não é à toa que países acostumados com as práticas democráticas, como os Estados Unidos, afirmem que a contenção do crime não pode perder de vista as liberdades públicas, os direitos individuais, e que o sucesso absoluto (se é que existe) nesse combate só seria possível em regimes ditatoriais que permitissem controles não democráticos da população.
É preciso pensar sobre isso; é preciso acreditar nisso, não só a polícia, mas, infelizmente, ainda, uma grande parte da população brasileira; é preciso acreditar nas práticas democráticas, como aquelas capazes de possibilitar uma convivência humana digna e harmoniosa; é preciso acreditar que os direitos humanos são consequência da prática de deveres do Estado, das instituições e dos cidadãos.

A “cartilha” que Wilson Witzel diz que vai distribuir nas favelas, mandando os pobres se entocarem em buracos quando as tropas chegarem deveria ser substituída, nos quartéis, por manuais com ideias como as de Cerqueira, estas recolhidas no livro Sonho de uma Polícia Cidadã, de 2010, patrocinado pela própria PM do Rio de Janeiro.

Mas, infelizmente, somos governados agora por seres que preferem “fazer arminha” e dar socos no ar, comemorando mortes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

23 respostas

  1. Tenho muita esperança que um dia o governador Rambo da Silva faça uma cartilha para os moradores do Leme e Leblon se comportarem quando o Terminate Squad do BoPE carioca estiver invadindo torres de luxo atrás dos verdadeiros traficantes…

    1. É o que sempre digo: quem mora no morro não é o traficante, é o que se chamava “vapozeiro”, aquele que vende à varejo. Querem prender traficante? Vão nos Jardins, no Leblon, em Copacabana, em Brasília…

  2. Lacombe, profissão jornaLIXO.
    Canalha, canalha, canalha!
    Como não assisto televisão há alguns, nem tinha conhecimento desse sujeito, mas sei muito bem que o Brasil fascista, é resultado do lixo que esse e outros Datenas produzem diariamente.

  3. Cada policial que morre é resultado direto das mortos que eles perpetram nas ruas. E esse ciclo só terminará quando o ódio e a sabotagem dos ricos contra os pobres, terminar.
    Vencíamos esse ódio quando essa poderosa e podre ralé do Brasil derrubou Dilma e prendeu Lula.
    Enquanto ela mandar, nada mudará.

    1. Tudo está deslocado no Brasil. As polícias militares foram uma solução permanente para um problema temporário, a Guerra do Paraguai. E se quisermos tratar os PMs como deveriam mesmo ser tratados, teríamos casernas, treinamentos de sobrevivência, marchas de 20 km, disciplina espartana, cortes marciais, e muito amor pelo Brasil e os brasileiros. Exatamente o inverso do que temos hoje, infelizmente

  4. Ex-global, mas continua com a cabeça lá. Nunca vi proferir tanta bobagem em tão pouco tempo. Um imbecil ao cubo (imbecil³). PQP. Vai estudar, babaca.

  5. O que revolta é que essa gente fala o que quer e ninguém responde à altura. Algumas questões que eu colocaria:

    Pra quê subir o morro em 1982 ? Se estávamos em plena ditadura e, como se sabe, “não havia bandidos naquela época” ?
    Quer dizer então que, depois de dezoito anos de ditadura, havia tráfico organizado nos morros ?
    Os governadores da ditadura não mandavam a polícia subir o morro ? E os governadores seguintes ?

  6. Quando esses caras entenderem que o traficante sabe que a polícia vai atirar para matar, talvez pensem em mudar essa política burra de que bandido bom é bandido morto. Sabendo que serão mortos, só lhes resta cair atirando. E inocentes seguirão morrendo nessa guerra insana. E se algum bolsominion vier com o argumento de que estou defendendo bandido, já respondo antes: deixa de ser burro e VTNC.

  7. Lacombe não é aquele cara que apresentava esportes na Globo e vinha se apresentar com uma calça tão justa, que seus órgãos pareciam saltar de sua roupa, eu ficava imaginando como a Globo admitia isso., logo depois a Globo pôs ele na rua. Não sei se por suas vestes indecentes ou pela indecência ideológica.

  8. Este Lacombe anda buscando sempre a versão mais canalha de qualquer acontecimento para defendê-la com sangue nos olhos e ódio na ponta dos dedos. Para ele, a defesa de uma espécie de ideologia da canalhice reacionária prevalece sobre qualquer verdade factual e sobre qualquer princípio de cidadania e humanismo. Só faltou ele dizer que a culpa de tudo é do samba e do sambódromo.

  9. Como tudo no Brasil,o jornalismo funciona como uma entidade de classes defendo os seus interesses.
    Essa é a ideia de se liquidar o ensino dos podres,os ricos aparelharem toda a sociedade em seu benefício .

  10. Bpm dia!De onde era o Lacombe, antes de iir para a Band? Explicado, entao! Faz o mesmo jorna (porca) lismo de todos.

    1. E dos pontos de drogas da globo ele foi do pior, do mais reacionário, do mais racista, do mais abjeto: o de Santa Catarina.

  11. Lacombe, dizendo que espera resultado da pericia, tambem se antecipa ao resultado dizendo que foram os traficantes que colocaram a Kombi em que estava a menina Ágatha para que os mesmos – traficantes – atirassem na Komi e a culpa recaisse sobre os PMs. Sejam os traficantes ou os policiais, a culpa e responsabilidade continua sendo da politica de segurança publica do Estado. Durante todo este periodo de desenvolvimento do trabalho deste Lacombe não serviram para lhe mostrar que o direito a vida esta acima de todas as ideologias…!

  12. nojento esse lacombe. Kombi saiu de linha. Pegava fogo a toa porque a bateria era ao lado do motor. essa combe aí saiu da linha da globosta e foi para uma emissora com menos audiência ainda. eu nem sabia que isto existia. O caso era da Àgatha e ele foi buscar brizola, palestina que vive em guerra a zilhões de anos. Ecaaaaa, combe.

  13. o ator zé de abreu constatou q os tempos estavam tão feios q até glória perez e guilherme de pádua estavam no mesmo lado, ou seja, do ‘outro’ lado. Foi o suficiente para ser chamado de canalha pela novelista (sem razão pq crime violento não é segredo e ela mesma passou anos dando entrevista para a imprensa mineira, terra de pádua para q não se esquecessem dele e assim tem sido) e tb para ter o jornalista ernesto perguntando em uma entrevista pq o zé (q até pouco tempo era um colega de empresa dele) não era tb demitido como foi o fulano e o Waack (na verdade Waack foi sim é promovido para o horário nobre da CNN Brasil), já q ele, Zé, é inconveniente e não respeita o direito dos outros de terem outra opção política. Ou seja, o cara está no ramo errado, trocentos anos como jornalista e não desenvolveu espírito crítico, não consegue ver o país indo para o buraco. Mas agora vendo essa outra ‘opinião’ dele entendo a razão da anterior…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.