PF vira mamulengo de milícia. Por Luis Costa Pinto

Do Facebook do jornalista Luís Costa Pinto, a crua tradução do noticiário da expedição punitiva da PF sobre Luciano Bivar, o agora inservível presidente do PSL.

O episódio que transcorre esta manhã, busca e apreensão na casa do presidente do PSL Luciano Bivar, representa a ascensão mais súbita e mais grave na escalada fascista, antidemocrática e antiinstitucional por que passa o Brasil.

Antes de seguir, necessário separar de joio de trigo e nesse enredo não há trigo, só joio.

Bivar tem extenso prontuário como usufrutuário de situações que tangenciam crimes – eleitorais, de colarinho branco, de chantagem, entre outros passeios pela floresta de capítulos dos códigos civil e criminal. Mas, como sempre teria de ser, o Estado não poderia pôr o aparato policial contra um inimigo de quem o conduz qual manobrista de marionete.

O Estado Democrático de Direito não pode servir de fantoche para um pretenso autocrata nascente travestido de paladino da moral. E é isso o que Bolsonaro pretende parecer ser.

Bivar não escapa ileso de um baculejo da Polícia Federal e do Ministério Público seja em sua vida política, na vida privada ou em seus negócios empresariais.

Contudo, o conveniente e descarado cronograma da PF chefiada pelo ex-juiz e protofascista Sérgio Moro, empreendendo buscas e apreensões contra o ex-aliado e hoje grande desafeto político do presidente que escorrega na ladeira do descrédito público, parece – e é – uma agenda persecutória indigna de uma democracia.

Bolsonaro precisa provar que desconhecia a operação de hoje já há uma semana, quando advertiu a um dos patetas que foram tirar foto com ele diante do Alvorada a necessidade de conservar distância de Bivar. À luz dos acontecimentos desta manhã, é óbvio que o presidente da República fora informado pelo seu títere da Justiça que a polícia política sob seu comando faria o que fez.

Chama-se Operação Guinhol, diz a PF, porque seria nome decorrente do Teatro de Bonecos. Na verdade, como se dá no Recife, cidade onde há larga tradição desse tipo de manifestação cultural e artística, o batismo é de fato Operação Mamulengo. E o boneco conduzido ao sabor das vontades de seu mestre (despreparado, inculto, abusivo e escroque, mas “mestre”) é a própria Polícia Federal.

A PF se converteu numa DINA chilena, numa KGB soviética, numa Gestapo nazista, num FBI de J. Edgar Hoover.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Tudo consequência do golpe.
    Não que o Brasil já não estivesse envolvido em diversos tipos de falcatruas, mas não eram a mola mestra do governo, nem eram feitas à luz do dia, para que o povo se acostume e considere esse tipo de coisa algo normal na política.

    1. Consequência claramente previsível do golpe. Desde as suas origens, no mensalão, estava óbvia a tentativa de manipular o Estado de Direito e partir para o jogo fascista de usar o Judiciário e o MP como instrumentos de perseguição política. Partidos de esquerda, notadamente o PT, nada fizeram para cortar o mal pela raiz, enquanto os direitistas do tucanato ajudaram a insuflar o golpe esperando ser os seus beneficiários. Hoje, arrependida, a oposição ao fascismo está completamente desarticulada.

      1. Concordo em parte. Não podemos deixar de considerar que a situação do PT estava mais para “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”. Se tivesse sido mais atuante na tentativa de cortar o mal pela raiz, é bem possível que o resultado tivesse sido ainda pior para o partido, pois o jornalismo de guerra acusaria o PT, ainda que injustamente, de estar sendo antidemocrático. O PT nunca ganhou em primeiro turno, o que mostra que para mais da metade dos eleitores o PT não era sequer a primeira opção. O golpe teria acontecido de qualquer maneira e da acusação de tentar afrontar a democracia provavelmente o PT nunca se livraria. E hoje as críticas ao PT seriam pelo motivo oposto. A verdade é que o fato do excessivo republicanismo não ter funcionado não significa que uma postura mais firme teria funcionado.

        1. Creio que ambas têm razão. Entretanto, não podemos descartar o caráter imprevisível das redes sociais, que poderiam ser fortemente alimentadas pelo PT, enquanto governo. Creio que o Lula “baixou a guarda” depois dos 87%, preocupado em se “descolar” da Dilma, chamada de poste exatamente para forçar esse descolamento; e deu certo.

  2. Só que desde 2016 não vivemos mais sob um Estado Democrático de Direito e, no que tange ao “çupremo”, não há nenhuma disposição de restabelecê-lo.

    1. Para isso está lá o “assessor” militar do Toffoli: garantir que o çupremo não terá essa disposição tão cedo…

  3. Essa é a turma que ia combater a corrupção. Voce acreditou? Voce votou neles? kkkkkkkk sem comentários.

  4. O DNA democrático prevalece em no máximo 25% da Polícia Federal.
    É uma instituição que necessitará de uma faxina, passado o período do Capitão.

  5. Nunca a Prato Feito foi tão prato feito quanto agora, nem mesmo nos tempos de Serra ao destruir a candidatura de Roseana Sarney. Vexame e vergonha nacionais como o exército entreguista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.